A mulher de 30 anos não era nascida no 25 de Abril de 74; não ouviu radionovelas e não vibrou com o Festival da Canção. A mulher de 30 anos tropeçou em dois séculos e está aqui! Também opina, ainda não é anciã e agora é mãe

.posts recentes

. Bom dia

. Autoretrato #1

. Adeus fim de semana

. Adeus domingo #2

. Finalmente, toda uma cole...

.Instagram

Instagram

.mais sobre mim

.Pinterest

Visite o perfil de Ana no Pinterest.

.Posts mais comentados

21 comentários
16 comentários
14 comentários

.Setembro 2014

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
12
13
14
16
17
18
19
20
21
24
25
26
27
28
29
30

.tags

. todas as tags

.favorito

. O que é a amizade depois ...

. Nasceu o meu filho

. Da epifania televisiva de...

. Hoje constatei que é dia ...

. Leva-me pró contenente!!!

. Discurso directo I e II (...

. Os dias em que todos nós ...

. voltei, voltei...

. L`air du temps

.links

.subscrever feeds

.arquivos

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

.últ. comentários

Boa noite,Como a entendo.Uma coisa é fazer o "que ...
É tão giro encontrarmos desenhos antigos, retratam...
Compreendo perfeitamente! É tão difícil deixá-los ...
Terça-feira, 21 de Outubro de 2008

Um pormenor sem a mínima importância ou o momento da verdade global

 

 

 

Eu estou deveras interessada nos resultados das eleições nos E. U. por duas razões principais: a possibilidade do Barack Obama estar a um passo de se tornar o primeiro presidente do país com um potêncial simbólico muito relevante (nomeadamente para a história cultural do seu país), mas sobretudo no nível antropológico do desafio colocado aos americanos e uma oportunidade de examinar até que ponto a mudança de mentalidades avançou realmente desde os movimentos pelos direitos civis  do fim dos anos 50 do século passado.

 

O Obama segue na frente, assim consensualizam grande parte das sondagens norte-americanas. Sabendo que o maior opositor de MacCain, para além do candidato democrata, sempre deve ter sido o próprio MacCain, o facto de estar a fazer campanha com um terceto fantástico (de fantástico na acepção do Allan Poe: desordenador; “ao lado”; desconcertante; perturbador e por aí…) que o coloca entalado entre uma Pallin dogmática e um Bush obscuro (e todos nós estamos muito interesados em ver o homem por detrás do presidente, perceber a infância traumática e a adolescência inconsciente que um Oliver Stone, aparentemente amolecido pela idade, nos fará entender... pois).

 

A campanha em si mesma seria um fenómeno circunstancial; um novo ciclo na rotatividade polarizada entre dois mega-partidos num esquema eleitoral que propicia pouco mais do que a alternância ideológica. A tal se acresce um ciclo esgotado de administração de direita, que culmina com a crise de alta finança a estilhaçar a vida do cidadão comum em efeito dominó, radical e rendilhada com uma ideologia assente na “fobia”, pós 11 de Setembro, enquanto facto social total. A dicotomização do mundo, das ideologias e da cultura reconstruiu-se numa plenitude bushiana perigosa, responsável pela edificação de um novo muro, já não de betão, mas assente, desta vez, numa ideia básica de acção/reacção onde liminarmente está implícita a cisão de recursos energéticos, expedientes bélicos, recursos financeiros à escala planetária e onde a Razão foi substituída, novamente, por uma vaga teocracia (profana?) onde o Bem combate o Mal e onde as pessoas (e o mundo) são categorizadas segundo a sua religião, nacionalidade, etnia e língua. Essa ideia primária é categórica, exclui argumentos ou outras premissas, incluindo qualquer discussão intelectual. Quase como um retorno ao século XVII e às ideias puritanas, alicerces do “Novo Mundo”, remete-se para a “diferença” a impureza social e o perigo de contágio de uma ordem estabelecida; só que agora os novos índios são islâmicos (à excepção dos residentes na Arábia Saudita porque são islâmicos, mas também parceiros na parte dos recursos energéticos que se misturam com os financeiros). Não vale a pena ripostar e afirmar os Estados Unidos como uma federação de idiossincrasias, da qual emerge o presidente como síntese das mesmas, unificada pela mesma Constituição e uns rituais sazonais transversais aos 50 Estados, elementos principais de uma identidade pouco coerente e homogénea. Esse não é o seu principal problema.

 

Ou talvez seja no momento em que os anónimos cidadãos, nas suas diferenças, se acerquem sozinhos das urnas de voto. E as coisas, como elas são, não são nada do que parecem até esse momento. Porque os Estados Unidos possuem tantas clivagens culturais desde o Sul mais conservador até ao Norte mais liberal que, nesse permeio, há espaço para tudo. Isto que vou dizer não é politicamente correcto, mas é um facto. A maioria dos americanos comuns é como a maioria dos portugueses comuns; têm gerações de antecedentes culturais marcados pela xenofobia, pelo racismo. São assim. Nós tivemos um passado colonialista secular que, apesar de ser menos traumático do que a experiência do Apartheid na África do Sul, primou pela reprodução de uma ideia valorativa de raça onde se privilegiava notoriamente o colonialista e se remetia para a subserviência social e cultural o colonizado. E isto durou e reproduziu um fenómeno semelhante ao que regia as classes altas e o matrimónio: as pessoas casavam (e casam) dentro da sua rede social, nunca fora. Isto para dizer que lá no fundo, no fundo, bem no fundo, a maioria das pessoas ainda carrega vergonhosamente um resquício de racismo pouco racional e que não é assumido publicamente. A ideia da sociedade americana como cosmopolita e multicultural começa e termina

