A mulher de 30 anos não era nascida no 25 de Abril de 74; não ouviu radionovelas e não vibrou com o Festival da Canção. A mulher de 30 anos tropeçou em dois séculos e está aqui! Também opina, ainda não é anciã e agora é mãe

.posts recentes

. Bom dia

. Autoretrato #1

. Adeus fim de semana

. Adeus domingo #2

. Finalmente, toda uma cole...

.Instagram

Instagram

.mais sobre mim

.Pinterest

Visite o perfil de Ana no Pinterest.

.Posts mais comentados

21 comentários
16 comentários
14 comentários

.Setembro 2014

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
12
13
14
16
17
18
19
20
21
24
25
26
27
28
29
30

.tags

. todas as tags

.favorito

. O que é a amizade depois ...

. Nasceu o meu filho

. Da epifania televisiva de...

. Hoje constatei que é dia ...

. Leva-me pró contenente!!!

. Discurso directo I e II (...

. Os dias em que todos nós ...

. voltei, voltei...

. L`air du temps

.links

.subscrever feeds

.arquivos

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

.últ. comentários

Boa noite,Como a entendo.Uma coisa é fazer o "que ...
É tão giro encontrarmos desenhos antigos, retratam...
Compreendo perfeitamente! É tão difícil deixá-los ...
Segunda-feira, 28 de Setembro de 2009

Ah, pois é, dá vontade de dizer...

Viram aquela senhora que hoje se queixava no "Nós por Cá" sobre o facto de lhe terem trocado o B.I. na mesa de voto?

 

Podia ser eu.

 

Ia eu toda contente, depois de exercer o meu dever de cidadã, enfiar o boletim dobradinho em quatro na urna e o senhor da mesa devolve-me um B.I. Ora como eles são todos iguais, que as pessoas votantes da minha sala parecem ainda não ter aderido ao cartão único, eu agarro, muito agradecida, trauteando um "ora muito bom resto de dia" e vou-me embora. Não fora eu notar que a minha fotografia (diga-se, não a melhor, que estas fotos tipo passe parecem ser feitas para toda a gente parecer um gremlin) tinha sofrido uma mutação que deveras me assustou, tinha guardado aquilo e vinha para casa. No canto da fotografia, Deus meu, estava um careca. Não uma loira. Não uma morena. Não eu. Um careca.

 

Levei uns segundos a perceber. Segundos determinantes, diz a senhora que até hoje ficou com o B.I. de uma pessoa com outro nome e outra cara que não consegue contactar.

 

Em bom tempo me voltei e tentei explicar ao senhor da mesa que aquilo não era meu. Ora, uma pessoa tem de ser paciente; afinal, o pessoal da mesa está ali de bom grado, possuem uma consciência de coisa pública superior à do comum dos mortais, sacrificam o seu domigo, estão numa sala desconfortável, sentados em cadeiras de criança...

 

Entretanto já havia um António com o meu B.I. na mão, todo careca e todo contente a sair da sala. E eu, falando alto, dizia ansiosa "É aquele, é aquele senhor! Ele entrou quase ao mesmo tempo!" Agora, as pessoas são mesmo desconfiadas. Não é que o homem a quem o meu B.I. foi entregue defendia com unhas e dentes que o que tinha guardado era o seu?! Com má cara lá tirou a carteira das calças (moda inestética e pouco higiénica) e ficou com ar de palerma a olhar para mim, para o meu B.I. e para os senhores da mesa. A custo lá trocámos os ditos. Foi um momento bonito. Modéstia à parte, o António ficava mais bem servido, mesmo assim a minha fotografia era bem melhor.

 

Depois à saída uma criança berrava desalmadamente mercê de um pacote de pipocas que tinha sido entornado. Ainda ponderei comprar um pijama na senhora cigana que vendia, ao lado das pipocas, roupa a custo moderado, aos votantes que saíam, mas desisti.

 

Ah, o que eu adoro ir votar!

