A mulher de 30 anos não era nascida no 25 de Abril de 74; não ouviu radionovelas e não vibrou com o Festival da Canção. A mulher de 30 anos tropeçou em dois séculos e está aqui! Também opina, ainda não é anciã e agora é mãe

.posts recentes

. Bom dia

. Autoretrato #1

. Adeus fim de semana

. Adeus domingo #2

. Finalmente, toda uma cole...

.Instagram

Instagram

.mais sobre mim

.Pinterest

Visite o perfil de Ana no Pinterest.

.Posts mais comentados

21 comentários
16 comentários
14 comentários

.Setembro 2014

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
12
13
14
16
17
18
19
20
21
24
25
26
27
28
29
30

.tags

. todas as tags

.favorito

. O que é a amizade depois ...

. Nasceu o meu filho

. Da epifania televisiva de...

. Hoje constatei que é dia ...

. Leva-me pró contenente!!!

. Discurso directo I e II (...

. Os dias em que todos nós ...

. voltei, voltei...

. L`air du temps

.links

.subscrever feeds

.arquivos

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

.últ. comentários

Boa noite,Como a entendo.Uma coisa é fazer o "que ...
É tão giro encontrarmos desenhos antigos, retratam...
Compreendo perfeitamente! É tão difícil deixá-los ...
Sábado, 27 de Dezembro de 2008

Decididamente

está mesmo muito frio.

 

Decididamente

 

não gosto de sair de casa em noites de frio.

 

Decididamente

 

não me digam que isso se deve às três décadas que me acompanham.

 

Tenho frio

 

simplesmente.

 

Finalmente

 

saí.

 

Estou em casa de uma friorenta amiga com outros amigos friorentos.

 

Só para afirmar

 

que sou uma pessoa de concessões e não partilho da paixão colectiva por Linkin Park e fiz esta folguinha ao dvd do concerto entretanto a passar...) .

 

 

 

 

 

publicado por amulherdetrintaanos às 23:40
link do post | comentar | ver comentários (21) | favorito
|
Sexta-feira, 26 de Dezembro de 2008

A permanência ou o anúncio do pai natal, do comboio e do palhaço que foram ao circo e nunca mais voltaram

Antes de mais...

 

um BOM dia pós NATAL para todos, na impossibilidade de vir cá mais cedo...

 

E obrigado pelos comentários natalícios ao último post, tão simpáticos!!!!

 

Estava eu hoje a pensar que a permanência é coisa reconfortante, deveras afirmativa de uma certa estabilidade necessária a muitos.

 

Olha a permanência em formato de massa para filhós amassada por mim para que a permanência não morra...

 

E as mãos a seguir... com tratamento afincado que eu não gosto de más aparências manuais...

 

 

Olha a mesa natalícia com a fatia dourada e arroz doce da mamãe... ah... permanência boa...

 

 

Olha a permanência de um gato a escavacar a árvore de Natal (é permanência porque já é o segundo ano!)...

 

 

 

Mas depois assolou-se-me à mente que, pelo contrário, a permanência nem sempre é uma coisa boa e, muitas vezes, até chega a ser dispensável; outras irrita porque a permanência, por vezes, anda de mão dada com o conservadorismo. A permanência é assim sobrevalorizada: simplesmente há coisas que são necessárias, há outras que não.

 

Afinal nem tudo o que existe é relevante e nos dá uma sensação de reconforto nostálgico.

 

Tomemos, por exemplo, aquele anúncio velhinho, passado num contexto natalício onde, ladeando uma árvore de natal ainda em versão pinheiro verdadeiro, uma criança de tranças e um avó colesterólico, se entretêm a enfiar figuras de chocolate nos ramos afiados: “agora o coelhinho, agora o pai natal, a seguir o sininho…” e por aí até que a criança fazendo apanágio da sua condição, embirra que não é assim perante a complacência do idoso, terminando com a frase “não, não, o coelhinho vai com o pai natal e o palhaço no comboio ao circo!” E a idílica cena termina com a marca chocolateira e um close up da janela. Ora bem, este anúncio andou, tal como hoje os do bombom elitista onde, numa suave tensão erótica, a super-esposa-de-homem-muito-bem-na-vida e o mordomo bem apessoado divagam sobre os apetites incontinentes da primeira. Passam  na televisão, ano após ano, até toda a gente se fartar. Já devia a criança, do primeiro anúncio, ter 20 anos e o velhote ter perecido e aquilo ainda ia para o ar. Eu aposto que em muitos lares deve ter havido lugar para um comentário televisivo do género “Raios partam este reclame que já chateia e me enerva, todos os anos é a mesma coisa!”. Agora que aquilo deixou de passar há para aí uns vinte anos, já ascendeu a clássico da publicidade e a património cultural português, de tal modo que se aquela loja do Chiado que comercializa memórias passadas em formato de artigos de consumo comum que já não se encontram em muitos sítios também comercializasse dvds de anúncios antigos, ele estaria certamente no top e muita gente pagaria as exorbitâncias do preçário aplicado para guardar e rever a preciosidade datada que antes enervava e agora deixa saudades.

