A mulher de 30 anos não era nascida no 25 de Abril de 74; não ouviu radionovelas e não vibrou com o Festival da Canção. A mulher de 30 anos tropeçou em dois séculos e está aqui! Também opina, ainda não é anciã e agora é mãe

.posts recentes

. Bom dia

. Autoretrato #1

. Adeus fim de semana

. Adeus domingo #2

. Finalmente, toda uma cole...

.Instagram

Instagram

.mais sobre mim

.Pinterest

Visite o perfil de Ana no Pinterest.

.Posts mais comentados

21 comentários
16 comentários
14 comentários

.Setembro 2014

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
12
13
14
16
17
18
19
20
21
24
25
26
27
28
29
30

.tags

. todas as tags

.favorito

. O que é a amizade depois ...

. Nasceu o meu filho

. Da epifania televisiva de...

. Hoje constatei que é dia ...

. Leva-me pró contenente!!!

. Discurso directo I e II (...

. Os dias em que todos nós ...

. voltei, voltei...

. L`air du temps

.links

.subscrever feeds

.arquivos

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

.últ. comentários

Boa noite,Como a entendo.Uma coisa é fazer o "que ...
É tão giro encontrarmos desenhos antigos, retratam...
Compreendo perfeitamente! É tão difícil deixá-los ...
Sexta-feira, 25 de Outubro de 2013

Eu ando desconfiada que me andam a estereotipar

Ontem fiquei chateada com uma colega minha que, a meio, de uma selecção de fotografias, num impasse de pura subjectividade estética, sem outro argumento melhorzinho, se vira para mim e diz: epá, tu agora ficas deslumbrada com qualquer fotografia onde se vejam crianças, mas eu não!

Assim.

Oi?

A rapariga misturou tudo e saiu-se com esta. Reconheço, fiquei mais sensível a bebés desde que fui mãe. Só isso. Acho-lhes mais piada, há outra empatia. Não exagero, contudo. Não ando para aí a falar de bebés a toda a hora, nem me transformei numa pessoa fofa e cutchi-cutchi. Continuo a tratar muito bem da minha veia irónico-caústica. E, de todo, o facto de ter sido mãe me toldou o raciocínio: há lá coisa mais expressiva do que uma excelente fotografia com 60 anos de duas crianças descalças a brincar com paus e pedras, no meio de um descampado cheio de lixo quando se pretende ilustrar a permanência e a mudança social, ao mesmo tempo. Para além da excelente qualidade da fotografia, existiam ali inúmeros pormenores onde as pessoas se podiam identificar e distanciar daquele tempo. E não é isso o que uma fotografia deve cumprir? Despertar alguma coisa sem precisar de legenda?

Bom, só lhe disse que era muito injusto e errado aquele raciocínio, voltando a explicar-lhe tudo como se ela própria fosse uma criança. Nem me chateei, fiquei só a pensar naquilo.

Eu até percebo que no sítio onde trabalhamos mais em permanência, ela e eu eramos as únicas pessoas sem filhos e eu tinha outra disponibilidade mental para várias coisas que nos ocupavam tempo e eram divertidas. Das coisas em comum, só o facto de eu ter uma criança é que mudou e, com isso, o meu tempo (que não é elástico) . Eu acho que para ela, não. Como se ser mãe fosse sinónimo de fraqueza, fraco discernimento, pouca disponibilidade para todas as outras coisas da vida. Aí acho mesmo que está errada: ainda ela vem fresca para o trabalho e já eu tratei de mim, acordei, beijei, dei comida, mudei fralda, penteei, lavei, fiz tó-tós, brinquei, arquei com criança para o carro, carro-infantário, infantário-choradeira, choradeira-beijinho, beijinho-carro outra vez e aí, sim, chego ao trabalho.

Isto é só um exemplo de que a vida muda com um filho, mas o nosso cérebro não aparvalha (pronto, pode aparvalhar um bocado), não ficamos menos inteligentes, nem piores profissionais (acho que essa premissa implícita no comentário é que me irritou), quando muito ainda exige maior concentração para fazer face ao cansaço das manhãs e das noites interrompidas 500 vezes.

Notinha: ao fim do dia vem-me dizer que concordava com aquela fotografia, era realmente a melhor. Resposta minha: "Sempre achei isso e demorei menos tempo a descobrir!" (acompanhei com um sorriso "materno", pronto).
publicado por amulherdetrintaanos às 11:46
link do post | comentar | favorito
|
4 comentários:
De Ben a 26 de Outubro de 2013 às 12:17
Nunca fui mãe... Dificilmente o serei lol sou um homem de (quase) 30 anos [até parece anúncio à procura de companheira lol] que sabe bem o que são sentimentos ... Portanto essas coisas são normais! Mas se até dizes que nem mudaste tanto... São os dias... Há dias assim ... Já falaram, é o mais importante... E voltem a falar se preciso! Melhor... Conversem... Porque só a falar parece que não vai lá
De amulherdetrintaanos a 30 de Outubro de 2013 às 21:15
Fartinha de conversar. No "problemo"!
De momentosdisparatados a 31 de Outubro de 2013 às 08:45
Está esclarecida e resolvido a questão o que não quer dizer que não surjam mais situações do género.
Por vezes as pessoas que nos rodeiam fazem ideias a nosso respeito que nos deixam...irritadas. Pelo menos a mim deixam
De twin_mummy a 4 de Março de 2014 às 20:07
Sim, é verdade. Nós mudamos com a maternidade. Mas também concordo de que existe um certo 'estereotipo' de que mudamos drasticamente com a maternidade e isso nem sempre se aplica.

É como muito bem diz. Se antes comentar uma fotografia com crianças poderia significar que apreciamos a arte da foto em si, depois de sermos mães de certeza que é por nos termos transformado em Marias-Madalenas. DE CER-TE-ZA!!

Ora BAHHHHH! Para essa gente toda!

Comentar post

.Pinterest

Visite o perfil de Ana no Pinterest.