A mulher de 30 anos não era nascida no 25 de Abril de 74; não ouviu radionovelas e não vibrou com o Festival da Canção. A mulher de 30 anos tropeçou em dois séculos e está aqui! Também opina, ainda não é anciã e agora é mãe

.posts recentes

. Bom dia

. Autoretrato #1

. Adeus fim de semana

. Adeus domingo #2

. Finalmente, toda uma cole...

.Instagram

Instagram

.mais sobre mim

.Pinterest

Visite o perfil de Ana no Pinterest.

.Posts mais comentados

21 comentários
16 comentários
14 comentários

.Setembro 2014

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
12
13
14
16
17
18
19
20
21
24
25
26
27
28
29
30

.tags

. todas as tags

.favorito

. O que é a amizade depois ...

. Nasceu o meu filho

. Da epifania televisiva de...

. Hoje constatei que é dia ...

. Leva-me pró contenente!!!

. Discurso directo I e II (...

. Os dias em que todos nós ...

. voltei, voltei...

. L`air du temps

.links

.subscrever feeds

.arquivos

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

.últ. comentários

Boa noite,Como a entendo.Uma coisa é fazer o "que ...
É tão giro encontrarmos desenhos antigos, retratam...
Compreendo perfeitamente! É tão difícil deixá-los ...
Quinta-feira, 13 de Dezembro de 2007

Constipação e (des)Contentamento

Eis duas palavras que não se conjugam lá muito bem. Uma pessoa até está contente; aliás muito contente, mas nada vence as vias respiratórias obstipadas; a dor de cabeça, a sensação duradoura de nariz entupido ou a tosse cavernosa consequente.
 
Por muito contente que uma pessoa esteja não há energia para comemoração ou exteriorização da dita. Estou farta dos lenços de papel e das gotas para o nariz. Quero a minha saúde de volta!
 
Mas que estou contente estou.
 
Estou aliás muito contente.
 
Agora as razões do meu contentamento estão em proporcional relação com a mediocridade do país que temos. Por isso também devem ser medíocres. Contudo, como vivo aqui sou uma idiota poucochinha como o meu país, vou enumerá-las só para que vejam como nós, portugueses, somos mesmo pouco ambiciosos (tal como o país):
 
Estou contente porque:
 
  1. finalmente tenho um emprego para o qual os meus looongos anos de estudo até importaram, ou seja, estou numa área que tem mais ou menos a ver (polivalência, século XXI, choque tecnológico e outros);
 
  1. estou constipada. E sempre que estou doente ponho-me a pensar em como deve ser tão difícil a vida das pessoas que estão sempre doentes; aí sinto-me uma sortuda e prometo a mim própria que, quando me sentir em condições, vou aproveitar a minha saúde ao máximo;
 
  1. estou contente por comparação (aqui entra a intrínseca característica da inveja ou fatalismo português) porque vi numa reportagem televisiva uma corajosa senhora que trabalha numa indústria têxtil a carpir a sua desdita profissional e o facto do ordenado mínimo nacional não aumentar ainda este ano para atingir aquela meta progressivamente (eles enganam-nos e a gente chora a nossa sorte) dos 450euros. Acaba ela a sua intervenção dizendo uma coisa deste género: “Aiii! Os quinhentos eurinhos é que era! O desafogada que ficava se chegasse aos 500 euros!”. Aí uma pessoa pensa que tem realmente sorte (não se comparada com um luxemburguês por exemplo, mas pronto); mas, por outro lado, constata que vive num país tão merdoso que nem incentivo ao trabalho sabe dar. È que eu se ganhasse o ordenado mínimo a trabalhar das 8horas da manhã às 5 da tarde ficava era em casa a arranjar estratégias para “papar” os míseros 300 euros ao Estado que, entre rendimento mínimo, complemento social solidário e outros afins até devia dar mais. Mas não, as pessoas ainda teimam em trabalhar e depois toma lá com estes trocos, vai pagar a renda, luz, água e comida, o passe e põe os filhos na escola, compra-lhes roupa e não digas que vens daqui.
 
  1. Estou contente porque faço parte duma elite que foi à escola e não sofre de iliteracia e não está sujeita às arbitrariedades mais bárbaras que atentem contra os seus direitos porque tem consciência deles e sabe que os pode reivindicar. Um exemplo: há pessoas hoje que pensam que não têm direito a receber os dias que têm de férias porque o patrão lhes disse: “Onde é que já se viu receber quando não se trabalha? Acha que tem sentido? Pois não, os dias de férias não são pagos nem podiam nunca ser e isso do subsídio de férias não se aplica ao tipo de trabalho que faz.” E toma. Então a pobre alma responde: “Ah, então não, não posso ficar sem receber, tenho uma mãe doente, os meus filhos estão na escola e o meu marido desempregado. Não quero ter férias.” Responde o trafulha: “Faz bem, eu no seu lugar também não queria, é que assim tem sempre o ordenado e já sabe com o que conta.” Isto é verdade e acontece porque me contou a pobre alma ludibriada. Agora são estes trafulhas que ficam apoplécticos quando o Estado lhes diz que até 2011 o ordenado mínimo chegará aos 450 euros!
 
Vistas as coisas assim e numa escala de mediocridade absoluta, na individualidade da minha vida pessoal, até estou contente. Agora isto é sol de pouca dura e esbatece por completo mal acendo a televisão ou leio o jornal ou falo com pessoas reais que são a maioria dos cidadãos deste país e que parece que têm ainda um “Salazar” dentro de si. Têm medo de questionar porque tudo lhes parece inquestionável e aceitam, e choram, e reclamam e remoem e não fazem nada. Merecem o país que têm porque incapazes de o mudar. Nem pedir o livro amarelo ou o de reclamações ou ir ao tribunal do trabalho. Nada. Têm medo. Não sabem ser cidadãos, não foram educados para isso. Os portugueses não reclamam, remoem. Os “outros”, o “governo”, “eles” é que nos estragam a vida. Não, quem estraga a vida aos portugueses são os próprios portugueses. Foram eles que votaram, é a eles que o governo serve. Os cidadãos são a parte forte do Estado; o governo sem cidadãos não existia. Por isso, acordem. Se a vida vai mal, associem-se, reivindiquem, façam-se ouvir.
Já não há pachorra para lamúrias quando isto vai de mal a pior e uma pessoa fica feliz só por ter um emprego, isto é, só por a deixarem trabalhar.
 
 
 
 
 
sinto-me: constipada e desconfortável
publicado por amulherdetrintaanos às 23:29
link do post | comentar | favorito
|
2 comentários:
De sonjita a 17 de Dezembro de 2007 às 10:24
Pois, realmente tens razão... queixamo-nos tanto mas não verdade não temos muito do quê... às vezes sinto-me revoltada (e acho que tenho direito a isso tendo em conta que em outros tempos não era assim ou que em outros países também não é assim ) por ter andado tanto tempo a tirar uma licenciatura para agora estar a trabalhar numa outra área completamente diferente da minha, mas depois, vejo as notícias, falo com colegas sem trabalho e apercebo-me que tenho mesmo é que ficar contente por ter um trabalho, um trabalho que apesar de tudo até nem desgosto e que me dá um rendimento ao fim do mês....
Gostei do teu blog

Fica bem
De amulherdetrintaanos a 17 de Dezembro de 2007 às 15:39
Obrigada pelo elogio ao blog. Aparece mais vezes. Vou espreitar o teu. Bjs

Comentar post

.Pinterest

Visite o perfil de Ana no Pinterest.