A mulher de 30 anos não era nascida no 25 de Abril de 74; não ouviu radionovelas e não vibrou com o Festival da Canção. A mulher de 30 anos tropeçou em dois séculos e está aqui! Também opina, ainda não é anciã e agora é mãe

.posts recentes

. Bom dia

. Autoretrato #1

. Adeus fim de semana

. Adeus domingo #2

. Finalmente, toda uma cole...

.Instagram

Instagram

.mais sobre mim

.Pinterest

Visite o perfil de Ana no Pinterest.

.Posts mais comentados

21 comentários
16 comentários
14 comentários

.Setembro 2014

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
12
13
14
16
17
18
19
20
21
24
25
26
27
28
29
30

.tags

. todas as tags

.favorito

. O que é a amizade depois ...

. Nasceu o meu filho

. Da epifania televisiva de...

. Hoje constatei que é dia ...

. Leva-me pró contenente!!!

. Discurso directo I e II (...

. Os dias em que todos nós ...

. voltei, voltei...

. L`air du temps

.links

.subscrever feeds

.arquivos

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

.últ. comentários

Boa noite,Como a entendo.Uma coisa é fazer o "que ...
É tão giro encontrarmos desenhos antigos, retratam...
Compreendo perfeitamente! É tão difícil deixá-los ...
Quinta-feira, 29 de Maio de 2008

Upss (Ui Que Soletrei Sem-acertar)!

Ups!!! Ai senhores, ai senhores (com entoação fadista) que eu escrevi "quotas" com "c" no post abaixo, mas vou assumir as minhas faltas e fica assim, até porque o meu computador está tão lento que nem vale a pena. Estou aqui que não me tenho perante tal erro... A minha cabeça está dividida entre a Edite Estrela, o Diogo Infante e o novo acordo ortográfico...

 

 

Uma ideia no ar... também pode ser adivinha, só para iluminados:

 

e quando nos dizem: "O seu colega está?" e depois de resumirem a coisa, viram-se para outra colega e atiram "Ah, uma colega tão novinha?! Tem uma carinha de miúda!" e nós ali!

 

Nós devemos...

 

primeiro:

pensar assim "que querem falar com o nosso colega mais velho porque acham que ainda somos novinhas demais para perderem tempo; no fundo, umas autómatas inseguras e insensatas. E isso é parvo como o raio porque somos extremamente competentes, assertivas e rápidas a resolver tudo e viramos costas a deglutir, em eco imaginário, um "velha estúpida, vai ser paternalista para a gruta de onde saíste!" 

 

ou, segundo:

pensamos "Fixe pá, devo ´tar mesmo bem?! He, he, he... cara de miúda e já quase 32!!! Será o creme hidratante extremamente caro que resulta, retardando, efectivamente, os efeitos do envelhecimento? Será que o tabaco até faz bem à pele e ainda não se descobriu?" e nem nos lembramos de nos sentir insultados, pois a sensação de euforia egocêntrica ocupa-nos o cérebro inteirinho e até soltamos, alegremente, umas endorfinas a mais?

 

Decididamente, não consigo ascender à zenitude da segunda...

 

 

sinto-me: muito nova, realmente
publicado por amulherdetrintaanos às 22:44
link do post | comentar | ver comentários (6) | favorito
|
Segunda-feira, 26 de Maio de 2008

Só hoje percebi!!!

Eu, às vezes, sou rapariga para demorar um bocado a perceber certas coisas. Ando a assimilar por osmose as coisas, a ser bombardeada com elas, metaforicamente falando, e até parece que me atravessam, mas não retenho nada.

 

Então, não é que eu pensava que a adorável ideia (no mínimo, pois tenho vontade e audácia para adjectivá-la de desnecessária) de que toda a gente era um potencial sócio da selecção só era passível de ser adquirida com aquele kit maravilha do supermercado a que se associou a rtp. Pensava eu que, uma pessoa ia comprar umas laranjas e um sabonete e via o kit, comprava e lá dentro devia vir um cartão de sócio, acompanhado de um formulário e instruções que congratulavam o feliz comprador, desde então, intitulado de sócio. Qual quê?! Eu fui hoje esclarecida por um iluminado que kit era kit e só trazia cachecol + bandeirinha com cores certas! Ser sócio era outra coisa. Era gratuito e para qualquer mortal.