 

 

E já agora, peço licença, mas termino aqui porque ouvi dizer que a rtp ia passar a "Música no Coração" e eu quero ver se ainda apanho a antepenúltima cena em que a família canta toda juntinha (e sob grande pressão) o Edelweiss [é antes do mocinho adolescente traidor e fascista denunciar as 10 alminhas e, ufa, acabarem por serem salvas em boa hora pela freira boazinha e assexuada (que isto entre a religião e a política nos anos 40 aparentemente era fácil perceber que ainda se podia confiar mais na 2ª)]. É que eu já passou quase um ano em que vi pela última vez (e em simultâneo pela trigésima primeira) e eu já estou com saudades...

 

Ele há permanências e permanências... Das más coloco o circo de Natal em primeiro:  atentar contra a dignidade animal em 2008 faz alguns dos meus genes primitivos regredirem à condição neandertalesa e eu não gosto.

 

 

 e pronto... lá se foi o fim do filme... só agora reparei que estive para lá de meia hora para conseguir colocar aqui estas míseras fotos!!! Grrr... alguém me explica a utilidade do sapo fotos?!

publicado por amulherdetrintaanos às 18:58
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
|
Domingo, 14 de Dezembro de 2008

E com a quadra que se achega... também eu tenho a minha listinha de coisas tridimensionais pró peúgo que está dependurado na minha árvore

pois eu não tenho lareira.

 

e começo logo com o essencial, se tiver isto, o resto é acessório (as coisas que se vão aprendendo até aos trinta anos...)

 

Saúde física e saude mental

É piroso eu sei, mas de nada me servem as outras coisas se não tiver estas, por isso, para mim e para as pessoas da minha vida queria um saquinho de Natal com estas coisitas, s.f.f.

 

 

E depois podem ser-me oferecidas mais estas...

 

E começo assim porque se há coisas que são globais, esta é uma delas e dizem que com a história da marca se navega pela história da publicidade e pela história dos states e pela da Europa e agora pela da China. E ouvi dizer também que é dos melhorzinhos que saiu sobre a dita: nem muito em defesa, nem muito a matar. É isto ou o cheque fnac.

 

Segue-se um qualquer da Luísa Neto Jorge porque me apetece ler poesia em 2009 e não tenho nada dela, conheço pouco e me apetece.

 

E aquela colectânea em 3 volumes do Hans Christian Andersen cujas histórias fazem chorar as pedrinhas da calçada, mas que eu gosto, gosto. E depois estão todas tão bem ilustradinhas... e fica para património familiar...

 

 

  E este que é obrigatório. Eu já pedi aos 4 ventos, estou convencida que mo ofertarão, ainda não comprei para não estragar a prenda de Natal a ninguém. Vá lá, não me desapontem... que o rapaz escreve como um senhor.

 

Hotel Memória

 

 

Vou deixar de lado o mercado de arte, pois não quero ser muito exigente; mas era uma boa prenda de me oferecerem... uns desenhinhos da Paula Rego, um Graça Morais, um El Grecozito, mas pronto...

 

Seguem-se "as" botinhas lindas castanhas, deste género ou parecido, nunca pontiagudas que eu não sou nenhuma cinderela, arrendondadas, se faz favor... assim, daqui ou doutro lado que eu não sou muito exigente e deixo estas da Berska para o duende ajudante se situar...

 

BershkaLookBook_FW�08

 

 Não quero a loja quero "o" casaco no seu interior (mas não devo ter muita sorte porque como fui bafejada pelo bom gosto, requinte e qualidade, tenho desejos muito caros e o dito... vá lá vai...).

 

 Pronto, esta gostava, mas qualquer dia ofereço-a à minha pessoa. Em rosa, tã lindo, fininho, levezinho...

 

 

Conto com estas que dizem os experts que estas coisas duram 12M e as minhas estão a expirar. Estas corezinhas da Bourjois têm caixas com desenhinhos vintage tãoooo lindos!

 

COLLECTION VINTAGE

 

 

E claro , estes, muitos e coloridos que o meu stock secou, literalmente.

