A mulher de 30 anos não era nascida no 25 de Abril de 74; não ouviu radionovelas e não vibrou com o Festival da Canção. A mulher de 30 anos tropeçou em dois séculos e está aqui! Também opina, ainda não é anciã e agora é mãe

.posts recentes

. Bom dia

. Autoretrato #1

. Adeus fim de semana

. Adeus domingo #2

. Finalmente, toda uma cole...

.Instagram

Instagram

.mais sobre mim

.Pinterest

Visite o perfil de Ana no Pinterest.

.Posts mais comentados

21 comentários
16 comentários
14 comentários

.Setembro 2014

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
12
13
14
16
17
18
19
20
21
24
25
26
27
28
29
30

.tags

. todas as tags

.favorito

. O que é a amizade depois ...

. Nasceu o meu filho

. Da epifania televisiva de...

. Hoje constatei que é dia ...

. Leva-me pró contenente!!!

. Discurso directo I e II (...

. Os dias em que todos nós ...

. voltei, voltei...

. L`air du temps

.links

.subscrever feeds

.arquivos

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

.últ. comentários

Boa noite,Como a entendo.Uma coisa é fazer o "que ...
É tão giro encontrarmos desenhos antigos, retratam...
Compreendo perfeitamente! É tão difícil deixá-los ...
Quinta-feira, 29 de Janeiro de 2009

A bem dizer eu não precisava de mais, mas mais um...

Pois. Eu a bem dizer não precisava de mais desafios porque a minha quota-parte já ficou preenchida esta semana depois de 5 dias certinhos sem automóvel (que jaz sozinho na oficina-hospital- e é bem feita para não ser um traidor sem timming), ficando dependente dos transportes públicos aqui da zona. Acrescemos a isso a chuva e temos um belo desafio!

 

Mas vou responder a mais dois. Um que já tem barbas e do qual a fátima já  deve ter desistido de ver se eu o agarro e outro da inês (que depois do repto lançado ainda me faz sentir responsável pela boa gestão do mesmo).

 

O primeiro  consiste em escrever, em relação a cada questão das seguintes, a palavra que melhor corresponde.

 

Eu gosto muito de palavras, sempre gostei; mas não sou daquelas pessoas boazinhas e fofinhas que gostam de dar abracinhos e distribuem sorrisos à sua volta; já me acusaram de frieza devido à minha aversão a lamechices e reverências de etiqueta sem sentido e, por isso, vou responder de forma muito directa e sem muitos psicologismos, intenções morais meritórias ou afirmações ideológicas subjacentes.

 

Só com base nas palavras, na relação afectuosa e conflituosa que com elas mantenho, com livre associação e alguma justificação, respondo da seguinte maneira:

 

1. Qual é a mais bela palavra que conhece?  

-  Significado

(viram?! Devia ser “mãezinha”, “vozinha”; “florinha” ou “amor”, mas não é. Escolho “significado” -primeiro porque a minha mãe não se deve importar que tem mais coisas em que pensar e depois porque o Saussure e a sua lógica da Linguística nunca me hão-de abandonar na vida- para o bem e para a tormenta. “Significado” pressupõe correspondência e dá-nos imagens mentais para percebermos o mundo; porque sem “significado” nada teria sentido e seríamos estrangeiros em todos os lugares, tempos e relações; porque sem conseguirmos atribuir “significado” não saberíamos reconhecer a beleza, mesmo que levássemos com ela na tola e ao lermos o José Cardoso Pires e a sua “Valsa Lenta” isso se percebe muito bem).

 

2. Qual é a palavra que melhor comunica doçura e gentileza?

- Mimo

(ou de forma muito piegas, “miminho”- não confundir com esse boneco- também ele já trintão- munido de uma chucha, com um corte à tigela e franjinha, que fazia bolhinhas se lhe espetássemos com o biberão pela abertura bocal adentro, ofertado a tudo o que era rapariguinha entre o final da década de 1970 e o início da seguinte. Toda a gente precisa de mimo, desinteressado, atencioso, mais metafórico ou mais directo. Eu pessoalmente só gosto daquele que tem bom gosto; o que inclui “falar à bebé” causa-me calafrios e irritação).

 

3. Qual é a palavra mais detestável e horrorosa?

- Carepa

(logo, logo a seguir vem a “caridade”; mas a “carepa” ganha porque

é a palavra mais feia que me lembro de existir na língua portuguesa e com uma sonoridade pior ainda; um substantivo para uma coisa inestética; nunca gostei, pronto).

 

4. Qual é a palavra mais terrível e medonha?

- Desoxirribonucleico

(em ex aqueo com outros termos médicos ou de outras áreas técnicas igualmente restritas, longos e entediantes, que estão fora do meu domínio e, por isso, permissivos às mais variadas divagações hipocondríacas. E isso não é bom aqui para a moçoila de trinta anos).