 

"Mas sócio, sócio como...?" dizia eu ao meu colega, "sócio" pode ser sinónimo de compincha; amigo; camarada; companheiro; bacano"...

 

E agora perguntam-se vocês "mas esta moçoila passou-se de vez ou não tem mais nada para escrever?"; ao que eu respondo que não, não me passei e sim, não me lembrei de mais nada. Mas a história não termina porque esse meu colega gastou o meu intervalo cafezeiro a dissertar sobre essa intenção maravilhosa que era permitir que o universo "associativo" da selecção nacional futebolística pudesse crescer até mais não. Para quê? Essa parte não percebi. Ele é sócio da selecção. Aí juntaram-se mais colegas. Houve uma que, não saindo da linha patriótica de algibeira, até tentou desviar a atenção para outro feito, o da cantante que foi ao estrangeiro e ficou bem classificada; outro ainda, puxou à conversa a atleta do triatlo, mas nada, nada podia parar aquela conversa ciclónica, tão intrinsecamente vazia, do cartão de sócio da selecção. Outro perguntou se, ao menos, nos davam em troca qualquer coisa, mas ninguém soube responder... "Não basta ser português para se saber de antemão que se apoia tranquilamente a selecção?"- eu outra vez, "Claro que não!", responde o colega já a sentir o sabor amargo de ser uma minoria... Ninguém o torturou por tal, até porque diz que é muito nervoso e toma muita medicação, deu-se-lhe o desconto...

 

Ora bem, se ao efectuar esse acto tão simbólico, uma pessoa tivesse acesso a privilégios de foro patriótico, tipo ir a Belgrado ver o Festival da Canção e ficar a conhecer a cidade; ir a Bruxelas visitar a sede da UE e visitar o Museu do TimTim; ganhar um passe gratuito ao género do inter-rail para experimentar o TGV na Europa e depois opinar sobre o dinheiro que vai sair do bolso dos sócios da selecção para o pagar, ainda vá que não vá. Eu até acredito que, mesmo se só fosse oferecida uma viagem excursionista até Alcobaça com paragem nas Caldas para comprar loiça brecheira e umas cavacas, o número de associados seria bem grande, mas assim, sem dar nada em troca... hum...

 

Estas coisas irritam-me e não lhes dou importância. Daí a negação e a confusão depois feita sobre questões de interesse altamente nacional. Mas, por outro lado, também me despertam uma análise deveras irritada e muito subjectiva.

 

Vamos lá a ver. Em Portugal há uma crise de cidadania. As sondagens europeias mostram que estamos sempre na cauda de qualquer sondagem sobre participação pública, associativismo, defesa de direitos e por aí. Ou seja, português que é tuga só se interessa por alguma coisa quando de colectiva lhe toca na sua individualidade. De resto, grandes causas, grandes reivindicações, grandes ideais ou solidariedades é para os outros. Ou seja, português que se preze não se mete em confusões, não se chateia com pormenores, não toma grandes partidos; não tem tempo, não tem vocação. Não percebo onde se enraiza este comportamento, mas tentou-se semeá-lo há uns largos trinta anos e até hoje, mercê do clima, não cresceu.

 

Depois aparece uma Federação que é de futebol a fazer sócio quem quiser, indiscriminadamente e vai tudo inscrever-se. É certo que, nos dias que correm, ser gratuito é um grande atractivo e sai mais barato que comprar uma bandeira para pôr à janela. Contudo, qual é o alento de se dizer "sou sócio da selecção de futebol"? É redundante. Qualquer cidadão, já se sabe, num campeoonato europeu ou mundial, revê a afirmação da sua identidade através da equipa do seu país. Ninguém grita pela Rodésia ou pela China se estão a jogar contra Portugal (eu, para chatear até era capaz, mas pronto). Nenhum inglês, amante (salvo seja) de um jogador estrangeiro, tipo o Ronaldo, vai torcer por Portugal contra a Inglaterra certo? Nesta manobra de diversão que serve de argumento para a acção avestruz, o português médio, a empobrecer, endividado, deprimido, cinzento, triste, salariamente magro tem a oportunidade de, contra toda a adversidade, lutar porque é sócio da selecção! Dá alento. Está para agora como o Prozac para os anos 90. E isto é poderoso porque é uma característica inata de todos nós explorada por uns iluminados criativos, mas que é vendido como um dever patriótico de apoiar um bando de caramelos milionários que estão a fazer o que lhes é devido e a auto promover-se internacionalmente para serem comprados a preço de ouro, enquanto os outros sócios, andam a contar os tostões para comprar o cachecol. E quem é que os apoia a eles?