 

E depois deste sacrifício todo, toma lá com o Sócrates mais 4 anos que não é nada que já não estivesses à espera!

publicado por amulherdetrintaanos às 20:48
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
|
Terça-feira, 15 de Setembro de 2009

...

Deparei-me ontem, enquanto preguiçosamente exercitava o indicador no comando do meu televisor, que há um autor português de um livro de auto-ajuda que está rico.

 
Não é fácil enriquecer em tempo de crise.
 
Ele é uma das excepções. Porquê? É muito esperto. Esperto (de acordo com o paupérrimo dicionário do word- que eu não tenho tempo para mais- sinónimo de astuto, vivo, perspicaz).
 
O senhor representa alegremente aquela malta que da fantasia passa à acção. Uma pessoa tem de se render à evidência: muitos são os que pensam em negócios, invenções e outras coisas, falam, falam e não passam à prática. Este senhor, não. Segundo o próprio, em entrevista à rtp memória, não há melhor alturinha do que esta para lançar um livro de auto ajuda. Tem razão- pensei eu. Mais. Tem verborreia e faz palestras. E sobre o quê? A poupança! E quem lhe ensinou o básico? Imagine-se, os pais. E porque é que ganha a vida com isto? Porque os pais dos outros não fizeram como os dele e não ensinaram os filhos a poupar.
 
Não se pode de todo condenar este cidadão. Um perfeito self-made man. O livro vai na 3ª edição e diz ele, com desconcertante sinceridade, não vai parar de vender. Prevê várias edições a partir de Janeiro próximo quando a subida da taxa de juro voltar a entalar os portugueses. E mais palestras sobre poupança.
 
Fico contente, pois fico, quando um nobre cidadão demonstra esta argúcia, este sentido de oportunidade, encontra um nicho de mercado e explora-o, as pessoas que não sabem poupar, aprendem e toda a gente fica contente.
 
Depois de uns 25 minutos a ouvir o senhor até eu (poupada por natureza e educação) já estava a ponderar aderir à moda dos três mealheiros: um para o curto prazo, outro para o longo e outro para um futuro nebuloso em que a necessidade justificasse o engenho passado.
 
Fogo! Até que enfim que alguém se lembra de tentar pegar naquela moda americana, elevando à categoria da descoberta da pólvora o mais básico dos ensinamentos populares portugueses concentrado naquele provérbio que eu adoro (e que já uma vez aqui fiz referência) e que graça assim
 
“Não sejas como o marquês de bronze que ganha dez e gasta onze”
 
E incentiva a leitura? Incentiva. E faz parte do plano nacional de Leitura? Não. (E ainda bem que pelo folhear da obra percebi que não se tratava de nenhum ensaio; antes fazia apanágio de diagramas, letras gordas e capítulos curtos).
 
Moral do post: cada país tem o best seller que merece.
tags:
publicado por amulherdetrintaanos às 23:48
link do post | comentar | ver comentários (6) | favorito
|
Domingo, 13 de Setembro de 2009

makeover!

Aos amigos comentadores de alguns posts atrás, as minhas desculpas pela falta de feed back aos vossos comentários, mas devido a uma conjuntura, decerto influenciada também pelo anticiclone dos Açores, não me foi possível cá vir durante uns tempos.

 

A culpa não foi só do meu arcaíco computador, atacado por um vírus (e que eu desconfio ser da estirpe h1n1; ainda tentei colocar-lhe uma máscara, mas já não fui a tempo), mas também da minha preguiça.

 

Mea culpa. Isto tem dias, ou semanas. Para variar, mais uma vez, remodelei o papel de parede e acrescentei um sofá: coisas que muito tenho apreciado por estes dias. O sofá para me sentar enquanto vejo os frente-a-frente que, execepção feita ao Louçã- Sócrates, dão para também ir dormitando um bocadinho.

 

E em Setembro, cá estou de volta, mais assídua e regular, auto curada daquilo a que os psicólogos e os jornalistas resolveram chamar de "stress pós férias" e prontinha a fazer tudo o que me apetece fazer. A ver:

- ando a procurar um curso de escrita criativa, bom e barato. Sabéis de algum?

