A mulher de 30 anos não era nascida no 25 de Abril de 74; não ouviu radionovelas e não vibrou com o Festival da Canção. A mulher de 30 anos tropeçou em dois séculos e está aqui! Também opina, ainda não é anciã e agora é mãe

.posts recentes

. Bom dia

. Autoretrato #1

. Adeus fim de semana

. Adeus domingo #2

. Finalmente, toda uma cole...

.Instagram

Instagram

.mais sobre mim

.Pinterest

Visite o perfil de Ana no Pinterest.

.Posts mais comentados

21 comentários
16 comentários
14 comentários

.Setembro 2014

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
12
13
14
16
17
18
19
20
21
24
25
26
27
28
29
30

.tags

. todas as tags

.favorito

. O que é a amizade depois ...

. Nasceu o meu filho

. Da epifania televisiva de...

. Hoje constatei que é dia ...

. Leva-me pró contenente!!!

. Discurso directo I e II (...

. Os dias em que todos nós ...

. voltei, voltei...

. L`air du temps

.links

.subscrever feeds

.arquivos

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

.últ. comentários

Boa noite,Como a entendo.Uma coisa é fazer o "que ...
É tão giro encontrarmos desenhos antigos, retratam...
Compreendo perfeitamente! É tão difícil deixá-los ...
Segunda-feira, 26 de Novembro de 2007

Provocações

Em conversa esparvoada com uma amiga mais trintona do que eu acabámos a categorizar o género feminino trintonesco com base nas suas expectativas amoroso-relacionais. Conteúdos herméticos e ponto final.

 

Isto porque a conversa era entre nós e não alargada a outras opiniões.

 

A nossa conversa é uma verdade absoluta e, nessa forma espácio-temporal muito bem localizada num café com lugar para fumadores, subjectiva e dogmática... cá vai...


Existem trintonas românticas...

Portadoras de uma interioridade simplória intrínseca, rural, regional ou urbana, tanto faz. Vivem num mundo à parte. Desconhecem completamente a natureza humana. Acreditam que hão-de encontrar um homem que assolapadamente por elas se apaixone; de tudo abdique e que viva só para elas. Há-de ser pirosamente romântico e tomá-las com a importância do ar que respira. Terão vários filhos e serão felizes para sempre. Pelo meio lêem na casa de banho e escondidas os livros da colecção Bianca e choram sentadas na sanita perante tamanhas desventuras e desencontros amorosos, sentindo-se bem consigo próprias porque têm ou hão-de viver uma história semelhante. Falam à bébé com o seu namorado/marido/amante e congratulam-se se ele lhes paga nem que seja um café na tasca da esquina. Neste sentido são hiperpositivas porque equivalem esse acto a uma viagem surpresa a Paris.

Resultado: geralmente colam a imagem desse arquétipo ao primeiro grunho que lhes aparece e ninguém as demove daquilo. Deixam de falar com as amigas porque nalgum tempo da história amorosa elas opinaram depreciativamente sobre a criatura e dedicam-se apenas ao lar e ao seu homem, vivendo para ele 99% do tempo. São as mais prováveis vítimas de violência doméstica.

 

Depois existem aquelas trintonas mais pragmáticas...

Um homem é um homem, uma mulher é uma mulher. Se se é heterossexual é-se. Se se gosta de mulheres, gosta-se e se os dois géneros são atractivos são, porque são. É tudo muito claro. As pragmáticas já se definiram como mulheres e se têm dúvidas não as verbalizam. Têm uma ideia muito consolidada de si próprias e já definiram, com antecedência, o que pretendem numa relação. Não são dadas a actos românticos e odeiam musicais. Não percebem a transformação interior que o capitão Von Trapp sofreu por causa da Maria e vomitam perante a harmonia familiar musical do Edelweiss cantado em conjunto.