 

 

Ser português, neste país, não vem com cartão de sócio, mas vem com o de contribuinte. Se alguém se atreve a perguntar-me, mais uma vez que seja, se eu sou sócia do raio da selecção, eu digo que sim e espeto-lhe com o cartão de contribuinte à frente e até sou capaz de atirar a matar: "Sou sócia, sou, farto-me de pagar "cotas" e só sou chamada ás "reuniões da direcção" de 4 em 4 anos; é só desembolsar, desembolsar, mas não ganho nada com isso, nem uma consulta médica quando estou doente e não 2 meses depois quando já morri ou me curei naturalmente e nem tenho possibilidade de decretar falência nacional e reembolsar algum, é só perda, não há lucro! Toma, embrulha e manda para a ASAE!"

sinto-me: muito patriótica
publicado por amulherdetrintaanos às 19:33
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
|
Sexta-feira, 16 de Maio de 2008

Conversas do outro género

 

Quando estamos a meio de um seminário muito sério, profissional e composto e na fila de trás estão cinco espécimes do outro género que não o meu, já meio quarentões e perfeitamente engravatados, fatos excelentes, ipods e detentores de um  ar muito yuppie e sério, nunca imaginaríamos que passariam as três horas seguintes a aflorar a meia voz assuntos tão sérios e controversos como:

 

- o cabelo de uma das convidadas, a blusa da convidada, a cara da convidada e a altura da convidada (ok, era muito volumoso, a rapariga era atarracadita, mas somente a constatação bastava, era escusado passar daí para as marcas de champon...);

 

- uma acessa discussão sobre a legitimidade ou falta dela pelo facto do Sócrates ministro ter fumado num avião fretado;

 

- a entrega dos globos de ouro e se o Jorge Palma ainda bebe, ou não, e se tinha bebido, ou não, quando subiu ao palco e foi atirado ao chão pelo Herman José...

 

e a cerejinha no topo do bolo...

 

- a falta de imagens nos power points que iam sendo apresentados...

 

Quando um bocejava, o outro ria, o outro acotovela-se o próximo e o seguinte atirava uma graçola ao primeiro. Consecutivamente, ao melhor estilo do "toca ao próximo e não ao mesmo"

 

Há por aí vozes a levantar falsos testemunhos. Vozes maldizentes apologistas da ideia, construída no tempo e no espaço por um homem qualquer, de que muito mulherio junto é sinónimo de galinheiro. Vocês nunca levaram com um grupo assim em toda a vida!

 

Escusado dizer que nem os olhares esgueirados por cima do ombro e a má cara da minha fila fronteira os incomodaram...

 

Os homens chegam aos 40 todos bloqueadinhos, já prescindiram de tudo o que havia para prescindir; têm fatos e gravatas e telemóveis e ipods, um carro e umas férias em Cancun, um molho de filhos, mas no fundo, no fundo, só precisavam eram de um recreio de vez em quando para interagirem em grupo ao estilo do bolinha onde "menina não entra". Como não têm tempo porque para comprar o carro, as férias, os fatos e as gravatas, têm horários de workaholic, só lhes resta o ginásio ou os seminários. Resultado: são deveras inoportunos nos timmings escolhidos para a terapia grupal do género e dão assim uma imagem de atrasados cognitivos bem vestidos.

 

E as mulheres é que têm conversas futéis, certo?

publicado por amulherdetrintaanos às 22:07
link do post | comentar | ver comentários (10) | favorito
|
Domingo, 11 de Maio de 2008

Raciocínios domingueiros...

