A mulher de 30 anos não era nascida no 25 de Abril de 74; não ouviu radionovelas e não vibrou com o Festival da Canção. A mulher de 30 anos tropeçou em dois séculos e está aqui! Também opina, ainda não é anciã e agora é mãe

.posts recentes

. Bom dia

. Autoretrato #1

. Adeus fim de semana

. Adeus domingo #2

. Finalmente, toda uma cole...

.Instagram

Instagram

.mais sobre mim

.Pinterest

Visite o perfil de Ana no Pinterest.

.Posts mais comentados

21 comentários
16 comentários
14 comentários

.Setembro 2014

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
12
13
14
16
17
18
19
20
21
24
25
26
27
28
29
30

.tags

. todas as tags

.favorito

. O que é a amizade depois ...

. Nasceu o meu filho

. Da epifania televisiva de...

. Hoje constatei que é dia ...

. Leva-me pró contenente!!!

. Discurso directo I e II (...

. Os dias em que todos nós ...

. voltei, voltei...

. L`air du temps

.links

.subscrever feeds

.arquivos

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

.últ. comentários

Boa noite,Como a entendo.Uma coisa é fazer o "que ...
É tão giro encontrarmos desenhos antigos, retratam...
Compreendo perfeitamente! É tão difícil deixá-los ...
Quinta-feira, 19 de Junho de 2008

Mudasti!!! Mudasti!!!

 

Não consigo deixar de me espantar com a plácida rapidez com que todos nós, humanos, nos adaptamos às mudanças, aparentemente, ténues da sociedade que conhecemos.
 
Como introdução, uma frase da minha progenitora, a propósito do comboio da Ponte 25 de Abril: “bem… se o meu pai voltasse ao mundo, aqui e agora, nem acreditava na transformação que isto teve!”. Acreditar, até acreditava, pois se o comboio é uma evidência, bastar-lhe-ia entrar e passar a ponte na ferrovia para constatar que sim, um comboio andava na ponte. Mas a ideia não era essa. A ideia principal era a impossibilidade de ser inteligível para alguém, arredado deste mundo há décadas, as transformações estruturais da sociedade e, dentro dela, as novas nuances de códigos, sinaléticas, significados e propósitos que radicalmente haviam alterado o seu modo de ver e existir na parte do mundo que era sua por direito: o seu quotidiano.
 
A mudança ocorre e é inevitável, mas reveste-se de uma característica conceptual única: passa por nós e não a conseguimos intuir como uma mudança estrutural; como o fim de algo ou a sua incondicional substituição.
 
Quando eu era mesmo muito pequena e acompanhava os meus pais ao banco, o único da nossa terra, o Banco Nacional Ultramarino, nunca imaginei sequer que o ritual que se seguia ao momento de entrar por aquela porta maciça envidraçada alguma vez seria diferente. Ir ao banco era aquilo: entrar, pedir umas fichinhas numeradas que davam aos clientes e siginificavam os primórdios da impessoalidade do sector terciário e esperar de pé, entre uma multidão que enchia todo o espaço, que chamassem, alto e a bom som, o nosso número. Essas fichas plásticas, redondas e verdes, cujo número ditava o tempo da espera para o atendimento, pareciam-me tão reais e constantes na vida como o facto da Barbie Ginástica ser a mais desenxabida de todas: nada faria mudar isso. E enquanto aguardavam, algumas pessoas fumavam perto de uns cinzeiros cromados e limpíssimos, outras estavam sentadas em sofás fofos e de pele, numa época em que sofá fofo e de pele era, para mim, sinónimo de local público, banco ou consultório médico, pois que o sofá lá de casa era duro, verde e tentava deficientemente imitar veludo cote lã. As crianças aguardavam, mais ou menos, pacientemente, desenhando nos impressos duplos ou triplos, já não sei, que serviam para depósitos e afins. E depois o senhor do balcão gritava o número e, se fosse o nosso, era espectacular pois eu tinha direito a ser sentada no balcão e o simpático bancário ainda me dava mais impressos e, às vezes, uma esferográfica. Depois vieram os cartões multibanco e as caixas atm, saíram os sofás e ostracizaram-se os cinzeiros; apareceram cada vez mais bancos e reduziram-se os simpáticos balconistas bancários e nunca mais nada foi igual até ao dia em que se deixou de ir ao banco.
 
