A mulher de 30 anos não era nascida no 25 de Abril de 74; não ouviu radionovelas e não vibrou com o Festival da Canção. A mulher de 30 anos tropeçou em dois séculos e está aqui! Também opina, ainda não é anciã e agora é mãe

.posts recentes

. Bom dia

. Autoretrato #1

. Adeus fim de semana

. Adeus domingo #2

. Finalmente, toda uma cole...

.Instagram

Instagram

.mais sobre mim

.Pinterest

Visite o perfil de Ana no Pinterest.

.Posts mais comentados

21 comentários
16 comentários
14 comentários

.Setembro 2014

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
12
13
14
16
17
18
19
20
21
24
25
26
27
28
29
30

.tags

. todas as tags

.favorito

. O que é a amizade depois ...

. Nasceu o meu filho

. Da epifania televisiva de...

. Hoje constatei que é dia ...

. Leva-me pró contenente!!!

. Discurso directo I e II (...

. Os dias em que todos nós ...

. voltei, voltei...

. L`air du temps

.links

.subscrever feeds

.arquivos

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

.últ. comentários

Boa noite,Como a entendo.Uma coisa é fazer o "que ...
É tão giro encontrarmos desenhos antigos, retratam...
Compreendo perfeitamente! É tão difícil deixá-los ...
Segunda-feira, 19 de Janeiro de 2009

O fascinante mundo da cavaca e do santo

daqui

 

Diz o lifecooler que a Festa de São Gonçalinho "é uma das festas mais queridas das gentes do bairro da Beira-Mar [em Aveiro]. Ao longo do dia as pessoas pagam as suas promessas, ao Santo, atirando quilos de cavacas doces da cúpula para o público".

 

Ora não é coisa bonita de se fazer porque das vítimas não reza a história e eu conheço uma pessoa que levou à revelia e à traição com uma cavaca no alto da tola.

 

 

Doeu-lhe.

 

Mas retrocedamos antes da cavaca aterrar na cabeça do meu conhecido.

 

A festa é daquelas que de profanas foram institucionalmente enquadradas e "metidas na ordem" pela Igreja. Se dantes era o caos, agora a coisa é mais ordeira e católica: organização a cargo de mordomos eleitos, mais ou menos, democraticamente, concentração na Capela, entoação de cânticos, mais ou menos, ensaiados, entre eles o hino da freguesia. Destaca-se a "dança dos mancos" no interior da capela: uma performance masculina onde um grupo de homens dança, figindo-se de deficientes.

 

daqui

 

Segue a comitiva para a rua. Há banda de música e um santo. O cortejo fica entalado entre uma procissão e uma arruada. Quem segue a comitiva até dança. Pára-se na casa dos mordomos (que já se sabe nestas coisas ficam sempre a perder: tempo, dinheiro, privacidade e, se calhar, paciência). Depois de se ter invadido a casa alheia retorna-se à capela. Aí sim, nesse momento é que que se pode canalizar a frustração, a fúria, a ansiedade, fazer balanço, respirar fundo e arremessar com quantas cavacas se puder, quantas mais promessas a cumprir houvessem.


Diz-se que quem pretender manter-se nas boas graças do S. Gonçalinho (não sei se o diminutivo se reportava à sua pequena estatura, ao facto de ser muito fofinho ou de ser o mais novo dos seus irmãos ou se já o pai se chamaria Gonçalo e para a família os distinguir, numa época em que ainda não se havia inventado o júnior, lhe acrescentaram o "inho" ao nome) deve distribuir cavacas aos mais necessitados como forma de pagamento das promessas.

Ora o povo é crente, mas não é santo e qual era a piada de chegar perto de um pobrezinho e entregar, em mão, uma cavaca?!

 

Nenhuma.

 

Assim, talvez na perspectiva de entregar a mais do que um pobrezinho a cavaca, talvez porque se consiga, de caminho, acertar naquele vizinho irrascível, as cavacas passaram a ser atiradas do alto da igreja da freguesia.

 

Como hoje, a bem dizer, pobres somos todos, o resto da população (que deve ser pouca) que não faz fila para cumprir religiosamente a sua promessa, fica no átrio a ver chover cavacas. E mais, fazendo jus àquela característica tão tuga do "guarda o que não queres, terás o que é preciso" tenta-se por vários e tortuosos meios açambarcar o maior número de cavacas possível: vale tudo, desde chapéus de chuva ao contrário, a caixas de cartão de electrodomésticos, a mantas e outras técnicas que nem ao santo lembrariam.

 

Não consegui encontrar relação entre o santo do século XII (que devia ser um chato pois passou metade da vida, lá para os lados de Guimarães, a fazer serviço de ambulatório, convencendo casais "amigados" a formalizarem a sua união de facto) e o arremessamento da cavaca, mas hei-de debruçar-me sobre o assunto.

 

O interessante nesta história é o o que continua a mover o ritual em 2008 e o que é que isso nos diz da comunidade que o anima: pequenos e imberbes estudantes de Antropologia uni-vos! Ide até Aveiro no próximo ano, num domingo, perto do 10 de Janeiro, agora só em 2010, e trazei um ensaio sobre o tema que, a ver e até hoje, ainda não conheço nenhum e depois digam qualquer coisa!

daqui

publicado por amulherdetrintaanos às 22:00
link do post | comentar | favorito
|

.Pinterest

Visite o perfil de Ana no Pinterest.