A mulher de 30 anos não era nascida no 25 de Abril de 74; não ouviu radionovelas e não vibrou com o Festival da Canção. A mulher de 30 anos tropeçou em dois séculos e está aqui! Também opina, ainda não é anciã e agora é mãe

.posts recentes

. Bom dia

. Autoretrato #1

. Adeus fim de semana

. Adeus domingo #2

. Finalmente, toda uma cole...

.Instagram

Instagram

.mais sobre mim

.Pinterest

Visite o perfil de Ana no Pinterest.

.Posts mais comentados

21 comentários
16 comentários
14 comentários

.Setembro 2014

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
12
13
14
16
17
18
19
20
21
24
25
26
27
28
29
30

.tags

. todas as tags

.favorito

. O que é a amizade depois ...

. Nasceu o meu filho

. Da epifania televisiva de...

. Hoje constatei que é dia ...

. Leva-me pró contenente!!!

. Discurso directo I e II (...

. Os dias em que todos nós ...

. voltei, voltei...

. L`air du temps

.links

.subscrever feeds

.arquivos

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

.últ. comentários

Boa noite,Como a entendo.Uma coisa é fazer o "que ...
É tão giro encontrarmos desenhos antigos, retratam...
Compreendo perfeitamente! É tão difícil deixá-los ...
Terça-feira, 19 de Janeiro de 2010

Teimosia

A Estrada

 

Eu continuo a insistir no acto de ver um filme do qual li o livro há pouco tempo...

 

 

Resultado: pura desilusão. Nem o Vigo Mortesen nem a música do Nick Cave me rearranjaram o imaginário.

 

Estava à espera de uma adaptação menos literal. De algum laivo de ousadia na interpretação do livro que permitisse ao filme se descolar do eterno happy ending (que, se no livro, resulta, é por deixar em aberto todas as possibilidades para a completa anulação ou para a mudança do conceito que, quem lê, ainda partilha de humanidade e que no livro já só reside no casal homem/criança). Ora cinematograficamente ou o argumento do filme é mesmo muito bom e permite essa ambiguidade ou não o é e o final consegue contaminar a hora e meia anterior. Contaminou. Foi isso que aconteceu: não trouxe nada de novo ao livro e nada criou a partir dele. Bando de preguiçosos intelectuais!

tags:
publicado por amulherdetrintaanos às 21:41
link do post | comentar | favorito
|
5 comentários:
De Mak a 20 de Janeiro de 2010 às 16:01
Já dizem os populares, "Quando a obra escrita é grande, do filme desconfia".

Ir pela solução conformista da adaptação literal é como comer sempre bitoque ao almoço. Satisfaz, remedeia, mas não é nada de especial ou memorável.
De amulherdetrintaanos a 26 de Janeiro de 2010 às 13:44
Metaforicamente só conhecia aquela do "livros passados não movem adaptações"... não me saiui bem...
De Zé Luis a 24 de Janeiro de 2010 às 14:21
Infelizmente é quase sempre assim. Veja-se o Código da Vinci ou Anjos e Demónios. Fracos filmes, óptimos livros
Um abraço do Zé
De amulherdetrintaanos a 26 de Janeiro de 2010 às 13:46
Esses não vi, mas quanto a este recomendo apenas o livro. Sempre deixa espaço para a imaginação e outras conjunturas! Bj
De Carlos Pires a 3 de Fevereiro de 2010 às 21:34

Será suposto um filme acrescentar algo de novo a um livro de que é a adaptação?

Eu gostei de ambos, embora - como é natural - o livro me tenha feito pensar mais que o filme. O filme apresenta uma certa interpretação do livro, que é a interpretação de alguns leitores... Por outro lado, a diferença de natureza entre o romance e o cinema faz com que naquele existam mais possibilidades em aberto que neste. Mas isso não significa que o filme seja mau.

Já agora, escrevi acerca da história (do filme e do livro) aqui (http://duvida-metodica.blogspot.com/search?q=a+estrada) e aqui (http://cadernosociologia.blogspot.com/2010/01/sozinho-no-inferno.html).

Comentar post

.Pinterest

Visite o perfil de Ana no Pinterest.