A mulher de 30 anos não era nascida no 25 de Abril de 74; não ouviu radionovelas e não vibrou com o Festival da Canção. A mulher de 30 anos tropeçou em dois séculos e está aqui! Também opina, ainda não é anciã e agora é mãe

.posts recentes

. A silly season tem destas...

.Instagram

Instagram

.mais sobre mim

.Pinterest

Visite o perfil de Ana no Pinterest.

.Posts mais comentados

.Setembro 2014

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
12
13
14
16
17
18
19
20
21
24
25
26
27
28
29
30

.tags

. todas as tags

.favorito

. O que é a amizade depois ...

. Nasceu o meu filho

. Da epifania televisiva de...

. Hoje constatei que é dia ...

. Leva-me pró contenente!!!

. Discurso directo I e II (...

. Os dias em que todos nós ...

. voltei, voltei...

. L`air du temps

.links

.subscrever feeds

.arquivos

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

.últ. comentários

Boa noite,Como a entendo.Uma coisa é fazer o "que ...
É tão giro encontrarmos desenhos antigos, retratam...
Compreendo perfeitamente! É tão difícil deixá-los ...
Segunda-feira, 14 de Julho de 2008

A silly season tem destas hiperbolizações... parvas

Não houvesse este período pós eurístico assim para o apático. Não houvesse um cansaço cerebral nacional face à chegada da praia, do sol, das férias a crédito e das férias que de "vá para fora cá dentro" só se traduzem em "jantar na varanda e volta a pé na freguesia". Houvesse outro magote de greves para além dos protestos dos agricultures. E o que é que acontecia? Os amiguinhos comunicadores sociais não esgalhavam até à exaustão a história do tiroteio em Loures!

 

E era bem feito? Não, não era, mas é o que sempre fizeram nos outros milhares de acontecimentos iguaizinhos que anualmente se realizam.

 

Agora, e como sempre, este é empolado até à exaustão. Agarrado de tantas maneiras diferentes que é uma miscelânea de ideias mal cozinhadas, sem profundidade e a roçar o disparate que é a pura da generalização tosca.

 

E o governo? Ah? Dispara uns projectos com muita estatística á mistura que assim a discussão cai de vez na abstração e... é só.

 

E as partes envolvidas? Tudo igual: elas que se entendam que desde que fiquem no perímetro do bairro não causam mais mossa e está tudo controlado.

 

Não, não, não, diz aqui a modesta antropóloga. Ai, não, não.

 

A visibilidade é para estes grupos uma excepção. Só a violência, qualquer uma, lhes dá espaço para falar. O conflito é uma linguagem. E é a única partilhada na diferença dos grupos, verdadeiras comunidades e fechadas entre si, apesar de partilharem o espaço do bairro.

 

E avanço uma solução que não é nenhum avanço na discussão da heterogeneidade cultural em espaços fechados. A inclusão habitacional, mesmo quando em património público, pelas diversas zonas urbanas. A concentração de pessoas com características semelhantes nunca pode ser uma solução política de carácter social porque o problema também é cultural.

 

Isto é muito linear, não é uma visão paternalista nem politicamente correcta face à ausência de vontade ou a restrições orçamentais que não tentam experimentar o contrário: a qualificação dos bairros socialmente excluídos, "não problemáticos" (porque até no meu prédio existem "problemas") e isso passa pela inclusão de equipamentos sociais, culturais, desportivos; uma esquadra de polícia porque é necessário o mesmo ou maior acompanhamento e mediação em situações de conflito e, na constituição, todos os cidadãos têm direito à segurança. Isto entre outras coisas que não são novidade, até são senso comum.

 

Estes acontecimentos são sintomáticos de um mal estar social maior. Mostram como o equilíbrio entre grupos é frágil e como o conflito é, na sua óptica, um instrumento válido para a acção numa situação limite.

 

Há conceitos flexíveis consoante a representação social de cada grupo e de cada indivíduo e a forma como ele se posiciona no mundo ou na sociedade. Nestes casos, um deles é a ordem (neste caso, a pública); outro, a honra, outro ainda, a etnicidade.

 

Que fique claro, de uma vez por todas, isto não é multiculturalidade ou o seu resultado. Como diz o Miguel Vale de Almeida, uma cidade só é multicultural quando as pessoas juntas produzem algo novo que nasce da bricolage das suas culturas de pertença e cria uma cultura de refrência.

 

E agora, ideias desgarradas que só servem para confundir a opinião pública e acicatar a situação...

 

 

Esta pérola da interpretação... "ao lado"

 

 

Esta é um bocadito, convenhamos, deveras utópica...

 

 

 

Esta já faz um bocado mais de sentido...

 

 

E esta é a mais lúcida de todas, embora não desenvolva nenhuma metodologia para a acção...

 

 

 Um último apontamento: estas situações nascem e são accionadas por uma minoria de habitantes. A maioria trabalha. Há muitos habitantes dependentes do Estado. Há economia paralela, mas também há solidariedades, crianças, jovens e idosos. A forma negativa como se abordam estes bairros (isso e o discurso paternalista) deturpa qualquer identidade positiva. É injusto e, acho eu, um dos maiores entraves à discussão sobre políticas sociais em Portugal desde há trinta e tal anos.

 

tags:
publicado por amulherdetrintaanos às 22:00
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
|

.Pinterest

Visite o perfil de Ana no Pinterest.