 

Quando o tempo está assim, instável e indeciso; quando o sol teima em desaparecer e a temperatura desce, desce, desce em proporção inversa à canção festivaleira sobre o balão que subia, subia, subia... e quando estamos a meio de Maio e o meu biquini novo, comprado na febre estival dos primeiros raios de sol primaveris e que aguarda dias melhores, está pendurado no roupeiro, e mal (porque pendurar um biquini de duas peças num roupeiro é difícil)... dá-me para ordenar ideias domingueiras, o que, nem sempre, é uma ideia fenomenal, pois é um exercício de retórica pouco profundo e um pouco disparatado. Afloram-se-me à ideia então questões tão profundas e pertinentes, mas incomodativas, contudo, pois não têm explicação fácil, apesar da aparente futilidade da coisa. Questões como:

 

- porque usa a mulher do Toni Carreira as suas sobrancelhas originais, pretinhas e farfalhudas (exemplo daquele adn tão português e transmontano, responsável pela propagação além fronteiras da ideia de que a mulher portuguesa era a mais peluda da Europa) e pinta o cabelo de amarelo? Nós olhamos e pensamos: epá, alto aí, volta atrás ou congela (para quem tem "meo")... há ali qualquer coisa que não bate certo...

 

- porque é que o Malato é tão valorizado? Nada como um talk show de one man only para se constatar o que há muito se intuía: falta-lhe qualquer coisa naquela hiperbolização de simpatia e bonacheirice; falta-lhe o resto, sobriedade e profundidade. E vem-me à cabeça a ideia de que, na parelha Malato/Merche, vai na volta, o cérebro era ela...

 

- porque é que ninhguém faz nada quando essa mega editora, glutona e implacável, expoente máximo do neo-liberalismo empresarial, faz birrinha e brinca com uma coisa tão séria e tão permanente na minha vida, esse happening primaveril que é a Feira do Livro?

 

- porque é que o linguado (o peixe) meu preferido está mais caro do que o bacalhau, quando este último é que está em vias de extinção?!

 

 

publicado por amulherdetrintaanos às 14:59
link do post | comentar | ver comentários (8) | favorito
|
Terça-feira, 6 de Maio de 2008

As cidades são assustadoras por isto...

 

 

 

A crónica do Nick Paumgarten, intitulada "estórias de elevadores", foi inspirada neste acontecimento desesperante que aconteceu num movimentado edifício nova iorquino a um desafortunado.

 

É que ninguém deu por ele!

 

Pergunto-me o porquê de tanta câmara de vigilância. Ninguém as vê em tempo real. Aparentemente servem para a polícia em caso de desaire ou para as televisões em caso de ser um acontecimento desta natureza.

 

Da natureza de estarmos entregues a nós no meio da cidade...

 

chiririri-chiririri (entoação de filme de terror...)

 

 

tags:
publicado por amulherdetrintaanos às 22:50
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|
Sexta-feira, 2 de Maio de 2008

Defeitos, Presentes e Desafios, entalada entre feriado e sábado feira

View image detail
Antes do fim de semana, não prolongado, mas interrompido pelo dia laboral de hoje, bora lá actualizar as coisas por aqui que, depois de lerem os meus defeitos, vão perceber o porquê de tanta ânsia de actualização. Boa altura esta para actualizar os desafios que me lançaram e que, mercê de uns posts que me escaparam, nem deles soube. Isso de se estar entalada num dia útil, depois do feriado e antes de sábado é mesmo bom para actualizações.
 Não vão por ordem de “lançamento”, mas por ordem da minha memória recente.
 
O primeiro pertence à Clara cujo blogue é uma pérola de bom gosto e classe, uma ode às artes com links fantásticos! Cinco defeitos para eu apontar á minha pessoa… 
 
Ora bem, eu sou uma grande preguiçosa. Apenas porque a coisa mais difícil da minha vida é acordar de manhã ao som do despertador. É anti-natural e faz mal. Eu acordaria fresca e viçosa que nem um legume acabadinho de ser colhido se acordasse naturalmente quando me apetecesse. E eu nem acordo cedíssimo. Isto faz de mim preguiçosa porque todo o resto do mundo se rege pela inflexibilidade de horários, já para não falar que eu própria tenho um horário a cumprir. Eu sou aquela que dorme à pendura na mota ou agarrada ao varão do autocarro e em pé. E isso faz de mim uma grande apologista da sesta para as almas que se levantam do leito antes das 10 horas. É defeito porque irrita e me ausenta de humor matinal. Eu sou a pessoa mais irascível do mundo até 2 horas depois de estar a pé!
 