 

5. Qual é a palavra mais azeda e malévola?

-   Ruim

(azeda talvez, malévola, já não sei, a menos que a ruindade seja a génese para o desenvolvimento de uma vingança cruel e terrível ao tom daquelas das telenovelas em que durante 300 episódios o mauzão arquitecta um plano para conduzir à loucura ou à bancarrota o seu arqui-inimigo. Cá para mim, a ruindade não é uma palavra lá muito propícia a devaneios de aspiração da felicidade, leva à acumulação de energias alternativas não muito saudáveis, à exaustão, à mesquinhez, ao bater na mesma tecla, ao cansaço, à pescadinha de rabo na boca, ao círculo vicioso e não dá dinheiro a ninguém. E ainda por cima faz-nos parecer uns canídeos na sua vocalização “rrrrr”. Não gosto).

 

6. Qual a palavra que melhor exprime o sentimento de solidão?

- Melancolia

(que eu até aos 10 anos pensava que era sinónimo de “alegria”… ah, doce ingenuidade! A “melancolia”, a meu ver, é subvalorizada; em doses certas nunca fez mal a ninguém e conduz gentilmente à introspecção que deve ser exercitada regularmente).

 

7. Qual é a palavra que mais lhe suscita cólera e agressividade?

-  Ignorância (grunhice)

(pronto, também não irei tão longe, não me desperta assim muita cólera, nem muita agressividade, talvez mais impaciência. E por “ignorância”, no sentido socrático, do grego, não do português, refiro-me à daquele tipo do “não sei, não quero saber, tenho raiva de quem sabe e não preciso de saber, pois que eu já sei tudo” e é geralmente acompanhada de afirmações fóbicas de cariz social que afectam outros que não os “ignorantes” que as sustentam. Nada tem a ver com frequência escolar, analfabetismo, infoexclusão ou a ausência de conhecimento sobre estes ou outros conteúdos adquiridos pela educação formal. Tem a ver com a postura perante a vida e os outros. A ignorância deste tipo afecta todas as classes e os mais variados e elevadíssimos graus académicos, caracteriza-se por uma ausência de espírito crítico, uma mão cheia de ideias feitas, opiniões vazias e radicais, parvas como tudo e sem sustentação, quase sempre acompanhadas por egos enormes, apanágio de pessoas estúpidas como uma porta).

 

8. Qual a palavra que melhor comunica felicidade?

-  Flanar

(bonitinha, suave; faz parelha com o ócio, mas dá-lhe uma intenção; pressupõe o uso dos sentidos e faz lembrar coisas bonitas de se fazer como “deslizar”, “planar” e tem também um certo encanto. Pequena, mas, quanto a mim, subvalorizada no vocabulário de uso corrente).

 

 Agora o segundo é sobre os 7 pecados mortais. Eram sete, mas a Igreja, no ensejo de renovação que a modernidade lá lhe vai aguçando, actualizou há pouco os pecados mortais que deixam de ser meramente relacionados com a individualidade para ascenderem a critério colectivo. Assim se listaram novas situações que, sem arrependimento ou confissão, condenam a alma humana. Mas pronto, esquecendo que a poluição e a desigualdade são novos pecados ficar-me-ei pelos clássicos.

 

 

A bem dizer nós não temos nada a ver com o pecado. De forma agnóstica ou de vivência de bom selvagem o que nós tínhamos eram tabus. E ainda temos. O pessoal humano cá se ia arranjando colocando ordem no social, proibindo, mitificando, vivendo feliz e contente tal qual como no filme do Schmayalan (agora não sei se está bem escrito) que se chamava “A Vila”, mas, no fundo, era um pinhal. A religião não nasce da ideia de Deus, nasce dessa necessidade humana de sacralizar o mundo para lhe dar sentido e conseguir viver nele com os outros sem nos matarmos e comermos mutuamente.


O Mircea Elíade lá me foi explicando, no século passado, que é na construção do sagrado pela sua vivência que o Homem complexifica e interpreta o social. E todos os povos arranjaram um modo cultural de se organizarem.

 

Como diria um avozinho que a Inês também conheceu, a importância de conhecer o fundamento religioso da civilização ocidental é tão grande que devíamos todos já ter lido a Bíblia (auto-flagele-se quem nunca o fez e depressa, depressa ao confessionário). Nunca o fiz, fiquei pelas aulas de catequese da menina Vinda (que era menina, mas já tinha para lá de cinquenta anos naquela franjinha esbranquiçada).

 

Diz-nos o nosso mito fundador ocidental que herdámos o pecado cometido por Adão e Eva e com ele a perda da vida eterna e descansada e todos os azares daí decorridos. Um dos grandes paradigmas será a anulação da vontade individual face à vontade divina. Podemos fazer aquilo que fizermos, pecar os sete pecados um de cada vez ou todos em simultâneo que existe sempre uma esperança de redenção. Desculpabiliza-se assim o Homem pelas suas acções desde que o arrependimento seja sincero. E com isso vem a ideia de que não somos nós que traçamos o nosso destino: o livre arbítrio acaba com a escolha, mas o percurso até ela foi estabelecido por algo sagrado, fora do controlo humano. Daria uma excelente discussão e já deu muitas letras de fado, mas voltando aos meus pecados.


