A mulher de 30 anos não era nascida no 25 de Abril de 74; não ouviu radionovelas e não vibrou com o Festival da Canção. A mulher de 30 anos tropeçou em dois séculos e está aqui! Também opina, ainda não é anciã e agora é mãe

.posts recentes

. Bom dia

. Autoretrato #1

. Adeus fim de semana

. Adeus domingo #2

. Finalmente, toda uma cole...

.Instagram

Instagram

.mais sobre mim

.Pinterest

Visite o perfil de Ana no Pinterest.

.Posts mais comentados

21 comentários
16 comentários
14 comentários

.Setembro 2014

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
12
13
14
16
17
18
19
20
21
24
25
26
27
28
29
30

.tags

. todas as tags

.favorito

. O que é a amizade depois ...

. Nasceu o meu filho

. Da epifania televisiva de...

. Hoje constatei que é dia ...

. Leva-me pró contenente!!!

. Discurso directo I e II (...

. Os dias em que todos nós ...

. voltei, voltei...

. L`air du temps

.links

.subscrever feeds

.arquivos

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

.últ. comentários

Boa noite,Como a entendo.Uma coisa é fazer o "que ...
É tão giro encontrarmos desenhos antigos, retratam...
Compreendo perfeitamente! É tão difícil deixá-los ...
Sexta-feira, 23 de Maio de 2014

Mensagem do meu eu de 2014 para a minha filha de 2027*

*após uma conversa com um ser de 20 anos com um efeito de generation gap na minha pessoa.

Minha filha adolescente, serve isto só de lembrete para ti:

O facto da tua mãe, aos teus lindos olhos, estar bué lá atrás em termos de tendências musicais não significa que tenha deixado de estar informada (e ler o Blitz?) e de ser uma pessoa deveras interessante e que também sabe bastante sobre músicas e coisas assim cool, ok? Das duas uma: ou tu estás armada em pseudo-intelectual musical e só ouves música para lá de experimental (do mal o menos) ou és pouco selectiva e ouves tudo, com grande preferência para DJ´s (o futuro?) ou então o panorama musical já é tão vasto e global que, enquanto tu apanhas tudo, já eu tenho alguma dificuldade em abranger tanta coisa dispersa e diversa. Sabes, entretanto já tenho umas décadas jeitosas de consumo musical e sou apenas mais selecta do que tu. Só isso. Por isso, respeitinho e nada de andar a rotular a sua mãe com adjectivos como "ultrapassada" e "dinossaura". E claro, havemos de ter esta conversa ao som do Leonard Cohen, após uma introdução mais ligeira pelos Artic Monkeys, só para não perderes referências. Pronto... de nada. É só.
publicado por amulherdetrintaanos às 15:45
link do post | comentar | favorito
|
Terça-feira, 20 de Maio de 2014

Ah e tal, porque é que não colocas mais coisas no blog sobre a tua filha e fotografias dela, ah? Porquê?

Fashion adviser: fotografia não editável e intragável se forem fashion victims. Chamo-lhe "outfit à la kusturika". Foi ela quem o escolheu: em cima de um belo fato de treino, um pijma de verão da minie. Atenção tudo em torno de pantone roxinho, rosinha e fuschia. Atenção aos ténis hello kitty, só mesmo para ser criativa.

 

Isto é o máximo até onde vou em termos de exposição.

 

Porque, apesar de ser ecologicamente responsável, vários álbuns de fotografias com legendas personalizadas são muito mais engraçados, na minha perspectiva, do que um babyblog. Ao que se acresce o facto de, no fundo, as coisas relacionadas com a minha filha serem dela, não minhas, apesar de eu achar o máximo e não esquecer o dia em que naquele bacio se defecou uma bonita pôia, pela primeira vez fora da fralda. Isso e toda a historiografia do seu crescimento pertencerem a ela e à família e, lamento, desconhecidos, sabem-se lá vindos de onde e para onde, não serem metidos nem achados na sua vida.

 

Segundo porque se eu tivesse nascido e crescido com a internet não ia achar mesmo piada nenhuma a que fotografias da minha pessoa em vários estádios da minha existência pululassem virtualmente por aí para sempre, que me reconhecessem, que os meus amigos partilhassem parte da minha vida, qual Ed tv e que eu pudesse ser reconhecida por responsabilidade de outros que não eu, a mais interessada, mas que fui sendo escarrapachada na internet anos a fio sem me perguntarem nada. Não é a minha atitude parental.