 

So Laque

 

Depois, caso os meus pais fossem donos de um banco e não estivessem presos ou com as contas congeladas, eu queria tanto este... só um, não todos que isso também era excessivo e a minha casa é pequena. Um espelhinho do Phillipe Starck, ah?

 

L´Oreille qui voit

 

 Pronto, já está, havia mais, isto é um mundo de possibilidades, mas pronto, sou moderada.

 

Ah, só mais uma coisa (esta partilharia com o homem de 30 anos)...

 http://www.classic-vespas.com/

sinto-me: um pouquito consumista
música: coro de santo Amaro de Oeiras com aquela canção decana...
tags:
publicado por amulherdetrintaanos às 16:34
link do post | comentar | ver comentários (6) | favorito
|
Segunda-feira, 8 de Dezembro de 2008

Pronto, fui só ali e já voltei

Quase um mês afastada das minhas actividades blogueiras regresso feliz e contente, imbuída de espiríto natalício, com a pele seca de tanto corropio pré ritualesco por entre lojas de ares condicionados tropicais e espaço público frio como o verão siberiano, munida de novas energias e com toda a panóplia de tarefas laborais escravizantes terminadas que me afastaram do meu tempo lento blogueiro, entre outras actividades divertidas que me revitalizam e alegram porque confesso... eu não vivo para trabalhar e eu gosto é de ócio (e mantas polares e moscatel...) e de flanar por aí a fazer aquilo que me der na tola...

 

E para recomeçar compartilho convosco esta pérola de sabedoria que se chama senso comum, essa atitude sábia, essa postura existencialista, esse questionar pré socrático latente nos anciãos que por aí andam livremente na sua vidinha de reformados mal pagos; daqueles que a gente ainda consegue ouvir e ver, daqueles que andam de transportes públicos e a pé, seja porque não estão fechados em casa ou amontoados em lares com nomes esquisitos e contraditórios (tipo, "sempre jovens"ou "o nosso cantinho"), seja porque a idade já não lhes permite circular automobilisticamente...

 

E perguntam vocês: velhinhos em transporte público? Sim, sim. E eu ia lá também, num autocarro atulhadinho que me fez arrepender de entrar logo ao trespassar a porta, ensaduichada entre um dread e uma pseudo tia e a levar com o cotovelo de um senhor encasacado que fazia lembrar aquele bonequinho do south park.

 

Então, recapitulando, ia eu e mais metade da população da minha terra metidos num autocarro lagarta que parou à porta de uma igreja da pós modernidade... o centro comercial da terra. Eu tinha o carro no estacionamento do dito, mas quando me vinha embora, a longa fila engarrafada para de lá sair, fez-me dar meia volta e apanhar um bus. Como moro a três paragens do mega santuário, tinha um módulo e pouca gasolina tive essa brilhante ideia de usar o estacionamento público, como privado e lá me enfiei no autocarro a pensar que lá para as nove da noite podia ir calmamente resgatar o meu veículo.

 

E então, no meio da confusão, entre o dread e a tia, iam sentados dois velhinhos. Ele com sacos do jumbo, ela com um guarda chuva; ele de boina, ela de lenço. O diálogo, se escrito por um argumentista polaco, não poderia ser mais surrealista, ele afirmava uma coisa, ela constatava outra ao lado, mas eis que, de repente, aquelas duas almas são unidas pela ideia determinista de destino, passam para o livre arbítrio e ainda afagam a ideia de liberdade tão cara a Leibniz . Eu estava que não podia, ainda pensei ligar dali para a tvi e propor-lhes aquela dupla maravilha em substituição do pulido valente, mas não queria interromper a conversa. Aqui fica a conclusão que eu registei mal sai no meu caderninho de bolso, porque valia a pena e se os cadernos de bolso não servem para isto, não sei para que mais hão-de servir. Com laivos de peça do Brecht, antes de eu, lamentavelmente, ter de sair na minha paragem eis o que foi dito:

 

Ele- anda toda a gente a correr, uns para um lado, outros para outro. Mas eles não sabem que não é a gente que manda no tempo, o tempo é que manda em nós...

 

Ela- pensam que estão a fazer aquilo que querem, mas andamos todos é a fazer o precisamos...

 

 

Ele- não vale a pena correr, quanto mais se corre, mais parados estamos...

 

Ela- a gente pensa que não, mas o homem põe e Deus dispõe...

 

 

Ele (e com razão e acho que eu, o dred e a tia)- o homem põe e Deus dispõe.

 

E sai do autocarro estupefacta com o eco do "o homem põe e Deus dispõe".

 

 

tags:
publicado por amulherdetrintaanos às 18:02
link do post | comentar | ver comentários (11) | favorito
|

.Pinterest

Visite o perfil de Ana no Pinterest.