A mulher de 30 anos não era nascida no 25 de Abril de 74; não ouviu radionovelas e não vibrou com o Festival da Canção. A mulher de 30 anos tropeçou em dois séculos e está aqui! Também opina, ainda não é anciã e agora é mãe

.posts recentes

. Bom dia

. Autoretrato #1

. Adeus fim de semana

. Adeus domingo #2

. Finalmente, toda uma cole...

.Instagram

Instagram

.mais sobre mim

.Pinterest

Visite o perfil de Ana no Pinterest.

.Posts mais comentados

21 comentários
16 comentários
14 comentários

.Setembro 2014

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
12
13
14
16
17
18
19
20
21
24
25
26
27
28
29
30

.tags

. todas as tags

.favorito

. O que é a amizade depois ...

. Nasceu o meu filho

. Da epifania televisiva de...

. Hoje constatei que é dia ...

. Leva-me pró contenente!!!

. Discurso directo I e II (...

. Os dias em que todos nós ...

. voltei, voltei...

. L`air du temps

.links

.subscrever feeds

.arquivos

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

.últ. comentários

Boa noite,Como a entendo.Uma coisa é fazer o "que ...
É tão giro encontrarmos desenhos antigos, retratam...
Compreendo perfeitamente! É tão difícil deixá-los ...
Sexta-feira, 30 de Novembro de 2007

Para frio e céu limpo (em casa)

 

 

... o lado A do albúm “Revolver”, a grande transicção da banda para uma fase de maior maturidade musical e poética, algo experimental. Atenção especial à faixa “Love you to” do George Harrison e ao clássico negro “Eleanor Rigby” e depois ouve-se o resto que só se fica a ganhar. Atenção ao "For no one"...

 

 

 

 

publicado por amulherdetrintaanos às 19:22
link do post | comentar | favorito
|

Tenho a ligeira desconfiança ...

... que os números dos sindicatos e os do governo relativos à greve de hoje não vão ser concordantes... Não sei porquê. Chamem-lhe pressentimento, sei lá.
sinto-me: desconfiada
publicado por amulherdetrintaanos às 19:08
link do post | comentar | favorito
|
Terça-feira, 27 de Novembro de 2007

A ver se este se consegue ler...

 

 

 

 

 

tags:
publicado por amulherdetrintaanos às 20:30
link do post | comentar | favorito
|

Notas soltas sobre o generation gap

Às vezes tenho saudades de mim quando era uma rapariga-de-quinze-anos.
Daquela ingenuidade e expectativa perante tudo.Com o passar do tempo vamos ficando mais cépticos. Já nem tudo com que nos deparamos nos fascina do pé para a mão.
E ficamos mais desconfiadas. Mais mazinhas. Impacientes. Mais criteriosas.E mais parecidas com as nossas mães naqueles pormenores que antes achávamos terríveis e que hoje constatamos que fazem parte de nós.
E este laivo existencialista porquê? Porquê? Pois, há razão para tudo e as coisas não acontecem assim por acaso.
Ontem fui destratada por uma criancinha de oito anos!
Contexto do ocorrido: uma movimentada artéria comercial. Encontro entre a minha pessoa e a mãe de uma amiga minha da escola primária que passeava o neto, filho da dita antiga colega:
_ Olha, o T.! Tás bom? Há muito tempo que não te via. Estás mais crescido! A escola vai boa? (estúpida, quem é que usa tantos clichés ao mesmo tempo? Eu.)
_ `Tou. (resposta dele, pois, coitado, realmente o que havera de responder perante tamanho chorrilho de disparates?)
(Mas não, eu ainda insisto...) _ `Tás todo giro. Tens um boné muita estiloso (tentativa parva de ser cool). _Quando tinha a tua idade tinha um boné parecido. (Eu a dizer isto e a pensar ao mesmo tempo, para mim, que o melhor era calar-me, que até a mim já me estava a auto-irritar, mas não...).
_ Quando tinhas a minha idade não haviam bonés destes. (risinho matreiro, o da criancinha).
_ Claro que haviam, não foi assim há tanto tempo. (e em vez de me calar e ir à minha vida, não. Continuo qual carro sem travões...) Quantos anos é que achas que tenho? (aqui fiquei amedrontada...).
_ Sei lá, já és velha, deves ter quase QUARENTA!
(Engoli em seco. Quase quarenta tem a mãe dele! Eu tenho muito bom aspecto, até dizem que pareço mais nova e tudo. Contive-me e respondi concisamente)._ Não, não. Tenho SÓ trintaa e ummm (articulando bem e esperando que ele já soubesse tornar inteligível a soma), ainda falta muito para chegar aos QUARENTA.
_ Fogo!!! És quase da idade da minha professora!!!
Venceu. Tem razão. Pronto. Tem razão. Também eu aos oito anos considerava a minha vizinha (na altura com uns 23/24) uma pessoa velha. Crescida. Saía sozinha e tudo. Tinha um namorado. Era velha. Nem falo do que achava da minha própria professora que devia ter uns cinquenta... Essa então estava para mim no mesmo grupo da minha avó. Eram muito velhas, portanto.
Assim e tão friamente lá fui afastada da última geração. E depois ainda responsabilizam os adultos pelo generation gap. A culpa não é só nossa.
Ai não é não.