Resultado: São mandonas e muito independentes e geralmente só um romântic@ completamente apaixonado e passiv@ as atura. Não fazem concessões nenhumas e as coisas são sempre aquilo que são e elas é que sabem. A última palavra é sempre sua. São as mais prováveis perpretoras de violência doméstica sobre o parceiro.

Ainda existem as trintonas resignadas...

São parecidas com as românticas, mas muitooo mais tímidas. E inseguras também. Tão inseguras que só aos 25 perderam a virgindade, se é que a perderam. Têm vergonha do seu corpo, questionam o seu q.i. e invejam todas as suas amigas. Auto-confiança é palavra que desconhecem. Encontram defeitos nos sítios mais recônditos do seu corpo, da sua casa, da sua infãncia. Gostam de falar dos seus traumas e acreditam na regressão. Têm um poster do Tom Cruise no filme Coktail e compram todos os cds do Bryan Adams. Choram a ver o programa da Oprah e choram porque são infelizes e não têm um homem que as ame como elas são. Nenhum as atura por muito tempo perante tamanhas banhadas de depressão, aí viram-se para os chat neteiros e para jogos virtuais tipo Second Life.

Resultado: Potenciais solteironas na acepção mais clássica do termo. Regorzijar-se-ão com a vida das primas, amigas, irmãs porque têm medo de viver a sua. São as mais prováveis candidatas ao programa “senhor-doutor-socorro-que-sou-pobrezinha-e-insegura-pertenço-ao-sistema-nacional-de-saúde-que-nem-dentista-tem-e-não-tenho-dinheiro-para-gastar-sem-razão-aparente-e-preciso-de-ajuda”.

E depois existem também... achámos nós, as trintonas desprendidas...

Aqui há notoriamente dois subgrupos: as super alegres, giras e frescas, fashion e socialmente muito, mas mesmo muito activas. Ou então, tão sérias quanto intelectualmente estimulantes, que são senhoras do seu nariz e criaram a sua própria onda fashion, muito politizadas e com ideologias muito firmadas. Para ambos os grupos um@ parceiro@ e uma relação não é algo a que se aspire, acontece naturalmente. O mundo é o seu limite, seja no hi5, seja numa conferência sobre markismo dialéctico, se a sua retina se expande perante alguém, fazem-se à vida. O seu lema é, mais ou menos, este “uma relação liberal é que é bué normal ”. Não falam à bébé com a sua cara metade e nunca lhes passaria pela cabeça perguntar quinhetas vezes ao desgraçado "Amas-me? Mas amas-me mesmo? Quanto? Quanto? Diz lá... Daqui à lua ou ao até ao infinito? À lua? Só?! Buahhhh... Não gostas de mim!!!". Não, desprendida que é desprendida não se apoquenta com isso. Pergunta logo e pronto.
Resultado: são as mais óbvias presas de uma assolapada paixão, mas conseguem permanecer muito equilibradas no meio dela. Resistem até à exaustão e odeiam os homens a que as românticas aspiram. Têm o muito demarcada a fronteira entre a sua relação e a existência de si próprias dentro e fora dela. Foram eleitas nesta subjectiva categoriazação como as mais saudáveis e porquê. porque não se anulam, diluindo-se.

Esta listagem é ficcionada e qualquer semelhança com a vossa realidade é pura coincidência. Por isso, e só por isso, não me venham depois chatear se se revirem nalguma categoria...

sinto-me: com sono
publicado por amulherdetrintaanos às 22:53
link do post | comentar | favorito
|
2 comentários:
De Fátima Bento a 3 de Dezembro de 2007 às 15:54
'Tá espectacular! Certeiro como o tiro de um sniper (olh'ó cliché...) - mas a sério, gostei muito.

B'jinhos,

Fátima
De amulherdetrintaanos a 3 de Dezembro de 2007 às 18:25
He, he, he... as conversas femininas têm estes resultados... Ainda bem que gostaste. Bjs

Comentar post

.Pinterest

Visite o perfil de Ana no Pinterest.