A mulher de 30 anos não era nascida no 25 de Abril de 74; não ouviu radionovelas e não vibrou com o Festival da Canção. A mulher de 30 anos tropeçou em dois séculos e está aqui! Também opina, ainda não é anciã e agora é mãe

.posts recentes

. Bom dia

. Autoretrato #1

. Adeus fim de semana

. Adeus domingo #2

. Finalmente, toda uma cole...

.Instagram

Instagram

.mais sobre mim

.Pinterest

Visite o perfil de Ana no Pinterest.

.Posts mais comentados

21 comentários
16 comentários
14 comentários

.Setembro 2014

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
12
13
14
16
17
18
19
20
21
24
25
26
27
28
29
30

.tags

. todas as tags

.favorito

. O que é a amizade depois ...

. Nasceu o meu filho

. Da epifania televisiva de...

. Hoje constatei que é dia ...

. Leva-me pró contenente!!!

. Discurso directo I e II (...

. Os dias em que todos nós ...

. voltei, voltei...

. L`air du temps

.links

.subscrever feeds

.arquivos

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

.últ. comentários

Boa noite,Como a entendo.Uma coisa é fazer o "que ...
É tão giro encontrarmos desenhos antigos, retratam...
Compreendo perfeitamente! É tão difícil deixá-los ...
Quinta-feira, 4 de Setembro de 2014

Só há Portugal no litoral

A desertificação de um território não é consequência do seu abandono por parte dos seus habitantes. A causa está além, muito antes da tomada de decisão massiva de "dizer adeus às ovelhas, aos cães e às cabras velhas", em resumo, ao lugar onde se nasceu. E isto é verdade para todas as escalas: da desertificação migrante, conhecida como êxodo rural, à desertificação nacional, conhecida como emigração.

 

Se a humanização da paisagem é categoria geográfica para se pensar no ordenamento do território, o que dizer das políticas de desertificação da paisagem, responsáveis pela machadada final a qualquer equilíbrio entre centros e periferias no território português?

 

Esta reportagem tem um título assertivo onde se esconde um travo apologético porque quase apocalítico. Ali estão, a cores, as fotografias do abandono, das terras fantasmas e dos baldios de amanhã. Numa altura de tanto desemprego, emigração e desinvestimento económico, aquilo que mais dói é o desinvestimento de visão política para um país que, sendo tão pequeno, nunca mereceu ou conseguiu ter um planeamento integrado, inter regional. De especulação imobiliária em especulação imobiliária, de obra pública em obra pública, de poupança em encerramento de obra pública, vamos é todos para o litoral, esse local onde se concentra hoje o desemprego, fugindo da solidão escura e fria dos campos e edifícios abandonados. Vamos todos ser pobres em construções sobrelotadas que, ao menos, temos calor humano. Ninguém quer ser eremita na própria terra onde nasceu.

publicado por amulherdetrintaanos às 15:54
link do post | comentar | favorito
|
2 comentários:
De Miguel Alexandre Pereira a 5 de Setembro de 2014 às 18:47
É com muita tristeza que vejo Portugal estar cada vez mais desigual a nível regional, é importante começar a ter iniciativas de levar as pessoas até todos os locais!
De Maria João Costa a 5 de Setembro de 2014 às 22:18
É verdade, infelizmente! Politicas passadas acabaram com a agricultura... A febre da construção acabou com tudo! É difícil mudar.

Comentar post

.Pinterest

Visite o perfil de Ana no Pinterest.