 

Não acho bem nestes tempos de hiper-exposição em que a imagem vale mesmo mais que muitas palavras, em que ela domina e dela emanam juízos de valor, em que a imagem se sobrepõe a princípios, a valores e, sobretudo, em que o livre arbítrio é cerceado pela constante rapidez de imagéticas sobre tantos e tão variados assuntos, onde se cerceiam os tempos naturais da assimilação e formação de cadeias entre signos, significantes e significados, não acho bem, dizia eu, que se atirem seres cognitivamente em desenvolvimento e incontinentes (aka bebés e demais crianças) para um universo paralelo desregrado e acessível onde essa imagem pode servir interesses muito beatíficos, mas outros completamente doentios. Por causa destes últimos, diluídos entre muitas pessoas normais e idóneas, estou certa, é que não há fotografias para ninguém aqui neste blog e, por outro lado, por respeito à privacidade da minha descendente é que não há grandes descrições das suas conquistas naturais de pessoa em desenvolvimento.

 

Espero ter respondido à questão que, regularmente, me fazem, apesar da resposta ser sempre a mesma, mas com a diferença de que, a partir de agora, posso remetê-los para este link.

 

tags:
publicado por amulherdetrintaanos às 15:47
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|
Segunda-feira, 19 de Maio de 2014

E por onde andaste

Olha, estive quatro semanas em casa. Doente. 

 

Já passou.

 

Hoje foi o primeiro dia de trabalho. Ainda custa mais do que após as férias apenas porque estive, literalmente, sem me mexer durante quase um mês em que não sai de casa sem ser para ir fazer exames e visitar doutor ao Hospital.

 

Estou muito contente. A mima rotina faz-me bem e a liberdade também.

 

Nota: estou há 25 dias sem fumar!

 

Outra nota: bebé vai ao bacio como gente grande. Há oito dias a esta parte, apenas dois deslizes urinários. Valentona! E é, mais ou menos, assim. Com muito entusiasmo à mistura!

 

 

daqui

tags:
publicado por amulherdetrintaanos às 13:06
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|
Sexta-feira, 9 de Maio de 2014

o meu 25 de abril também seria comemorado este sábado

E o que é que se faz quando nâo se tem nada para fazer? Ter, ter, até teria, mas a prescrição médica de não apanhar correntes de ar e descansar mesmo muito não deixa motivação para grandes planos. Estar em casa a aboborar não é, de todo, a coisa mais feliz do mundo. Assim enquanto espero resultado do último exame que me há-de dar libertação caseira tenho dormido em quantidades generosas como não o fazia há mais de dois anos. Mamãe e homem de trinta anos são chefs gourmets. Filhinha dita não vai à rua, mamã doente. 

 Assim, oscilo entre tentativas de leitura

 

Folhear de revistas coloridas

 

 

Planos de bricolage desmotivadores

 

Pentear cabelos com o meu alisador pouco utilizado

 

Comer

 

Comer

 

Nos intervalos, comer

 

Pouca tv

 

Muita net

 

Arrumações pequenas

 

E este sábado culminava um trabalho de 5 meses de intensa pesquisa, trabalho de campo e recolha oral inédita e eu não vou estar lá para ver os olhares das pessoas que viveram aquilo e a quem só passados 50 anos lhes pediram para contar como foi. Pedimos, eles contaram, relembraram, buscaram documentos e fotos e coisas e outros nomes e nomes que já são óbito, mas que para eles estão tão vivos como há meio século atrás. E mesmo que não gostem da forma irão sempre comover-se pelo conteúdo que são eles pelos olhos dos outros, mas são eles. No seu discurso, através das suas memórias, são eles a lembrar outros, sem o desconhecimento e a incerteza de então, sem o medo, mas com a mesma esperança de quem reconhece a liberdade porque nasceu e cresceu privado dela e o arquétipo mais parecido era um ideal. Uma geração inteira de pessoas livres a quem privaram da liberdade anos a fio. E eu vou estar em casa. A recuperar.

publicado por amulherdetrintaanos às 16:25
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|

.Pinterest

Visite o perfil de Ana no Pinterest.