A mulher de 30 anos não era nascida no 25 de Abril de 74; não ouviu radionovelas e não vibrou com o Festival da Canção. A mulher de 30 anos tropeçou em dois séculos e está aqui! Também opina, ainda não é anciã e agora é mãe

.posts recentes

. Bom dia

. Autoretrato #1

. Adeus fim de semana

. Adeus domingo #2

. Finalmente, toda uma cole...

.Instagram

Instagram

.mais sobre mim

.Pinterest

Visite o perfil de Ana no Pinterest.

.Posts mais comentados

21 comentários
16 comentários
14 comentários

.Setembro 2014

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
12
13
14
16
17
18
19
20
21
24
25
26
27
28
29
30

.tags

. todas as tags

.favorito

. O que é a amizade depois ...

. Nasceu o meu filho

. Da epifania televisiva de...

. Hoje constatei que é dia ...

. Leva-me pró contenente!!!

. Discurso directo I e II (...

. Os dias em que todos nós ...

. voltei, voltei...

. L`air du temps

.links

.subscrever feeds

.arquivos

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

.últ. comentários

Boa noite,Como a entendo.Uma coisa é fazer o "que ...
É tão giro encontrarmos desenhos antigos, retratam...
Compreendo perfeitamente! É tão difícil deixá-los ...
Quarta-feira, 25 de Novembro de 2009

Quem em ruim terra nascer, sempre para ela há-de pender

Eu sou daquelas pessoas urbanas fáceis de serem apontadas como pedantes pelos que, sendo igualmente intrínsecos citadinos, gostam de apregoar as maravilhas do exótico mundo rural ao mesmo tempo que me desancam pela minha assumida aversão à vida campestre. Contrariamente aos amigos burgueses de séculos passados cujo enriquecimento veloz se ficou a dever a uma conjugação de chica-espertice com desenrascanço e exploração de fragilidades económicas alheias, eu não vim de longe para aqui, não me quero afirmar pela anulação de qualquer passado camponês e só sei que um frango não nasceu embalado porque nasci em 1976 quando eles ainda viviam em quintais, nomeadamente nos dos meus avós. Eu sempre estive aqui. No meio da poluição e entre prédios.

 
Para escândalo de muitos, eu sou pessoa para gritar perante uma lagarta numa couve, chegando mesmo a ponderar enviar uma reclamação por email para a cadeia alimentar, vulgo hipermercado, onde adquiri o produto adulterado, ameaçando uma queixa para a ASAE perante tal vitupério e ponderando exigir uma indemnização perante danos emocionais. O tempo perdido a posteriori, ninguém calcula. Como tirar uma lagarta de uma couve, ou melhor, como tirar uma couve de uma lagarta?
 
Não estando familiarizada com seres vivos mais pequenos que o meu gato também não sou pessoa para esborrachar uma lagarta. Infelizmente na escola nunca nos ensinaram qual o melhor modo para retirar moluscos de leguminosas. Demoro 10 a 15 minutos: primeiro com um cotonete em sequências de tentativas para que o bicho se enrole no mesmo; segue-se a transferência do animal para um jornal, tarefa simultânea com o mantra “não te mexas, não te mexas, não te mexas” e finalmente o lançamento do bicho pela janela, missão ultra sensível, pois faço pontaria ao relvado, tentando que o arremesso o salve de um embate com a calçada.
 
Infortúnios domésticos à parte, também não tenho aspirações de morar numa vivenda, nem geminada, nem sozinha. Para indignação de muitos considero francamente provinciano o facto de me deslocar para trás do sol-posto (visto que o nosso ordenamento territorial, ao contrário dos americanos do norte remete os subúrbios para trás dos prédios, entenda-se, muito para lá da periferia de qualquer pequena cidade). São conjuntos de vivendas e vivendinhas, feias, sozinhas e incrustadas noutras, sem nada por perto, por “nada”, entenda-se nada de significante; coisas como um cafezinho, uma padaria, um quiosque, uma paragem de autocarro, outras pessoas, pessoas, mais pessoas e confusão, barulhos de pessoas, de carros, de autocarros, poluição, vendedores de castanhas, lojas dos chineses, lojas que não dos chineses, restaurantes e coisas assim que fazem confusão às pessoas que preferem o campo. Geralmente aspiram morar em sítios que de campestre têm muito pouco. Só fazem lembrar. Sítios com nomes estranhos agora, mas que dantes até tinham sentido, um sentido perdido perante a humanização da paisagem e que, descontextualizados, parecem apenas ridículos, tipo Malveira da Serra ou Quinta do Conde. Mais artificial ainda são os sítios que não existiam e de onde emergiram construções novas a apelar a essa, aparente, necessidade de reencontro com o camponês que há dentro de alguns de nós, do género “urbanização jardim das flores” (a iteração, note-se, vinca mesmo a ideia: é um jardim e ainda por cima tem flores- que hoje esta história de ter jardim já não é garante de nada) ou “urbanização vale paraíso” (repare-se - é num vale, logo afastado da confusão, mas também é paraíso, logo um vale descansado - também poderia ser boa designação para uma casa mortuária, mas pronto, a intenção urbanística está lá).
 
 
È que longe da segurança da cidade existe um mundo vil e perigoso, povoado de pequenos seres, nomeadamente insectos e roedores, cheiros e cores, com o qual o meu código genético já não é capaz de lidar. Há dias, por exemplo, eu estava no meio dos prédios, só betão e calçada e umas árvores esquálidas a 100 metros, entro no meu carro, fecho a porta e, na parte de fora do vidro do condutor, está um gafanhoto gigante (só podia, tinha um palmo de comprimento, desde a enorme cabeçorra até àquela espécie de casulo que é o corpo). Algo no meu cérebro demorou a ler o que era aquilo, juro. Pensando bem, só reconheci que era um gafanhoto porque me fez lembrar o Flip (da Abelha Maia, mas sem o chapéu, daí a dúvida). Eu gritei. Gritei de susto. Só pensava como é que um bicho daqueles estava ali, na segurança do betão e da falta de coisas verdes?! Deixei-o lá: tive de sair pela porta do pendura porque o bicho aguentou 5 quilómetros de viagem com umas ventosas poderosíssimas que tem nas patas, quanto mais depressa eu ia, mais o bicho aerodinâmico se colava ao vidro. Terror puro, esses minutos que vivi.
 
Só eu sei o que sofro quando visito a tia do homem de trinta anos na santa terra e ela nos abre a porta do quarto onde vamos ficar e eu já sei que passarei as próximas duas horas a matar aranhas, enquanto grito de cada vez que me deparo com uma, o coração aos saltos e uma urticária nervosa; nem vale a pena mudar de quarto, pois estão em todo o lado. Como eu durmo mal nesses dias, acometida de pensamentos torturantes sobre possibilidades, bastantes plausíveis, de me entrar uma aranha pela boca durante o sono. E os ratos? Ah, pois é. Há ratos nas adegas e garagens das pobres casas desprotegidas que se situam longe das cidades. Muitas vezes estão espremidos numa ratoeira artesanal, sequinhos da silva, cheios de formigas e outros bichos em redor, mas atrás desses mortos em combate, imagino sempre os outros escondidos a aguardarem a minha passagem para se atirarem a uma perna. E os rituais do campo? Eu juro que os percebo, por Claude Lévi-Strauss, eu juro que os percebo! Numa perspectiva etnográfica eu gosto muito, sim, senhor, mas agora que nunca mais se repita o episódio em que a prima da terra me recebe com um facalhão na mão, mangas arregaçadas e braços ensanguentados e me pergunta se a quero ajudar a “desmanchar” um porco! Eu tiro fotografias, até posso tirar notas, mas não faço trabalho participante em matanças de porco. Jamais! É mais forte do que eu.
 
 
Depois ninguém percebe porque pretiro a bucólica paisagem campestre à cidade! Coisas como é “um sossego” são para mim sinónimo de “é um degredo”; “é um espaço só nosso” interpreto como “somos uns selvagens barulhentos, não nos aceitam num condomínio e aqui podemos “ajavardar” à vontade que ninguém nos vê, nem ouve”; “quando tivermos crianças têm mais espaço para brincar” é uma expressão dúbia, ao que contraponho “vão brincar com quem? Como? Vão ficar tontas de andar de triciclo às voltas num instante nesse vosso micro jardim! Prefiro o parque infantil da comissão de moradores que existe nas traseiras da minha rua!”. Depois a pérola “há muito mais qualidade de vida”. “A fazer o quê?” Esta da qualidade de vida é prepotência pura e pode dar para tudo. Plantam o que comem? Não. Consomem menos energia? Não. Deslocam-se de carro 10 a 20 quilómetros para o hipermercado mais próximo para fazer o mesmo que eu faço sem gastar tanta gasolina. Têm melhor ar? Ainda bem porque entretanto para saírem dali para qualquer espaço civilizado levam o carro atrás e poluem o espaço dos outros, atravancando a rua da cidade de que fogem com mega carrinhas suburbanas, grandes e mal estacionadas, aquelas que depois, aos dias de semana, fazem fila na ponte para chegar a Lisboa, pois moram tão longe, mas tão longe, que nem o comboio lá passa.
 