em Nova Iorque e cai por terra perante exportações lúdico-televisivas do género da Oprah Winfrey Show ou do Tyra Show, nichos de análise sociológica privilegiados e onde podemos constatar a persistência de um etnocentrismo caucasóide* e puritano a que várias etnias se tentam subordinar (?!). Ser negróide*, mongolóide* (da asiá, Mongólia, entenda-se) ou australóide* (aborígene, índio,...) nos E.U. esbarra com um preconceito enraizado, mas escondido. Por favor: há associações de pessoas que se auto designam de transétnicos- todos querem ser caucasóides à força, vá-se lá a saber porquê. uns odeiam o cabelo; outros o nariz; outros os olhos; outros simplesmente odeiam tudo em si, desde a cor, à forma como se sentem rotulados socialmente... A variável é sempre a mesma, todos querem mudar, com excepção dos caucasóides.

 

 

Assim, com muita apreensão da minha parte, creio que se corre um grande risco em assumir a vitória baraquiana antes do tempo porque entre um democrata cuja tónica assenta na contenção e na moderação: de gastos com o envio de tropas para o outro lado do mundo, com alguma política social interessante e um programa económico algo coerente e um republicano, réplica assustadora do anterior, reaccionário, cegamente moralista, com fraca verborreia, fraco passado intelectual ou político, feio e choninhas, as pessoas, perto da urna de voto, no seu cantinho, sozinhas com o dedo no botão, com o medo irracional da ameaça ao etnocentrismo da sua sociedade americana wasp (White Anglo-Saxon Protestant) marcada imperceptivelmente na sua mente acabarão por fazer aquilo que nunca pensaram, largar a hipocrisia e ser tão autênticas quanto o anonimato do acto lhes permite e, no fundo, no fundo, entre um caucasóide e um negróide, vão reflectir aquilo que a maioria carrega no seu lado mais obscuro, e pode muito bem acontecer que o MacCain ainda ganhe as eleições, não porque tem melhor programa, não porque fez melhor campanha, não porque as pessoas se revejam nele, não porque tenha ideias, não porque as pessoas não sintam uma sincera empatia pelo Obama, não, a ser, será simplesmente porque ele é branco e o outro não.

*

*

 

**Na abordagem antropológica à raça humana estas designações foram construídas numa perspectiva descritiva, não valorativa, tendo em consideração o estudo das variações físicas humanas no planeta terra consoante o clima e o meio ambiente.

 

sinto-me: muito atarefada, sorry!
publicado por amulherdetrintaanos às 21:29
link do post | comentar | favorito
|
8 comentários:
De Fátima Bento a 21 de Outubro de 2008 às 23:30
Pois é, eu receio o mesmo. E vou ficar muito desiludida e mais convencida de que os americanos são mentecaptos (e sim, eu sei que estou a rotular de forma racista) se isso acontecer.

Mas ainda espero que não...

B'jinhos,

Fátima
De amulherdetrintaanos a 30 de Outubro de 2008 às 23:33
A ver vamos! E deixa lá que a tua opinião não é nada racista, só um pouco anti-americana, mas é isso que faz crescer em todos nós europeus o sentimento de pertença a uma coisa que chamam de união Europeia... bjinho
De clara a 24 de Outubro de 2008 às 10:54
Sofia,
este foi, provavelmente, o texto que mais gostei de ler sobre as "malditas" e intermináveis campanhas do futuro President of United States . Muito sinceramente, não tenho paciência para as questões norte-americanas, se bem que o que por lá acontece afecta-nos sempre. Maldita Globalização!
A reflexão sobre o ser humano remete-nos sempre para a comparação entre as "raças" (conceito incorrecto segundo as teorias sociológicas ). Ainda prevalece o pensamento etnocêntrico , considerando que o caucasoide é sempre o modelo virtuoso , perfeito e sem mutações.

Gosto, cada vez mais, de ler o que escreves.

Beijinhos
De amulherdetrintaanos a 30 de Outubro de 2008 às 23:37
Opá, obrigada! Se partilhas a opinião recomendo-te o texto da semana passada sobre as eleições de uma portuguesa a estudar há pouco tempo nos states. uma visão de alguém de fora que agora está lá, muito interessante (inesinhowood, do lado esquerdo, nos links). E obrigada pelo elogio. Beijo grande!
De minda a 25 de Outubro de 2008 às 19:58
Olá Sofia os meus parabêns, traduz através da escrita a sua sensibilidade; o seu elevado sentido literário,é um blog muito inteligente e cativante.Um Bjho até sempre.....
De amulherdetrintaanos a 30 de Outubro de 2008 às 23:37
Ai que querida, a minha maezinha blogueira! Obrigada e chuac para ti!
De framboesa a 29 de Outubro de 2008 às 12:36
Assino por baixo...ok...não assino pq n tenho gabarito para escrever tão eloquentemente cm tu!
mas acho q é mesmo isso q vai acontecer...

bjokas a aguardar pelo desfecho
De amulherdetrintaanos a 30 de Outubro de 2008 às 23:40
Como diz uma amiga minha: "´Tá calada pá!!!" Não tens eloquência o quê?! tens, tens senão ninguém te lia, o que, comprovadamente, não é o caso! Mas obrigada pelo elogio e, no fim das eleições, a ver no que vai ser! Beijoca!

Comentar post

.Pinterest

Visite o perfil de Ana no Pinterest.