A mulher de 30 anos não era nascida no 25 de Abril de 74; não ouviu radionovelas e não vibrou com o Festival da Canção. A mulher de 30 anos tropeçou em dois séculos e está aqui! Também opina, ainda não é anciã e agora é mãe

.posts recentes

. Bom dia

. Autoretrato #1

. Adeus fim de semana

. Adeus domingo #2

. Finalmente, toda uma cole...

.Instagram

Instagram

.mais sobre mim

.Pinterest

Visite o perfil de Ana no Pinterest.

.Posts mais comentados

21 comentários
16 comentários
14 comentários

.Setembro 2014

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
12
13
14
16
17
18
19
20
21
24
25
26
27
28
29
30

.tags

. todas as tags

.favorito

. O que é a amizade depois ...

. Nasceu o meu filho

. Da epifania televisiva de...

. Hoje constatei que é dia ...

. Leva-me pró contenente!!!

. Discurso directo I e II (...

. Os dias em que todos nós ...

. voltei, voltei...

. L`air du temps

.links

.subscrever feeds

.arquivos

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

.últ. comentários

Boa noite,Como a entendo.Uma coisa é fazer o "que ...
É tão giro encontrarmos desenhos antigos, retratam...
Compreendo perfeitamente! É tão difícil deixá-los ...
Terça-feira, 16 de Junho de 2009

Ontem custou, não custou? E hoje ainda custou um bocadinho... menos... mas...

Coitadinhos de nós que acordamos para ir trabalhar depois de tantooos dias libertários.

 

Pessoalmente foi custoso ontem. Uma pessoa passa uns dias a passear, a tomar banhos de mar e de sol, a ler livros calmamente, com o telemóvel desligado ou a receber apenas chamadas daquelas mesmo boas, das que nos convidam para ir beber caipirinhas e comer caracóis e ir beber cafés e ir à praia e depois vem a segunda feira e abruptamente entra-se na espiral da maluqueira laboral, assim… de repente… logo de manhã… sem prelúdio, sem nada…

 

 

Ora eu sou uma rapariga muito positiva, mas tenho dias. Constatei desde logo que me falta precisamente um mês para abalar daqui para outro sítio. Por pouco tempo é certo, mas agora isso também não interessa. Fiquei melhor. Muito melhor.

 
A seguir começou a trovejar.

 

E depois começou a chover. E eu sem carro que decidi exercitar-me e fui a pé.

 

 

Às vezes é difícil manter o optimismo.

 

 

Antes de sair estive a ouvir um colega a dissertar sobre os mitos urbanos que grassam sobre este tempo. Para quem vai a pé para casa não é coisa boa de fazer. Constatámos que ao tempo de trovoada estão associadas histórias desgraçadas, impossíveis de comprovar factualmente. Cada uma quase dava um fado.

 

 

- num dia de trovoada como o de hoje um senhor passeava, não se sabe onde, nem quando, nem porquê, na praia. Tinha um molho de chaves no bolso, também não se sabe se era porteiro ou outra coisa qualquer. De repente um trovão, dois trovões e o terceiro atingiu o pobre homem que morreu de modo fulminante;

 

 

- num dia de trovoada como o de hoje uma rapariga nova fazia jogging na praia. Tinha uma pulseira metálica. Lá veio o trovão. Morreu. A praia estava com muita gente e foi logo ela, proprietária de uma bracelete, a desgraçada a quem o raio tinha de atingir. Pode ter sido há muitos anos ou o ano passado, não há possibilidade de datar ou contextualizar melhor a história, ela circula por aí.

 

 

E depois lá fui eu para casa, a pé, a olhar de viés para o céu e para as minhas sandálias que têm uma pequena fivela metálica, mais as minhas pulseiras de latão e o meu fiel anel de prata, com as chaves dentro da mala, mas com muito medo de perecer e tornar-me também eu numa história esquisita… num dia de trovoada como o de hoje uma rapariga nova, muito gira e trabalhadora, tinha acabado de sair do trabalho. Ia a pé para se exercitar. Podia ter ido de carro, mas precisamente nesse dia tinha escolhido ir a pé. Tinha duas pulseiras  metálicas fininhas, uma cinzenta e outra lilás; mas foi o anel de prata, muito grande, quem a atraiçoou. Lá veio novamente o trovão e...
 

 

 

Bem, quando cheguei a casa foi um alívio. Conversa mais parva de se ter no final de um dia assim…

 

Hoje a conversa mudou: a senhora da limpeza augurou catástrofes mercê da conjunção calor exótico- céu nublado.

 

Como se vê, o optimismo português anda pelas ruas da amargura...

publicado por amulherdetrintaanos às 22:56
link do post | comentar | favorito
|
1 comentário:
De Margot a 17 de Junho de 2009 às 11:19
Há pessoas que gostam de ter as conversas mais parvas nos momentos menos apropriados. No entanto, a ão ser que vivas numa terreola de província, penso que não terias de te preocupar. Hoje em dia, no meio das cidades, há tantos apara-raios (é assim, ou pára-raios? Nunca sei.), que algum havia de aparar o tal relâmpago maroto que te queria acertar a ti! lol
Mas sim, custou horrores regressar à labuta rotineira!!!

Comentar post

.Pinterest

Visite o perfil de Ana no Pinterest.