A mulher de 30 anos não era nascida no 25 de Abril de 74; não ouviu radionovelas e não vibrou com o Festival da Canção. A mulher de 30 anos tropeçou em dois séculos e está aqui! Também opina, ainda não é anciã e agora é mãe

.posts recentes

. Bom dia

. Autoretrato #1

. Adeus fim de semana

. Adeus domingo #2

. Finalmente, toda uma cole...

.Instagram

Instagram

.mais sobre mim

.Posts mais comentados

21 comentários
16 comentários
14 comentários

.Setembro 2014

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
12
13
14
16
17
18
19
20
21
24
25
26
27
28
29
30

.tags

. todas as tags

.favorito

. O que é a amizade depois ...

. Nasceu o meu filho

. Da epifania televisiva de...

. Hoje constatei que é dia ...

. Leva-me pró contenente!!!

. Discurso directo I e II (...

. Os dias em que todos nós ...

. voltei, voltei...

. L`air du temps

.links

.subscrever feeds

.arquivos

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

.últ. comentários

Boa noite,Como a entendo.Uma coisa é fazer o "que ...
É tão giro encontrarmos desenhos antigos, retratam...
Compreendo perfeitamente! É tão difícil deixá-los ...
Quinta-feira, 21 de Fevereiro de 2008

Olha os títulos infantis!!! (tipo pregão)

Os livros infantis estão, cada vez mais, no top das minhas coisas preferidas. Confirmam, os entendidos nestes assuntos, o facto de toda a gente possuir uma criança dentro de si (excepto as grávidas, que nessa ordem de ideias, carregam três ou mais). O meu ego infantil revela-se mais nesta apetência por leituras infantis. Pronto.
 
De vez em quando ofereço um a uma criança alheia, mas sou daquelas compradoras de livros infantis para consumo próprio.  
Gosto de uma boa estória no papel mas, ainda mais, se acompanhada dumas ilustrações a condizer. Existem ilustrações fabulosas e outras de fugir. Com colagens, desenho, recortes e fotografias, tudo misturadinho; de um minimalismo irresistível, linhas, traços, formas desconstruídas, com perspectivas e sem perspectivas; com desenhos aguarelados impressionistas, as ilustrações que me deixam a imaginação à soltasão as minhas preferidas. Odeio aqueles desenhos, metidos à força no meio dos textos, previsíveis, monótonos e decalcados da história que não lhe acrescentam nada.
 
Entre o tempo em que eu era piriri até hoje, o mercado editorial infantil sofreu um boom enorme. Ou a culpa era dos meus pais (do resto da família e também dos pais dos meus amiguinhos) ou não havia mesmo muita opção de escolha: “fazes anos? Surprise! Toma lá a Anita está doente!”; “É Natal? Toma lá a Anita mamã! Ainda não tens esse, pois não?”; “Queres um livro? Escolhe lá um da Anita!”. Era tanta a fartura que a minha mãe, mulher pragmática, guardava os livros repetidos para, num acto pioneiro de reciclagem, os voltar a colocar na esfera da troca em aniversários vindouros de coleguinhas da filha. Resultado: mesmo assim e não tendo para troca, sou hoje uma orgulhosa proprietária de uma valente estante cheia de "Anitas" editadas entre 1979 e 84...
Cronologicamente ensaduichados entre a “Anita” e os livros “com mais letras que desenhos” estavam as bandas desenhadas do mainstream da época: o tio patinhas, a Mônica e o Bolinha, tudo em português de outro continente, o que, face a críticas sobre os perigos para a incorrecção linguística infanto-juvenil, tenho a testemunhar o contrário e a engrandecer essas edições pelo enriquecimento intercultural de gerações de criancinhas: uma pessoa aprendia sinónimos muito interessantes, tipo “ônibus” (em vez de autocarro), “caipira” (em vez de saloia), “casquinha” (em vez de gozar), “bala” (em vez de rebuçado); o que, neste ponto, questiona a criatividade de um anúncio televisivo de um treinador de futebol. Do Donald e do Mickey nunca gostei, o primeiro era parvo todos os dias e mais ingénuo que eu, na altura, o segundo era um convencido arrogante. E o Pateta fazia juz ao nome.
 
Depois e pela ordem natural das coisas, comecei a ler literatura mais densa (eh, eh,eh). Os livros da Condessa de Ségur e outros autores do século XIX, tipo, Frances Burnett e Francine Fontainet, numa colecção imensa de uma editora que eu penso que já não existe, a Editorial pública, em que alguns dos títulos faziam chorar as pedras da calçada!!! Eu bem lia aquilo e achava o contexto das histórias um bocado moralista demais. Aquela fixação na educação e na bondade também me faziam torcer o nariz desconfiada; ainda mais estranho era o facto de quase todos os personagens viveram em mansões e palácios ou então em casebres infectos e nenhum, nenhunzinho, viver num prédio! Mas quando somos pequeninos o conceito de tempo não tem lá muito sentido e eu ia feliz lendo aquelas histórias a achar que, em França, o número de órfãos e orfanatos era assustador e que ainda toda a gente vivia em palacetes no campo e não havia prédios. Contemporâneos desta colecção foram os livros da Alice Vieira, da Sophia de Melo Breyner e umas histórias do Connan Doyle sobre o Sherlock condensadas nuns livrinhos de capa rija. Os “cinco” vieram depois, mas a epopeia “Uma Aventura” não me convenceu (depois de tanto século XIX, aquilo devia parecer-me actual demais).
Outros houveram, mas agora não me apetece estar a nomeá-los a todos...
 
Hoje uma pessoa vai à Fnac e fica boquiaberta com a quantidade e, no meio de tanta fartura, apaixono-me pelas ilustrações. Aqui há uns dias, depois de andar algum tempo a conter-me, lá comprei estes, portadores de ilustrações tão “quicas”, se bem que muito diferentes um do outro, e umas histórias muito bem contadas. Não são nenhuma novidade editorial poqrque já têm uns dois a quatro anos. Eu não resisti:
Neste não resisti ao rato e aos desenhos e aos pormenores das ilustrações no cabeçalho das histórias, muito barrocas e arte nova. A autora é uma americana que se farta de ganhar prémios e já tem outros livros traduzidos para português (As aventuras de Winnie Dixie é dela, mas não tenho a certeza se o título é este).

 

"A Lenda de Despereaux", Kate DiCamillo. Edições Gailivro.

 

E este, para quem gosta de BD e já conhece o Neil Gaiman  e o Dave Mckean, a história é do primeiro, pois claro, e as ilustrações (espectaculares), do segundo. As crianças devem ficar fascinadas porque é uma aventura muito provável na imaginação de uma criança e, para os pais, é sempre muito pedagógico para ver o que vos acontece se caem na rotina de não terem tempo para as vossas crianças!

 

"O Dia em que Troquei o Meu Pai Por Dois Peixinhos Vermelhos" da Colecção Vitamina, da Devir

Já os li e recomendo!

tags:
publicado por amulherdetrintaanos às 23:36
link do post | favorito
Comentar:
De
  (moderado)
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Este Blog tem comentários moderados

(moderado)
Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres