A mulher de 30 anos não era nascida no 25 de Abril de 74; não ouviu radionovelas e não vibrou com o Festival da Canção. A mulher de 30 anos tropeçou em dois séculos e está aqui! Também opina, ainda não é anciã e agora é mãe

.posts recentes

. Bom dia

. Autoretrato #1

. Adeus fim de semana

. Adeus domingo #2

. Finalmente, toda uma cole...

.Instagram

Instagram

.mais sobre mim

.Pinterest

Visite o perfil de Ana no Pinterest.

.Posts mais comentados

21 comentários
16 comentários
14 comentários

.Setembro 2014

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
12
13
14
16
17
18
19
20
21
24
25
26
27
28
29
30

.tags

. todas as tags

.favorito

. O que é a amizade depois ...

. Nasceu o meu filho

. Da epifania televisiva de...

. Hoje constatei que é dia ...

. Leva-me pró contenente!!!

. Discurso directo I e II (...

. Os dias em que todos nós ...

. voltei, voltei...

. L`air du temps

.links

.subscrever feeds

.arquivos

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

.últ. comentários

Boa noite,Como a entendo.Uma coisa é fazer o "que ...
É tão giro encontrarmos desenhos antigos, retratam...
Compreendo perfeitamente! É tão difícil deixá-los ...
Sábado, 17 de Abril de 2010

grandes instalações, fotografias pequenas

O senhor da lista da revista forbes que instalou a sua colecção no ccb e que, tendo um apurado sentido económico no acordo que fez com o governo, nos permite entrar sem pagar no museu colecção homónimo porque aparentemente o dinheiro que o estado lhe pagou para albergar a colecção e receber outras itinerantes sai dos bolsos de nós, visitantes anónimos e contribuintes, não nos faz assim um favor por aí além. Esta introdução foi só para esclarecer que se pagássemos bilhete o estaríamos a pagar duas vezes. O homem não enriqueceu por ser bonzinho e não o repreendo porque toda a gente precisa de amealhar para comer.

 

E nós, público anónimo, gostamos mesmo de arte. E da contemporânea. Adoramos ver coisas grandes e que foram ao estrangeiro e que o senhor do telejornal diz que é bom e a moura pinheiro, da câmara que não é escura, também. E a gente lá vai.

 

Somos tantos que nem se consegue circular. Todos juntos poderíamos muito bem nos juntarmos àquela associação dos ateus e fazer mesmo um barulho audível quando o chefe daquele Estado mais pequenino que o Lichenstein viesse cá alapar o cú no meio do Terreiro do Paço numa estrutura que também nós pagámos, mesmo os ateus, mesmo os católicos que não querem nada com a Igreja e com aquela horda de senhores somatizados no seu porta-voz homofóbico que vomita atrocidades atrás de atrocidades.

 

Mas, pronto, éramos tantos que entrei no primeiro buraco onde não havia ninguém. Era a exposição retrospectiva dos mega desenhos do Robert Longo. Os trios de imagens resultam muito bem e a seguinte, com escultura, sendo óbvia tem sempre o mérito de ser inteligível.

Men in the cities, a mais mediática.

 

 

 

Depois da exposição dos auto-retratos do mundo de Annemarie Schwarzenbach que vale pelo percurso da figura e pela conjuntura histórica da mesma, começamos a interrogar-nos se a produção do tal programa Cãmara branquinha, não sofrerá de falta de espírito crítico. Eu sei que o pessoal que faz exposições gosta de as ver divulgadas. Um imperativo hoje em dia, mas quem as divulga pode sempre dar um arzinho de crítica. As fotografias valem pelo tempo que já passou, por elas e pelos lugares que já não são aqueles, de resto a técnica e a aparente falta de coerência entre os conjuntos não chega para se designar uma exposição, "de" fotografia. Não gostei. Especialmente do conjunto de Lisboa. As da pesca do bacalhau são péssimas fotografias. Ganhei até uma certa irritação com a senhora: saí da europa irritada com a ascensão do nacional socialismo alemão e vai cair nos braços do António Ferro e do Secretariado da Propaganda Nacional portuguesa. Só vê a urbanidade de Lisboa?! acha-a pitoresca?! Só há pobres no Iraque e mulheres analfabetas no Irão?! Só há crianças descalças e andranjosas no Afeganistão?! É que nos anos 40 do século passado, o que não falatava era crianças com ranho no nariz e descalças em Lisboa. 

 

Depois, irritada com tanta rebeldia ao volant de um cabriolet pelo mundo, lá contornei quinhentas mil crianças e consegui ver, tropeçando nelas, a exposição da Joana Vasconcelos.

 

Não gosto de tudo, mas gosto da escala de quase tudo. A escala afirma e afina o conceito.

 

Contaminação

 

e esta não me lembro o nome, mas é o que apetece fazer geralmente aos cães de loiça, logo... eu tinha o desejo latente em mim, só nunca tive a coragem de o fazer...

 

Cinderela

 

Pensava que ainda era maior, mas até não é. Parece uma coisa pouco conceptual, mas tem o mérito de dizer muito com pouco. Os tachos e panelas estão lá, mas a estética também. E o conceito. E a cultura portuguesa, mesmo dos emigrantes. Dificilmente alguém traduz a três dimensões a revoluçãozinha sexual portuguesinha, assim, de modo contido e shinny.

 

Burka

Esta é a minha preferida. É uma instalação, parca em som e parca em panóplias e adereços. É agressiva, insólita e resulta bem enquanto olhar ocidental sobre o que está atrás do título.

 

Strangers in the night

 

Esta faz sorrir e dá vontade dar beijinhos e coisas assim fofinhas,...

 

Havia ainda uma outra, essa não percebi, era já muito alta cultura, não costura. Era um um corredor com separadores que limitava que voltássemos para trás na exposição e tinha um segurança perto ao qual pedi para o abrir, para me deixar passar. Ele respondeu que era "uma obra de arte" e eu perguntei "onde" e ele respondeu que era o corredor. Não fui só eu, os que vinham atrás também não perceberam, houve até um que saltou o "corredor obra de arte". A massificação da cultura tem destas coisas...

 

publicado por amulherdetrintaanos às 19:11
link do post | comentar | favorito
|
4 comentários:
De Zé Luis a 18 de Abril de 2010 às 20:59
Tenho que ir ver essa exposição, alvo de uma critica tão implacável e acutilante, principalmente esse famoso cprredor
Tudo de bom para ti
De amulherdetrintaanos a 20 de Abril de 2010 às 22:39
Então, atenção ao corredor e nada de o tratar displicentemente... Bj
De Cassandra a 19 de Abril de 2010 às 23:39
Concordo com algumas coisas. Não percebi os espanadores. Também gosto de partir cães de loiça. Não concordo com a tua perspectiva relativamente à jornalista suiça (essa perspectiva é demasiado evoluída para a época, apesar de tudo). Mas a verdade é que relativamente à arte tenho sempre dúvidas. Seja como for, traria o lustre de tampões para casa. Pouparia uns trocos por largos meses.
De amulherdetrintaanos a 20 de Abril de 2010 às 22:42
Eu também não percebi os espanadores e fiquei um bocado confusa com a instalação à esquerda do carrocel e que se intitulava algo parecido com "sociedade de consumo"- eram embalagens de plástico na vertical, achei óbvio. olustre dos tampões dava um jeitaso, realmente, mas acho que se imolaria depois de umas horas de aquecimento:)

Comentar post

.Pinterest

Visite o perfil de Ana no Pinterest.