A mulher de 30 anos não era nascida no 25 de Abril de 74; não ouviu radionovelas e não vibrou com o Festival da Canção. A mulher de 30 anos tropeçou em dois séculos e está aqui! Também opina, ainda não é anciã e agora é mãe

.posts recentes

. Bom dia

. Autoretrato #1

. Adeus fim de semana

. Adeus domingo #2

. Finalmente, toda uma cole...

.Instagram

Instagram

.mais sobre mim

.Pinterest

Visite o perfil de Ana no Pinterest.

.Posts mais comentados

21 comentários
16 comentários
14 comentários

.Setembro 2014

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
12
13
14
16
17
18
19
20
21
24
25
26
27
28
29
30

.tags

. todas as tags

.favorito

. O que é a amizade depois ...

. Nasceu o meu filho

. Da epifania televisiva de...

. Hoje constatei que é dia ...

. Leva-me pró contenente!!!

. Discurso directo I e II (...

. Os dias em que todos nós ...

. voltei, voltei...

. L`air du temps

.links

.subscrever feeds

.arquivos

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

.últ. comentários

Boa noite,Como a entendo.Uma coisa é fazer o "que ...
É tão giro encontrarmos desenhos antigos, retratam...
Compreendo perfeitamente! É tão difícil deixá-los ...
Quarta-feira, 9 de Julho de 2014

O que é a amizade depois dos 30 anos?

Isto pode parecer uma pergunta fofinha, retórica, mas desenganem-se.

Isto é uma pergunta mesmo profunda.

Isto resulta da minha experiência e, em particular, de uma reacção ou não-reacção, de alguém que eu tomava (ou tomo, já não sei) como amiga desinteressada. Uma reacção-não-reacção explicitamente alimentada a inveja (eu sei, eu conheço-a).

Mas há amigos desinteressados? Adultos com responsabilidades conseguem ser amigos desinteressados? Ou só ficam felizes quando aquilo que os outros conseguem (afectiva, emocional, académica, profissional ou monetariamente) está sempre aquém daquilo que eles padronizam para si?

Eu consigo ficar feliz com a felicidade dos outros, apesar de quando tentava engravidar e não conseguia, me sentir invejosa, confesso e nunca escondi, mas também nunca andei a estragar a felicidade alheia.

Mas há outros que parecem achar que, sinónimo de uma amizade, é a infelicidade partilhada. E isto é estúpido porque depois dos 30 anos vá lá, e já estou a dar de barato que os vinte é só para a desbunda, uma pessoa tem aquilo que foi construindo. O que alcance ou se disponha a alcançar (afectiva, emocional, académica, profissional ou monetariamente) advém do modo como traçou ou traça os seus objectivos; como, com alguma maturidade que entretanto se adquire, faz e projecta escolhas e pensa sobre o que quer e o que não quer da vida. Os amigos não são responsáveis pela desdita ou felicidade de ninguém. Estão lá. Para apoiar, partilhar, ouvir e, aquilo que aparentemente nunca se quer dos amigos (apesar de se dizer à boca cheia que isso é pré-requisito), para serem honestos.

Ficamos uns verdadeiros cínicos depois dos trinta? Ficamos mais exigentes e já não estamos para levar com feitios muito diferentes dos nossos? Agora já não basta gostarmos das mesmas canções, dos mesmos livros e dos mesmos filmes? Com a idade ficamos cada vez mais individualistas?
publicado por amulherdetrintaanos às 16:15
link do post | comentar | favorito (1)
|
10 comentários:
De Life Inc a 9 de Julho de 2014 às 22:01
Debato-me com as mesmas preocupações constantemente. De repente, parece que as pessoas simplesmente não querem investir numa amizade, dá muito trabalho retribuir e dar. Enfim...

xoxo
cindy
De amulherdetrintaanos a 12 de Julho de 2014 às 20:53
Exacto. Há uns anos estas coisas eram mais simples ;)
De Mulheres Poupadas a 11 de Julho de 2014 às 11:48
Não sei se tem a ver com a idade ou com o que a vida nos ensina. Eu fiquei com menos vontade de ter algumas pessoas na minha vida com a categoria de amigos quando não eram tudo menos amigos. Agora são conhecidos. Ter conhecidos também é importante. :)
De amulherdetrintaanos a 12 de Julho de 2014 às 20:58
Sim, conhecidos há sempre muitos, só fico triste é com a constatação que os amigos que pensava ter estão a passar para essa categoria depressa demais:(
De Maria João Costa a 13 de Julho de 2014 às 18:06
Eu acho que a partir dos 30 são muito poucos aqueles que estão incluídos na categoria de "amigos".
De amulherdetrintaanos a 14 de Julho de 2014 às 20:24
E isso deixa-me triste e a questionar: será que sou eu que me tornei muito exigente?
De Joana a 15 de Julho de 2014 às 10:34
Acredito que o valor ou a importância da verdadeira amizade pode mudar com a idade, mas também a credito que o que a vida nos vai ensinado também pesa.
Por vezes dou por mim a pensar na quantidade de amigos que tenho e confesso que não sei. Falo de amigos de verdade, daqueles que contamos seja o que for e fica com eles, daqueles que precisamos de chorar e estão ali para nos ouvir, daqueles que precisamos contar uma alegria e estão ali a comemorar connosco. Acho que não tenho.
Talvez a culpa seja minha em já não confiar, em achar que não devo contar isto ou aquilo. Com a idade tornei-me mais desconfiada em relação às verdadeiras amizades.
Boa semana
De amulherdetrintaanos a 15 de Julho de 2014 às 14:35
Sim Joana, creio que é mesmo isso, uma mistura de contingências: a nossa tolerância que diminui, a exigência que aumenta e, muitas vezes, as pessoas crescerem por caminhos diferentes. Obrigado pelo comentário :)
De Fran a 16 de Julho de 2014 às 12:02
A vida tem evoluído ao longo dos tempos e podemos gostar mais de algumas mudanças e menos de outras. Antigamente um casamento durava para a vida, agora não. Antigamente um emprego ou uma empresa durava uma vida, agora não. Antigamente as notícias eram trabalhadas e elaboradas por profissionais, agora não. Com a vida a tornar-se uma correria diária com redes sociais e muito desemprego, as pessoas tornaram-se muito mais egoístas. Fazem-me lembrar as fraldas descartáveis: não queremos saber se compensam ou não, apenas queremos saber que dão muito menos trabalho. Entre cuscar a vida alheia e lamentar a vida que não temos, pouco tempo sobra para nada. E não é só a amizade que fica de fora: a educação dos filhos, a entre ajuda humana, a cortesia, a simpatia, tudo fica de lado. Esquecido. Não te preocupes porque não tem a ver com a idade. Tem a ver com a sociedade. Eu não mudo a sociedade mas mudo o mundo à minha volta. Tenho amigos a quem dou a minha vida sabendo primeiro que não vou receber nada em troca. A amizade não tem preço. E vale a pena o esforço.
De amulherdetrintaanos a 16 de Julho de 2014 às 14:12
Agradeço a tua perspetiva Fran, e concordo que socialmente as mudanças foram muitas e rápidas. Tenho presente que a crise social também passa pela substituição (sem substituto à altura?) dos valores morais e éticos, em vários quadrantes da vida quotidiana. Eu, confesso, tendo presente tudo isso e andando nostálgica de boas e velhas amizades desinteressadas, sou incapaz de confiar a minha vida a quem sei que a minha vida será indiferente.

Comentar post

.Pinterest

Visite o perfil de Ana no Pinterest.