A mulher de 30 anos não era nascida no 25 de Abril de 74; não ouviu radionovelas e não vibrou com o Festival da Canção. A mulher de 30 anos tropeçou em dois séculos e está aqui! Também opina, ainda não é anciã e agora é mãe

.posts recentes

. Bom dia

. Autoretrato #1

. Adeus fim de semana

. Adeus domingo #2

. Finalmente, toda uma cole...

.Instagram

Instagram

.mais sobre mim

.Pinterest

Visite o perfil de Ana no Pinterest.

.Posts mais comentados

21 comentários
16 comentários
14 comentários

.Setembro 2014

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
12
13
14
16
17
18
19
20
21
24
25
26
27
28
29
30

.tags

. todas as tags

.favorito

. O que é a amizade depois ...

. Nasceu o meu filho

. Da epifania televisiva de...

. Hoje constatei que é dia ...

. Leva-me pró contenente!!!

. Discurso directo I e II (...

. Os dias em que todos nós ...

. voltei, voltei...

. L`air du temps

.links

.subscrever feeds

.arquivos

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

.últ. comentários

Boa noite,Como a entendo.Uma coisa é fazer o "que ...
É tão giro encontrarmos desenhos antigos, retratam...
Compreendo perfeitamente! É tão difícil deixá-los ...
Segunda-feira, 3 de Março de 2014

O Carnaval dá para tentar a reflexividade. Há coisas piores, como a crise. Quem?

image001.png

O mundo muda todos os dias. O mundo acaba todos os dias. Quem permanece nem sempre se apercebe dos epicentros da mudança. A mudança só à distância é perceptível. Necessita de um salto espácio-temporal. Nada se analisa sem distância. Ou analisa? Desde as lições que a História (longa) nos dá, às (r)evoluções económicas, nada se lhes compara quanto a mudança das mentalidades consequente. Depois existe a escala. Há o aqui e há o lá. O aqui é o nosso umbigo (e Portugal é um buraco sem ligação). O lá é o resto do mundo. Falam dos norte americanos como auto centrados e ignorantes, mas nesta encosta atlântica também há muitos inscientes etnocentrados. Estes dias (leia-se anos) estão repletos de frases feitas onde se prefixa a "crise" para qualquer análise de curta distância. Estas coisas, já se sabe, porque já muitos sobre elas se debruçaram e nunca ouvi explicação melhor adequada, vêm de cima para baixo. São as elites, senhores. As elites determinam o modus, as bases, cá de baixo da pirâmide social, copiam-nas (muitas vezes sem se aperceber). Nesta microescala, a Europa está para uns como a ponte (é uma passagem), para outros como outra dimensão, para mim como a "elite" (a pobre comunicação social que temos também aí figura). Ela faz, ela manda, o homem segue. E não se pensa. Este país é uma espécie de terapia do riso para a Europa, pelo menos para os quase três dezenas de europeus unidos. Se calhar também para o resto do mundo. Se fosse a haver uma análise ao substantivo crise associado ao plano económico e social, numa espécie de questionário porta a porta, acredito que os resultados fossem uma miscelânea confusa. Crise do quê? Do emprego, da educação, da justiça, da ausente natalidade, da crescente imigração, da segurança social, da finança, dos valores? De tudo porque, a jusante, ninguém consegue identificar onde nasce a crise. Nem os que governam, nem os que pretendem governar. Das lições que se tiram das mudanças em sociedade, a macro escala nunca foi alheia. Há dez anos que andamos a debitar conversas de café, já chateia continuarmos assim. Pegando num telejornal qualquer (são todos iguais, mudam as nuances de lobby económico, mas resultado final é parecido): - Aquilo do Meco- não interessa como notícia. Eram adultos, acidentaram-se. A responsabilidade é dos mesmos. Os seus pares continuam a praxar-se em plena cidade universitária às dezenas, todos os dias e estamos em Março, de caloiros já só sobra a pobre auto-estima; - Notícias da Ucrânia misturadas com as da Venezuela- nenhuma informação de fundo, de contexto, não há paragem entre as duas convulsões, respeitando a distância de continentes, só para uma pessoa conseguir pensar. Pobreza noticiosa; - Assaltos, assaltos, homicídios e assaltos- coisa insólita. Nunca a sociedade portuguesa foi tão fustigada pela ladroagem? -Comentadores que fazem extensão da sua carreira política na televisão, uma espécie de pré reforma. Sempre os mesmos, sempre a mesma falta de ética. Oi? Há gente (ainda) nas universidades que pensa, já pensaram ir lá buscá-los?, - Notícias sobre quem vive abaixo do limiar da pobreza. Sem contexto, sem respeito, sem culpados, entre uma reportagem da feira do mel e outra do concerto do Tony carreira. Caem ali de paraquedas, esquece e passa a outro. Há uns sete anos que andamos com a "crise" de mão dada e ninguém a reconhece. No fundo, é um Carnaval permanente, pobre, lá está, mas muito folião. A máscara deve cair na próxima geração. Continuará a haver Carnaval? Podemos substituí-lo pelo bom gosto veneziano?
publicado por amulherdetrintaanos às 11:18
link do post | comentar | favorito
|

.Pinterest

Visite o perfil de Ana no Pinterest.