Como eu gosto é de pecados, fazendo apanágio de uma educação que, da tentativa de ser muito católica, apostólica e romana, foi sofrendo, com o tempo, de muito senso comum profano até à mais completa racionalização céptica, eis que agora me pedem isto...


Os meus pecados são também os vossos e quem nunca pecou é porque nunca fez nada interessante na vida. Vidinha chata que deve ser essa...


Gula moderada. Não fosse o colesterol mauzão, herança genética inultrapassável, ascenderia a um pecado de grau elevadíssimo. Poder-se-ia afirmar como gula de um estádio de desenvolvimento ainda muito infantil: doces, rebuçados, gelados que coabita agora com uma vertente gourmet ainda em franco subdesenvolvimento: framboesas, massa folhada de farinheira com ervas aromáticas e rúcula a acompanhar, degustação de queijos acompanhada por excelentes (e caros) vinhos, jantares no lounche bar japonês ali para os lados de S. Pedro de Âlcantara... Mnham, mham

Avareza
Não lhe chamaria avareza é mais outro resquício de um passado colectivo de índole "pobrezinho, mas honradinho" com uns pozinhos de luta de classes em que a mais baixa nunca poderia ser avarenta para continuar baixa e lutadora e por ter mais em que pensar e um provérbio familiar centenário passado de algum tetra avô e que versava: "não sejas como o Marquês de Bronze que ganha dez e gasta onze". Pura poesia cultural!

Inveja
Nada, nadinha. O poucochinho mais parecido é uma veia pequenina a atirar para a cobiçosa: "Que bela malinha, tens tu! Onde compraste? Onde? Onde?" que ascende ao mitológico "Ai, Adão, filho, que bela maçazinha, dá cá a mim, dá lá..."


Ira
Muito irada, sim senhor. Só por este pecado o psicótico do "Seven" matar-me-ia com laivos de malvadez colocando alguém a gritar aos meus ouvidos até estes explodirem. Sim, eu sou uma espécie de Penélope Cruz no actual "Vicky, Christina, Barcelona".

Soberba
Também já me acusaram disso. O orgulho é difícil de engolir, mas com o tempo faz úlceras, de modo que peco de soberba moderada.

 

 Luxúria

 

“Como um poente congestionado/De vagalumes irreais/ É o sete-estrelo desenfreado/Rosa de chamas descomunais/Saltam-lhe os pulsos como foguetes/As mãos são Vestas embriagadas/Parando as cenas dos banquetes/Em saturnais carbonizadas(…)E um Desejado de lua nova/Noivo da Pátria vem finalmente/Buscar a noiva para a sua cova/E dá-lhe a Morte como presente” (isto é que é luxúria e não coloquei o poema todo)- Natália Correia

 


Preguiça

"Everybody seems to think I'm lazy/I don't mind/I think they're crazy/Running everywhere at such a speed/Till they find, there's no need" (I´m only sleeping; the beatles)

 

ufff...

(... e perguntarão vocês: que configuração mais estranha tens tu neste template!!! Ao que eu respondo: pois é, pá! Não sei porquê, mas fui acometida de preguiça súbita e não vou tentar descobrir!) 

sinto-me: com o template desidratado
tags:
publicado por amulherdetrintaanos às 22:34
link do post | comentar | favorito
|
5 comentários:
De Fátima Bento a 30 de Janeiro de 2009 às 11:33
Sim senhora, mais completo impossível! Gostei de tudo, principalmente da 'luxúria' e juro que não entendi a 'avareza' à primeira.

Quanto ao "meu", tomara que houvesse mais gente assim original e criativa!

B'jinhos,

Fátima
De amulherdetrintaanos a 31 de Janeiro de 2009 às 17:40
A avareza é uma incógnita tb para mim: ando às voltas com o dilema moral de não ser totalmente avarenta, mais a tentativa de "amealhar para dias piores", mais a tal educação católica do "divide tudo com o próximo" e a veia consumista do "bora lá gastar agora para ver se me sinto melhor", lol. Obrigadinha pelo elogio e explica-me lá essa do "meu" que agora tb não percebi... bj
De Fátima Bento a 31 de Janeiro de 2009 às 22:03
Meu: o meu desafio, As tuas respostas ao meu desafio.

Bom fim de semana - molhado, se continuar assim,

Fátima
De Miss M a 30 de Janeiro de 2009 às 11:52
Bem, quando começas a falar (i.e., escrever) nunca mais te calas!
Mas como adoro a maneira como escreves, acho que o devias fazer mais vezes!
Quanto a significado da spalavras: um poucochinho elaborado, não? Confessa, andaste à procura no dicionário de "Desoxirribonucleico" ou qualquer coisa desse género, não?


De amulherdetrintaanos a 31 de Janeiro de 2009 às 17:42
he, he, he... essa foi boa, mas não, o "palavrão" ficou-me das aulas de saúde do 9º ano e nunca mais me esqueci, era um ácido... mais não sei! E ainda bem que tens paciência para ler que eu, às vezes, só às vezes, sou um bocado matraca realmente... bjinho

Comentar post

.Pinterest

Visite o perfil de Ana no Pinterest.