Geneticamente chegou até mim um defeito que se vem aperfeiçoando há décadas mercê da antiga vida de bairro de minhas antepassadas. Sou uma cusca, uma cusca controlada, mas mesmo assim, não deixo de ser uma cusca. Este defeito estende-se apenas à rede amigos, colegas e conhecidos, familiares, vizinhos e deixa de fora todas as pessoas que eu não conheço, tipo Lili Caneças ou Elsa Raposo. A minha cusquice só permite a entrada de conhecidos, senão não dá pica. E é um defeito moderado pois não sou uma leva e traz, fico satisfeita só por saber uma boa estória e me rir dela com quem me contou. É no fundo inofensivo. Como a fama já me precede, de cada vez que há alguma novidade suculenta, à porta do meu gabinete emergem outros cuscos… “Nem vais acreditar…”
 
Mais a sério sou um bocado impaciente. Não tenho paciência para a repetição, para meias frases, meias palavras, meias acções. Não tenho paciência para a ignorância proveniente da preguiça mental, para difamações, intrigas, amuos ou chiliques nervosos provenientes do excesso de mimo num adulto. Não tenho paciência para individualismos gratuitos, críticas destrutivas, incumprimento de deveres ou mentiras. Quando a impaciência me chega ao nariz fico arrogante e a tolerância desce até níveis rasos e fico mesmo mazinha. Dura pouco, contudo.
 
Last but not the least sou uma orgulhosa nata. Pedir desculpa custa-me como tudo. Reconhecer que errei ainda pior. Dificilmente peço ajuda. Arrasta, contudo, coisas boas. Não sou muito de lamúrias, nem de contar a minha vida aos sete ventos, mas, lá está, não é muito saudável, pois perde-se tempo a achar que temos sempre razão e exige um grande trabalho interior a objectivar este tipo de situações. Sou também hiper perfeccionista. Eu faço, mas tem de ser mesmo bem feito. É um pouco desgastante, pois torna-me muito exigente comigo e com os outros e deixa-me também pouco imune à crítica. O elevado grau de exigência leva-me a uma auto-crítica arrazadora, o que vistas bem as coisas, não é lá muito saudável.
 
Outro desafio a que eu não virarei costas, apesar de já quase ter passado de prazo, mas só agora é que vi. Este é da responsabilidade da deliciosa sopa de letras. As 5 coisas materiais que já não tenho e me deixaram saudades… hum… eu não sou lá muito nostálgica… hum…
 
1   
 
o meu boneco de borracha feito à semelhança desse desenho animado, mítico para
mim, que era o Jacky, o urso de Tallac, irmão da Nuca e amigo do pequeno índio. Foi
roído pelo meu cão e alguém o deitou fora… sniff
 
2-     o meu primeiro walkman. Tinha 6 anos. Foi algures entre 1981 e 82. Era um volumoso rectângulo maciço e pesado dentro de uma capa de cabedal preta com uma alça para o levar a tiracolo. Metiam-se as cassetes e era um deslumbramento. Tinha uns auscultadores daqueles que nos tapam todo o ouvido, bons para o frio. Pereceu uns bons 10 anos depois e não o guardei. Hoje concorria a peça museológica. Tenho pena.
 
O meu vinil de um álbum dos anos 70 (do século passado) da Nina Hagen, comprado
na Feira da Ladra e aí trocado por uns óculos de sol cor-de-rosa que também já não
tenho.
 
4
A alcatifa rosa shock que estava no meu primeiro quarto. Era fofinha e, mercê dos
tempos, um pouco kitch, mas tornava mais real a minha fantasia de que o meu quarto
era um castelo… foi arrancada quando, pela opinião pública portuguesa, se começou a espalhar a noção de que os ácaros são perniciosos…
 