Esta minha reminiscência, prosaica e subjectiva, serve para exemplificar a constatação de que a mudança, sendo um conceito, só existe como facto registado no nosso cérebro, anos após os seus efeitos se terem feito sentir na dinâmica da nossa vida quotidiana. Na distância do tempo que apela à memória; depois do antes e antes do depois, nós identificamos alterações e só muito tempo após concebemos que essas variações, aparentemente tão inócuas, que se deixavam perceber pontualmente em algo aparentemente tão comezinho como as nossas rotinas, todas juntas representavam o fim de um estilo de vida e a imposição de um novo. No meio, nós só constatamos como as coisas mudam, nunca a mudança.
 
Ocorreu-me esta ideia perante a constatação de um idoso (ou sénior, como agora sociologicamente fica bem designar) sobre a impossibilidade actual de se deslocar a sítios públicos para resolver problemas práticos como sempre fez. Hoje não podemos assentar praça num balcão da EDP, só existe call-center. Já não se vai ao banco para nada: tem-se o nº verde para o atendimento directo ou on-line. Já não existem passes sociais: aqui existe o sete colinas, noutros sítios o andante, recarregáveis numas máquinas computorizadas. Já não perguntamos informações: as pessoas foram substituídas por um painel electrónico inteligente que, mediunicamente, nos responde às questões que elaboramos mentalmente. Fazemos compras on-line e pagamos sem mexer em dinheiro. Mesmo se formos ao hipermercado, podemos optar por registar as nossas próprias compras, as caixas ou balconistas são profissões em extinção, tal como já o foram os calafates e os ferreiros. Na rua ou noutro espaço semi-privado ou semi-público, como uma estação de comboios, temos toda a informação que nos permite a utilização codificada e sabemos, quase de forma automática, descodificá-la: sabemos os sinais de trânsito, a leitura a extrair de amontoados de setas e diagramas, bonecos estilizados e palavras curtas directivas; sabemos as cores da reciclagem e corremos para pagar o parquímetro como se isso fosse a coisa mais inata de todas.
 
Ora se pararmos a falar com o tal idoso/sénior percebemos que se move quase tão bem como um jovem adulto por entre os novos códigos e linguagens da pós-modernidade. Pode falhar-lhe a parte do acesso on-line ao banco ou às compras; mas não lhe falha a apreensão e utilização de todas as outras, telemóvel incluído.
 
A bem dizer hoje já nem se devia falar de sector terciário; devíamos adequar a noção, na senda da liberalização económica selvagem que reformulou conceitos como o trabalho e vidas como as dos desempregados que aumentam, aos efeitos globais e usar a noção, há muito proposta, de sector tecnológico para pensarmos melhor as influências e as dinâmicas propiciadas pela emergência de novas formas de serviços e comércio na órbita das novas tecnologias: uma espécie de terciário, mas sem pessoas, cuja interacção se elabora na relação entre a distância relativa e a proximidade absoluta proporcionada pelas novas formas de comunicação global.
 
Esta questão não me tira o sono. As formas e os quotidianos utilitários mudam. Vão sempre existir pessoas. Essa é uma ideia reconfortante. E de entre essas pessoas, algumas descobrirão outros locais públicos e reinventarão, pelo uso, o conceito de espaço. De uma forma quase parola faz-me pena a não valorização das pequenas-grandes-insignificâncias dos dias; não existir hoje reverência aos pequenos gestos quotidianos; deixar extinguir aquela sensação de pertença com a senhora balconista do serviço x ou y. Torna-me ansiosa pensar que a D. Jaquina da mercearia da rua atrás da minha possa fechar por falta de competitividade e não haver ninguém que substitua o facto de me escolherem, apenas por simpatia, as bolas de pão melhor cozidas. Apesar de saber que a mudança se anuncia só com qualidades: maior racionalização do tempo; atendimento mais eficaz; impessoalidade padronizada como sinónimo de competência, faz-me pena perder a parte humanamente acessória de tudo isso e não existir, para mim, argumento socio-económico que a consiga algum dia substituir.
 
publicado por amulherdetrintaanos às 23:05
link do post | comentar | favorito
|
8 comentários:
De * * Grilinha * * a 20 de Junho de 2008 às 00:13
Depois de ler as tuas considerações, cheguei á conclusão de que sou mesmo doutro século.

