A mulher de 30 anos não era nascida no 25 de Abril de 74; não ouviu radionovelas e não vibrou com o Festival da Canção. A mulher de 30 anos tropeçou em dois séculos e está aqui! Também opina, ainda não é anciã e agora é mãe

.posts recentes

. Bom dia

. Autoretrato #1

. Adeus fim de semana

. Adeus domingo #2

. Finalmente, toda uma cole...

.Instagram

Instagram

.mais sobre mim

.Pinterest

Visite o perfil de Ana no Pinterest.

.Posts mais comentados

21 comentários
16 comentários
14 comentários

.Setembro 2014

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
12
13
14
16
17
18
19
20
21
24
25
26
27
28
29
30

.tags

. todas as tags

.favorito

. O que é a amizade depois ...

. Nasceu o meu filho

. Da epifania televisiva de...

. Hoje constatei que é dia ...

. Leva-me pró contenente!!!

. Discurso directo I e II (...

. Os dias em que todos nós ...

. voltei, voltei...

. L`air du temps

.links

.subscrever feeds

.arquivos

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

.últ. comentários

Boa noite,Como a entendo.Uma coisa é fazer o "que ...
É tão giro encontrarmos desenhos antigos, retratam...
Compreendo perfeitamente! É tão difícil deixá-los ...
Quinta-feira, 28 de Janeiro de 2010

Pérolas populares

(o "meu" cabeleireiro Renato, enquanto me cortava a franja)- Ai que eu não sei como foi no Haiti, que isso não sei, mas quando tremeu tudo no outro dia à noite, estava eu deitado na cama quase a cair no sono, a primeira coisa que pensei foi "Ai que é o fantasma da minha mãezinha a chamar por mim!"

 

Pois. E eu a pensar que isso devia ser mesmo a única coisa que nunca me ocorreria ao pensamento se começasse tudo a tremer de repente, e eu não estivesse a dormir!

publicado por amulherdetrintaanos às 13:57
link do post | comentar | ver comentários (6) | favorito
|
Terça-feira, 26 de Janeiro de 2010

Património Imaterial I

A boneca que a minha avó me fez  há, para aí, uns 27 anos. Costurou tudo à mão. Com preceito. A seguir bebemos chá e comemos bolachas Maria. Entretanto, a barra do vestido ficou puída, mas a arte e a performance que deu forma ao conceito da boneca persistem no tempo da minha memória que, é como quem diz, nas reminiscências do meu património imaterial. Nem todo o património imaterial é de toda a humanidade. este é só meu.

 

*Para esclarecimentos e dúvidas existenciais sobre património imaterial podem clicar aqui.
publicado por amulherdetrintaanos às 19:28
link do post | comentar | favorito
|
Terça-feira, 19 de Janeiro de 2010

Teimosia

A Estrada

 

Eu continuo a insistir no acto de ver um filme do qual li o livro há pouco tempo...

 

 

Resultado: pura desilusão. Nem o Vigo Mortesen nem a música do Nick Cave me rearranjaram o imaginário.

 

Estava à espera de uma adaptação menos literal. De algum laivo de ousadia na interpretação do livro que permitisse ao filme se descolar do eterno happy ending (que, se no livro, resulta, é por deixar em aberto todas as possibilidades para a completa anulação ou para a mudança do conceito que, quem lê, ainda partilha de humanidade e que no livro já só reside no casal homem/criança). Ora cinematograficamente ou o argumento do filme é mesmo muito bom e permite essa ambiguidade ou não o é e o final consegue contaminar a hora e meia anterior. Contaminou. Foi isso que aconteceu: não trouxe nada de novo ao livro e nada criou a partir dele. Bando de preguiçosos intelectuais!

tags:
publicado por amulherdetrintaanos às 21:41
link do post | comentar | ver comentários (5) | favorito
|
Sexta-feira, 15 de Janeiro de 2010

Oh não! Outro post sobre a CPC!

Uma pessoa sabe duma certa exposição ali para os lados da costa do sol. Uma pessoa sabe de muitas exposições neste país e no mundo porque gosta e porque são ossos do seu ofício. E pronto. Não se pronuncia porque não considera o caso por aí além. Afinal é uma exposição de fotografia. Mais uma. Mas não. Dias e dias a fio a deparar-se com notícias, mais opiniões, mais afirmações (algumas parvas como tudo), tomadas de posição, piadas no contra-informação e, pronto, não me controlo.

 

Era para comentar no blog com o post mais equilibrado que li (e eu li outros bem dementes), mas como tenho as ideias a precisar de espaço faço-o aqui.