5  
A minha colecção de livros do António Torrado perdida numa das mudanças de casa da
minha vida… sniff…
 
 
 Uma vez mais não vou mencionar nomes, mas sintam-se à vontade para pegarem no desafio e fazerem dele vosso. Também não valia muito a pena estar a passá-lo directamente porque já estão muito bem distribuídos e quase toda a gente já respondeu... Faço uma excepção a este award simbólico com que a Cristiana , proprietária de um blogue que é um testemunho quotidiano muito interessante sobre o ritual de passagem que atravessa e se querem saber qual é... cliquem. E a Cristiana presenteou-me com este prémio:
*
 e ainda acrescentou que mo atribui porque penso. Obrigada Cristiana, às vezes até eu duvido disso e por isso é sempre bom alguém nos reafirmar esse facto (e estou a falar a sério). Obrigada
E este vou passá-lo às amigas blogueiras que, não só me fazem pensar, mas também, na individualidade dos seus blogs, me mostram complementaridades e outros pontos de vista e, por isso, integram essa diversidade fascinante e complexa de que é feita o género feminino (saiu bem, hem?). E aquelas que fazem pensar são... charam...
*
piratinha 
pipoca mais doce
sonjita
Clara
tg
fátima
miss m
grilinha
nat
framboesa
estupefacta
*
E termino aqui a esquecer-me, muito possivelmente, de mais mulheres que fazem pensar. Fica para a próxima!
__________________________________**_________________________________
Volte, voltei... só para acrescentar que também a dona do em busca do arco íris, o blogue mais xpto, em termos de design, e não só, da blogosfera inteira, me atribuiu este prémio (iupi!!!! já são duas... estou quase a acreditar...). Obrigada framboesa amiga, não sei se reparaste, mas também to atribui, antes de ir lá espreitar. Fica assim. Obrigada, obrigada, obrigada
E como me apetece teclar, mas estou cansada para pensar muito, vou pegar no outro troféu que a framboesa também me atribuiu e responder às questões porque sim, porque me apetecesse...
E o troféu desconcertante é este .
*
Primeiro pensei tratar-se de um engano e até reli, mas não, sou mesmo eu, era mesmo para mim! Contudo, ouvi dizer que muito blog distinto já tinha sido premiado... fiquei a sentir_me melhor. Se a própria framboesa também o recebeu... E com este vêm umas frases para nós completarmos tipo revista feminina ou destacável do jornal em Agosto... e como sempre que leio essas coisas me ponho a pensar o que responderia se me perguntassem, vou aproveitar a oportunidade. Portanto...
*
Ser brega é... ser pimba ou azeiteiro (como dizem no Norte) mas viver no Brasil
*
Na telinha, ser brega é... primeiro, telinha é televisão e pingolim são matraquilhos, certo? Então destaco como exemplo aquele apresentador histérico, do programa televisivo centrado no exercício alternativo da ménage à trois em que só era permitida a entrada a quem tivesse ausência ou quase ausência de dentes; tizesse uso rudimentar da língua portuguesa; usasse 70% de palavrões em cada frase; fosse perito em retirar, em público, excrecências do nariz ou ouvido; não lavasse o cabelo e gritasse como se o mundo fosse acabar ali.
*
Música brega é... a visão daquele menor de idade, a fazer lembrar o Joselito mas já decadente aos 10 anos, a cantar o seu êxito maior como se o mundo também fosse acabar ali e que fazia a devida ode ao peixe de fundo que vem da Noruega...
*
Roupa brega é... uma calça de licra 34 a asentar num rabo 42 (a imagem da minha vizinha persegue-me)
*
Lugar brega é... uma discoteca ao lado de uma lixeira (ali para os lados do Fogueteiro)
*
Filme brega é... o "Love Story" e o "Titanic", desculpem lá, mas lamechices assim, em vez de me fazerem chorar, fazem-me rir
*
Cantada brega é... não sei porque os intuo antes de abrirem a boca e na altura da cantada já fugi
*
Frase brega é... "o que tu queres sei eu" e outra com a qual fui presenteada um dia e ainda tenho pesadelos "não andes a pé, tenho aqui um elevador que te leva onde quiseres..."
*
Namorado brega é... qualquer fanático da bola daqueles que largam a vida toda para ir para a porta do estádio aos dias de semana dar "apoio" aos jogadores
*
Uma foto muito brega é... aquela que nos tiravam à entrada do Jardim Zoológico com um papagaio ao ombro e ele defecar no preciso momento em que a máquina disparava.
*
*
*E agora, sim, bom fim de semana!*
publicado por amulherdetrintaanos às 18:59
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
|

.Pinterest

Visite o perfil de Ana no Pinterest.