A mulher de 30 anos não era nascida no 25 de Abril de 74; não ouviu radionovelas e não vibrou com o Festival da Canção. A mulher de 30 anos tropeçou em dois séculos e está aqui! Também opina, ainda não é anciã e agora é mãe

.posts recentes

. Vem aí um rito colectivo ...

.Instagram

Instagram

.mais sobre mim

.Pinterest

Visite o perfil de Ana no Pinterest.

.Setembro 2014

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
12
13
14
16
17
18
19
20
21
24
25
26
27
28
29
30

.tags

. todas as tags

.favorito

. O que é a amizade depois ...

. Nasceu o meu filho

. Da epifania televisiva de...

. Hoje constatei que é dia ...

. Leva-me pró contenente!!!

. Discurso directo I e II (...

. Os dias em que todos nós ...

. voltei, voltei...

. L`air du temps

.links

.subscrever feeds

.arquivos

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

.últ. comentários

Boa noite,Como a entendo.Uma coisa é fazer o "que ...
É tão giro encontrarmos desenhos antigos, retratam...
Compreendo perfeitamente! É tão difícil deixá-los ...
Domingo, 30 de Dezembro de 2007

Vem aí um rito colectivo e hiperagregador!!!

A Passagem de Ano.

 

Acontecimento fatal como o destino.

 

Passagem de quê... ah?... de ano?

 

Se partilhasse culturalmente os valores da China não tinha de passar de ano agora; se o nosso calendário não fosse gregoriano também não.

 

No fundo, bem lá no fundo é uma noite igual a outras. Não se passa nada. As horas passam como todos os dias e a meia noite acontece como sempre; não nos transformamos em vampiros, nem em abóboras, nem ficamos melhores pessoas, nem vamos ver, de manhã, o extracto do multibanco cheiinho de dinheiro; o que nos preocupa continuará a preocupar-nos.

 

Pior ainda é que o mundo não vai ser um lugar mais pacífico; nem mais limpinho; nem mais estável, climática ou politicamente falando.

Em 2008, neste século que ainda é novo, somos todos cidadãos do mundo. Isto acresce o número de preocupações com que uma pessoa pode lidar.

Assassinaram a Benazir Bhutto. Mais um passinho para a radicalização planetária. De um lado o ocidente, do outro o Médio Oriente. No meio tudo metido ao barulho. Escarafuncha-se o conceito de terrorista, indiscriminadamente aplicado para definir o outro e a nós, pelo caminho.

Mais uma mártir para o povo chorar. Mais um conflito para ajudar a afuguentar os Estados Unidos do Paquistão. Mais 40 mortos pelo caminho entre assassinatos e homicidios sob o argumento de uma ideia de paz que há muito vai no caminho errado. Tanto no Ocidente como no Médio oriente.

O mundo já não é seguro. Já não podemos partir à descoberta das maravilhas escondidas. Estranho. Hoje, que as comunicações nos aproximaram tanto, há cada vez mais lugares proibidos. Ah? Quem quer ir passar de ano ao berço civilacional, simbolicamente representado pelo Iraque?

Houve uma cimeira em Lisboa. Quem se lembra da Cimeira em Lisboa? Daqui a cem anos quem se vai lembrar da cimeira de Lisboa? Por acaso até conheço um rapaz que se irá lembrar e perpetuar a memória da comitiva feminina amazona do Kadafi, mas só isso.

O IVA continua a ser de 21%. Os portugueses continuarão a endividar-se. A taxa de juro da Euribor leva-nos tudo... até aquela dívida ao banco a que chamamos de casa.

Os hospitais, os serviços de atendimento permanente, os correios e as escolas sofrerão mais uns encerramentos de rompante e, um destes dias, quando acordarmos estarão os dez milhões de portugueses a viver, nas grandes cidades, em cima de nós, em barracas, como no século XIX quando a industrialização serviu de isco para a maioria das almas rurais. Qualquer dia já não há interior. Fica vazio. Será conhecido como o deserto transmontano e farão uma reserva. Mas quem é que quer viver em cidades sem hospital próximo?

Este texto está estranho, não está? Também o mundo.

E com esta sensação de estranheza me despeço de 2007.

Com votos de um mundo melhor para todos em 2008. E com aquele voto tão português, mas que vai na volta é mesmo a sabedoria popular no seu melhor:

SAÚDE para todos. Que uma pessoa sem saúde é que não pode mudar nada!!!

publicado por amulherdetrintaanos às 15:31
link do post | comentar | favorito
|

.Pinterest

Visite o perfil de Ana no Pinterest.