 

Primeiro que tudo, o Centro Cultural de Cascais mostrou duas coisas.1- uma óptima estratégia de marketting pq o sexo, vá-se lá a saber porquê, sempre suscita alguma polémica (?) e, 2, um risco muito grande de exposição pelas razões erradas (cm se vê, com a maior parte da crítica da área da "cultura", ao lado, a questionar as opções expositivas e programa cultural desse município). Quanto à CPC assumiu a subjectividade do trabalho a que se propôs e expôs-se, sabendo perfeitamente qual seria o impacto do projecto, na nossa sociedade portuguesa que, no fundo, é constituída por meia dúzia de pessoas que constituem a elite intelectual "pescadinha de rabo na boca" que Portugal cultiva. O resto da sociedade ainda nunca entrou num centro cultural, nem sabe para o que serve. Não é nada de mais, pode esteticamente ser questionável, mas a subjectividade da ideia inicial e do resultado final nunca seriam consensuais. Não creio que se trate de uma atitude corajosa porque à CPC não lhe advém nenhum mal maior (não vai ficar sem fonte de rendimento, não vive numa aldeia, ninguém a vai ostracizar), creio, acima de tudo ser uma afirmação válida sobre o direito da mulher ao uso do seu corpo e da sua sexualidade, no fundo ao poder libertador que advém da possibilidade de escolher. Evidentemente acaba por ser uma atitude precursora somente pela exposição que a própria CPC já sobre si tem projectada (existem trabalhos de fotografia tão mais explicítos, como tecnicamente com melhor qualidade).

 A mais valia que tem realmente é reafirmar que a mulher também tem orgasmos e gosta de os ter; não morre por causa disso e, como são dela, ela faz deles o uso que quiser. Isto para uma sociedade profundamente idiossincrática onde, em mundos domésticos, familiares e religiosos bem perto de nós, ainda se remetem ao sexo catástrofes, quase xamânicas, individuais e colectivas tem um valor social muito importante. E, neste aspecto, reside o interesse duma entidade pública ter acolhido esta exposição: cumpre um serviço público, actua como agente social activo na esfera cultural e desconstrói mitos rurais no mundo urbano onde está implantado.

publicado por amulherdetrintaanos às 22:40
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|
Quinta-feira, 14 de Janeiro de 2010

Em preito a todas as Marias por detrás das “três Marias”, com excepção das virgens associadas que escrevem crónicas no Correio da Manhã e das que lêem a revista Maria

 Eu, no balcão de atendimento da empresa que me fornece frequência de canais, na televisão, e internet, no computador, para tratar de assuntos chatooos:

"Olhe, venho aqui porque me ofereceram um televisor muito jeitoso e colocámo-lo numa parte da casa a que o cabo da vossa empresa não chega e queria saber como é que eu posso ter boa imagem sem esburacar um corredor, uma despensa e uma cozinha? Tome lá o meu nº de cliente."
 
Rapaz novo com ar de DJ (e um brilho de poder nos olhos):
"Bem! Você está a pagar muito! Mas muito mesmo! E... bláblá blábláblá [5 minutos de intensa actividade de propaganda] e blá, blá e fica com duas boxes, um telefone, um modem e paga menos 11 euros! E para além dos 114 canais, pode escolher dois canais codificados durante mais 6 meses."
 
Eu (a achar um disparate tanta fartura de canal, dos quais só devo zappingar por 8 ou 9):
"Ah, posso... e quais são?"
 
Rapaz (com ar maroto e a fazer suspense):
"Então, tem a dupla “Caça e Pesca” + outra-coisa-chata-que-não-me-lembro; a dupla “Disney Channel + “outro qq canal infantil” e a dupla “Sexy Hot” + "Playboy!"
  
E o Rapaz novo com ar de DJ (a cometer a sua primeira, e fatal, dedução sexista de 2010) diz-me isto:
"As senhoras geralmente escolhem o Disney…"
 
Eu (indignada com a hipocrisia castradora das clientes e agarrando a provocação provinciana do DJ):
"Ah é!!!? Mas eu não! Eu quero a dupla Sexy Hot mais Playboy que é deveras mais interessante!!! Não caço, nem pesco…"
 
E foi assim que em 2010 esta mulher de trinta anos reiterou publicamente a sua liberdade sexual, ao escolher abertamente (e alto demais, acho eu) dois canais de gajo, um deveras porcalhão, no balcão mais movimentado do centro comercial. Saí com ar de dever cumprido e juro que dei com o chapéu de chuva nas pernas do cliente homem do lado que, entretanto, me olhava sugestivamente!
 
[Entretanto, aqui entre nós, o sexy hot é mesmo chunga, não é? Os rapazes parecem sofrer de raquitismo e as pequenas estão cheias de nódoas negras, é que dá assim um arzinho encardido...]
publicado por amulherdetrintaanos às 21:56
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
|
Quarta-feira, 13 de Janeiro de 2010

Com completa ausência de laivo criativo

assim estou eu.