Nem é preciso ressuscitar para ficar espantado com a transformação que isto teve.

Já vivi meio século em 2 séculos (estou a ficar cota) caneco
De wolf a 20 de Junho de 2008 às 05:36
li com atenção
gostei da forma clara e das situações tão bem descritas..

Bjinho
De Clara a 20 de Junho de 2008 às 16:40
Sofia,

a mundaça é um processo que faz parte da vida. Pode ser um processo pacifico, mas na grande maioria das vezes é incomodativo porque nos obriga a uma introspecção sobre nós próprios. Esta introspecção nunca é fácil , porque nos obriga a lidar com os nossos piores receios e fragilidades. mas depois da batalha, é óptimo renascer e aceitar a vida tal como ela é: uma corda suspensa entre a incerteza e a felicidade.

Como sempre, gosto muito do que escreves.

Beijinhos.
De framboesa a 24 de Junho de 2008 às 10:39
Acho q especialmente na nossa geração as coisas deram uma volta completa!Não me parece q a garotada de hj em dia note tanto, ja q as mudanças são qse diárias...mas para nós q nos habituámos a uma rotina dte uns anos e de repente tudo mudou, e tal cm dizes, acordamos e td ficou tão impessoal e ás xx sensaborão...xiii...bem podemos dizer:Mundo mudastiiiiiii! :-)

bjokas a aguardar pelo tal do chá inglês aqui de baixo
De sonjita a 25 de Junho de 2008 às 23:18
Concordo com a Grilinha.... agora senti-me de outro século, o que não deixa de ser verdade! A mudança é boa... é sinal de evolução... mas realmente com este tipo de evolução perde-se o que de melhor há... relacionamento humano!
BJokas

P.S. Também te digo uma coisa... há pessoas que, ao papel que fazem, mais vale mesmo serem sibustituidas por máquinas!
De Miss M a 26 de Junho de 2008 às 10:02
Concordo com grande parte do que escreves.
Quando nascemos, nos anos 70, era tudo muito diferente. Os nossos amigos, mais velhos uns anitos do que nós, ansiavam por mudanças e todos achavamos que no ano 200'0 seria tão fácil ir à Lua como apanhar o autocarro para a Caparica.
As coisas evoluiram de uma forma bem diferente. Pequenas coisinhas que aos poucos e poucos se instalaram nas nossas vidas e com as quais já nem saberiamos viver.
Como em todos os momentos de evolução, perdem-se muitas coisas boas, mas no fundo, isso faz parte... Há que aceitá-lo.
Restam-nos as recordações, que essas só haverão de desaparecer daqui a muitos anos, quando o Alzheimer ou alguma outra doença do século XXI nos confundir a memória.
De dora a 29 de Junho de 2008 às 22:11
é verdade, nos dias de hoje, século XXI , valorizamos mais as máquinas e fugimos ao contacto humano.Eu trabalho num local, onde tratamos quase todos clientes pelo nome, é um espaço aprazível, onde as pessoas existem.Por isso gostam de lá ir, algumas até lá vão de propósito.Nós precisamos de ser acarinhados, e por muito computador que exista, nada substitui uma saudação, um bom dia, um bom fim de semana--
De DD a 15 de Agosto de 2008 às 22:48
Não, minha senhora, se tiver que tratar algo com a EDP vai a um agente.
Assim, se for à sede da EDP, ali junto ao Marquês de Pombal, mandam-na para o vendedor de jornais do outro lado da rua. Ali é que é a EDP para o zé pagode.
Se tiver de receber um crédito é o gajo do jornais que paga e é a ele que pagamos um conta atrasada, etc.

Comentar post

.Pinterest

Visite o perfil de Ana no Pinterest.