Auto excluídos, portanto. Os novos rostos da exclusão: os alambazões suburbanos. E depois encontram uma pessoa na rua e tratam-na como uma pobrezinha porque vive na cidade, ansiosos por contar a sua socialmente prestigiante mudança de residência de Corroios para Azeitão! Como se isso me fizesse diferença. A mim. Logo a mim. Azeitão?! For god sake! Depois sou esquisita! Pois sou.
 
publicado por amulherdetrintaanos às 22:28
link do post | comentar | favorito
|
7 comentários:
De Zé Luis a 26 de Novembro de 2009 às 00:30
Pedante? Nunca tinha dado por isso. Hoje caprichaste. Citadina quanto baste. Mas que o campo dá bons ares, lá isso. Tens que fazer umas caminhadas na serra. Coitada da lagarta, atirada de um 4º andar. Ao menos mandavas tambem a folha de couve, assim talvez caisse mais suavemente, mesmo no asfalto. Eu hoje era para falar de baratas, e outros insectos, mas virei-me para a medicina
De amulherdetrintaanos a 6 de Dezembro de 2009 às 15:46
Pois, já reparei!
De Vasco Pinheiro a 26 de Novembro de 2009 às 10:39
Sou de Santarém onde vivi na cidade até aos meus 18 anos. Vim para a grande lisboa há cerca de 10 anos (com 1 ano de passagem por Madrid), onde vivi em varias zonas como telheiras, santa catarina, marvila, amoreiras, coração de jesus e arroios, a minha ultima residencia em lisboa e a minha zona preferida, onde acordava todos os dias as 8h30 com as businelas do engarrafamento habitual na minha rua. Há cerca de 3 anos mudei-me precisamente para a Quinta do Conde, que de quinta não tem nada, mas tem tudo o que é essencial do comercio referido no texto (excepto os vendedores de castanhas). Vivo a 35m de comboio de lisboa, e a 50m +- do trabalho, ao invés dos 10m a pé, do tempo que vivia em arroios. Mas posso dizer que saudades da confusão de lisboa são nenhumas. Basta fazer a viagem de comboio matinal ou ao fim da tarde, atravessando a ponte 25 de abril no melhor dos confortos e tranquilidades, para separar completamente os dois mundos. A margem sul pode não ter tudo à porta como tem quem vive em lisboa, mas até gosto dessa separação. Troco todos os dias o acordar com o buzinar dos carros, pelo adormecer na Quinta do Conde ao som do piar das corujas que por aqui poisam nos eucaliptos ao lado. E nesta altura, nada melhor que o cheiro das lareiras acessas que indicam que finalmente é inverno! É uma tranquilidade que vale bem a pena o tempo extra matinal, na viagem de comboio, que é bem ocupado a ler os destaques do dia, ou alguma literatura preferida! Como costumo referir, é o prazer do campo, às portas da cidade!
De amulherdetrintaanos a 6 de Dezembro de 2009 às 15:50
Obrigado pelo comentário que deixa comprovar que das múltiplas visões sobre o mundo se extraem diferentes dinâmicas sobre a vida e que a generalização, que acabei por fazer, é feita de mil e uma nuances diferentes. Percebo a perspectiva; o texto escrevi-o sobre a outra.
De Mak a 3 de Dezembro de 2009 às 13:00
Eu sou um gajo da cidade, nado e criado. Respeito os animais e as pessoas do campo. Não cuspo na sopa, a não ser que esteja muito quente.

Acho perfeitamente normal que, quem tenha uma vivência e/ou tenha crescido nos subúrbios tenha uma visão diferente do que é viver na cidade.

Eu gosto dos bichinhos do campo e não me refiro às pessoas. Cada qual no seu espaço.

Cada qual com as suas vantagens. Mas que nunca me tentem convencer que as minhas preferências estão erradas.
De amulherdetrintaanos a 6 de Dezembro de 2009 às 15:54
Da natureza das coisas eu não percebo, dou-a como garantida. Desde que a sopa esteja no prato, não me interessa se veio da horta das traseiras do prédio ao lado do meu ou do minifundio das Fazendas de Almeirim. mais importante: não me obriguem a cultivá-la.
De RUIM a 28 de Dezembro de 2009 às 12:13
duas semanas na apanha da azeitona e mudavas de opinião :)

Comentar post

.Pinterest

Visite o perfil de Ana no Pinterest.