- prestes a terminar o meu cortinado de trapilho, cfeio que o meu gato está ansioso por experimentar;

- criei a minha hortinha de cheiros (só os coentros estão a crescer...);

- dediquei-me aos clássicos (em período pré eleitoral estou a ler "O Princípe").

 

Agora vou só ali regar a horta e já venho.

publicado por amulherdetrintaanos às 13:38
link do post | comentar | ver comentários (10) | favorito
|
Terça-feira, 1 de Setembro de 2009

Coisas insignificantes que compartilho para não fazer um post enorme com o mote muito sério “o que eu me farto de trabalhar em Agosto!”

Hoje um senhor de 90 anos, que percebe de marés e correntes atmosféricas, informou-me, enquanto palitava um dente, que “este verão” ia durar até Novembro. É uma informação metereologicamente simpática com o extra da informalidade. Se o vaticínio se revelar correcto eu deveria ter dispendido mais atenção ao vestuário estival durante os saldos, mas agradeci-lhe, em todo o caso.

 

Comprei uma revista daquelas que dizem são para as mulheres porque trazia um filme que eu nunca tinha visto. Daquelas páginas todas só retive a entrevista à Alice Vieira… e o filme. Era “o Pianista” e valeu a catrefada de papel que irei reciclar. Logo no início, a directora da revista irritou-me pela falta de imaginação com que faz o editorial da dita e que versava sobre técnicas fofinhas para prolongar as férias em trabalho e combater o stress da reentrada laboral (imaginei-a, depois de tanta verborreia, no recesso do seu lar, irascível, a gritar com os filhos e a carpir mágoas por ter de recomeçar a escrever editoriais desinspirados só para encher colunas).

 

Andei a exercitar a minha “inteligência económica” (sim porque agora parece que uma pessoa já não é só “inteligente” ou “burra”, a coisa divide-se em “inteligência relacional”, “afectiva”, “matemática” e etc); de modo que tendo feito um estudo de mercado livresco na Fnac, acabei a comprar no hipermercado os mesmos livros, tendo poupado 4euros e 13 cêntimos. Se não forem muito técnicos, noutra língua, especializados ou de pouca tiragem, o hipermercado tem.

 

Estive “vou-não-vou” para ir ver o filme do Tarantino, mas não me apeteceu. A crítica tem o dom de me influenciar e uma frase ficou-me a martelar na cabeça: “ o Quentin está numa espécie de adolescência criativa”. Depois de ter visto, pela 2ª vez, o coreano “Old Boys”, ter insistido com o kill Bill 1 e 2, ser a única pessoa deste mundo a nunca ter visto nenhum dos 20 “Saws” e lembrando-me das últimas produções em que o homem esteve envolvido, acho que não estou virada para cenas ao estilo “Massacre no Texas” (se bem que é sempre apetecível, especialmente depois de ter visto “O Pianista”, visionar a matança à paulada de vários oficiais e soldados nazis), mas mesmo assim…

 

Agora e para culminar este iluminado post imaginem um anúncio sexista sobre detergentes para a máquina de lavar a roupa. Estão a imaginar? Há uma senhora com ar de fada do lar, que trabalha fora e dentro de casa e não tem olheiras, às vezes há uma criança pelo meio e há roupa branca. Antes e depois de sair da máquina. Ora a minha roupa é sempre o antes. Tem ar de encardida. E eu gosto do branquinho. E já não tenho camisas de algodão brancas. Saem-me enfarruscadas. Homens e mulheres que lavais roupa: digam-me o que fazer que eu já não sei. Aceito e praticarei qualquer sugestão (excepção feita à prática da arte de “corar” roupa que eu moro num 4º andar e não tenho tempo nem skills suficientes para praticar tal coisa). Desde já agradeço antecipadamente.

 

Pronto. Isto é para ser regular a postar: é poucochinho, mas é o que me sai por agora.

 

publicado por amulherdetrintaanos às 10:28
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|

.Pinterest

Visite o perfil de Ana no Pinterest.