 

Não me apetece falar de nada. Não me ocorre falar de nada. não se me assola realmente nada muito importante que me apeteça compartilhar. Empty brain. Conheço uma pessoa que, por muito menos (estava com falta de apetite), foi ao médico e saiu do gabinete diagnosticada com uma depressão. Para além do facto de me perguntar quem é que vai ao médico por andar a comer menos, imagino-me a sair de lá com uma carta de internamento numa unidade hospitalar vocacionada para o tratamento psiquiátrico. Eis o perigo de irmos actualmente ao médico: ascendendo a depressão a doença do século, a facilidade dediagnóstico da mesma é alarmante. Descobri em conversas de ócio que há, pelo menos, duas pessoas que conheço , "amigas de amigas", cujas crianças menores e deprimidas são medicadas. Nesta completa fobia pró depressão, esta condição (de desiquílibrio químico do metabolismo) acaba por ganhar todo um terrível e alargado mundo de possibilidades e cair no corriqueiro. Tal como as pessoas se medicam para a constipação anda meio mundo a medicar-se para a depressão, alguns sem diagnóstico, outros sem segunda opinião. E no meio onde fica o nosso senso comum? Hoje em dia já ninguém pode estar abatido? Triste? Tristonho? Aborrecido?

 

Estar alegre a toda a hora é sinónimo de se ser saudável? Vamos acabar de vez com o equilíbrio alegria-enfado e passar a ser pessoas felizes? Pergunto-me se esse medo actual do estado "tristonho" do ser, não será a negação da necessidade de introspecção, de empatia connosco próprios. É que ser alegre a toda a hora nunca levou a muita criatividade.

 

Conclusão: eu não mestou deprimida, estou como o tempo e penso sinceramente que o meu cérebro precisa tanto destes momentos como dos outros, opostos.

 

 

 

 

 

publicado por amulherdetrintaanos às 18:13
link do post | comentar | ver comentários (7) | favorito
|
Quarta-feira, 6 de Janeiro de 2010

Verdades absolutas I

 

"- Now... you look here, Kip, I'm fighting my prejudices, but it's clear that you're behaving like a... like a... well, I'd hate to put it this way, like a MAN"!. 
 

"-You... Watch your language!!!"

Adam´s Rib, 1949,

by George Cukor,

starring Katherine Hepburn,

Spencer Tracy 

publicado por amulherdetrintaanos às 20:01
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|
Terça-feira, 5 de Janeiro de 2010

R.I.P.

 Lhasa de Sela (1972-2010)

 

Estou desgostosa...

música: Lhasa de Sela "Rising"
publicado por amulherdetrintaanos às 20:23
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|
Domingo, 3 de Janeiro de 2010

Admirável década nova

A Internet em números em 2009

 

Estou contentinha. Contente de estar aqui, no início da década de 10 do novo milénio. No início daquilo a que o Buck Rogers nos prometia para o século XXI: abundante tecnologia, novas fronteiras, outros mundos dentro do nosso. Apesar das novas farpelas insosas derivadas do latex, a ética permanecia e os princípios humanistas fortaleciam-se face ao confronto com outros.

 

O prolema é que deverá ser preciso um novo século para emergir uma noção qualquer de terráqueos, um novo slogan do género: habitantes do planeta Terra uni-vos! Questões como o aquecimento global, a fome, a desertificação continuam a ser nichos de interesses. O terrorismo, essa concepção que nada tem de global, apesar de advir da globalização, parte a nossa ideia de mundo ao meio. Mais uma vez ficaremos privados de uma metade do planeta e, novamente, por muito tempo. Colocaram-nos sobre os ombros uma nova fidelidade, a de sermos europeus unidos, mas podemos deixar de acreditar de vez nessa frágil construção artificial da nova economia a que chamamos União Europeia a qualquer momento simplesmente porque lhe falta uma coerência e identidade histórica marcante.

 

Não sei o que será a interpretação desta década daqui a 50 anos, mas estou contentinha por estar dentro dela. Também não tenho outro remédio. As influências para a minha vida imediata não são muitas, mas consigo relevar as seguintes:

 

- já não existem ídolos planetários; agora multiplicam-se cantores, actores, artistas plásticos, anónimos face booquianos e afins para toda a gente e pessoas como o Mika ou a lady gaga ficam quietinhas no cantinho da mtv que hoje já é só uma aldeia provinciana;

 

- podemos reivindicar tudo aquilo que quisermos; podemos é continuar a não ser ouvidos, mas podemos reivindicar, assinando por clique petições on-line expresso.

 

- estamos muito, muito informados sobre tudo e, ao mesmo tempo, sobre nada: o nosso, e os outros, parlamentos eleitos por nós continuarão a decidir questões sobre as quais não temos qualquer informação e a democracia participativa crescerá em desproporção à nosa sub informação sobre questões centrais para a nossa existência.

 

- acreditamos na ilusão de que podemos chegar a qualquer parte do mundo e qualquer parte pode chegar até nós. O problema é que essa parte é uma elite proporcional àquela a que pertencemos. Os milhões de famintos do mundo, os milhões de refugiados e os milhões de pessoas que sobrevivem para lá da definição de pobreza estão a anos luz da nossa ilusão.

 

Bom Ano para todos, seja lá o que isso for. Para mim será a tentativa de praticar o contínuo exercício da capacidade de conseguir ser  feliz.

 

 

 

tags:
publicado por amulherdetrintaanos às 15:48
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|

.Pinterest

Visite o perfil de Ana no Pinterest.