publicado por amulherdetrintaanos às 19:31
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|
Segunda-feira, 26 de Novembro de 2007

Provocações

Em conversa esparvoada com uma amiga mais trintona do que eu acabámos a categorizar o género feminino trintonesco com base nas suas expectativas amoroso-relacionais. Conteúdos herméticos e ponto final.

 

Isto porque a conversa era entre nós e não alargada a outras opiniões.

 

A nossa conversa é uma verdade absoluta e, nessa forma espácio-temporal muito bem localizada num café com lugar para fumadores, subjectiva e dogmática... cá vai...


Existem trintonas românticas...

Portadoras de uma interioridade simplória intrínseca, rural, regional ou urbana, tanto faz. Vivem num mundo à parte. Desconhecem completamente a natureza humana. Acreditam que hão-de encontrar um homem que assolapadamente por elas se apaixone; de tudo abdique e que viva só para elas. Há-de ser pirosamente romântico e tomá-las com a importância do ar que respira. Terão vários filhos e serão felizes para sempre. Pelo meio lêem na casa de banho e escondidas os livros da colecção Bianca e choram sentadas na sanita perante tamanhas desventuras e desencontros amorosos, sentindo-se bem consigo próprias porque têm ou hão-de viver uma história semelhante. Falam à bébé com o seu namorado/marido/amante e congratulam-se se ele lhes paga nem que seja um café na tasca da esquina. Neste sentido são hiperpositivas porque equivalem esse acto a uma viagem surpresa a Paris.

Resultado: geralmente colam a imagem desse arquétipo ao primeiro grunho que lhes aparece e ninguém as demove daquilo. Deixam de falar com as amigas porque nalgum tempo da história amorosa elas opinaram depreciativamente sobre a criatura e dedicam-se apenas ao lar e ao seu homem, vivendo para ele 99% do tempo. São as mais prováveis vítimas de violência doméstica.

 

Depois existem aquelas trintonas mais pragmáticas...

Um homem é um homem, uma mulher é uma mulher. Se se é heterossexual é-se. Se se gosta de mulheres, gosta-se e se os dois géneros são atractivos são, porque são. É tudo muito claro. As pragmáticas já se definiram como mulheres e se têm dúvidas não as verbalizam. Têm uma ideia muito consolidada de si próprias e já definiram, com antecedência, o que pretendem numa relação. Não são dadas a actos românticos e odeiam musicais. Não percebem a transformação interior que o capitão Von Trapp sofreu por causa da Maria e vomitam perante a harmonia familiar musical do Edelweiss cantado em conjunto.

Resultado: São mandonas e muito independentes e geralmente só um romântic@ completamente apaixonado e passiv@ as atura. Não fazem concessões nenhumas e as coisas são sempre aquilo que são e elas é que sabem. A última palavra é sempre sua. São as mais prováveis perpretoras de violência doméstica sobre o parceiro.

Ainda existem as trintonas resignadas...

São parecidas com as românticas, mas muitooo mais tímidas. E inseguras também. Tão inseguras que só aos 25 perderam a virgindade, se é que a perderam. Têm vergonha do seu corpo, questionam o seu q.i. e invejam todas as suas amigas. Auto-confiança é palavra que desconhecem. Encontram defeitos nos sítios mais recônditos do seu corpo, da sua casa, da sua infãncia. Gostam de falar dos seus traumas e acreditam na regressão. Têm um poster do Tom Cruise no filme Coktail e compram todos os cds do Bryan Adams. Choram a ver o programa da Oprah e choram porque são infelizes e não têm um homem que as ame como elas são. Nenhum as atura por muito tempo perante tamanhas banhadas de depressão, aí viram-se para os chat neteiros e para jogos virtuais tipo Second Life.

Resultado: Potenciais solteironas na acepção mais clássica do termo. Regorzijar-se-ão com a vida das primas, amigas, irmãs porque têm medo de viver a sua. São as mais prováveis candidatas ao programa “senhor-doutor-socorro-que-sou-pobrezinha-e-insegura-pertenço-ao-sistema-nacional-de-saúde-que-nem-dentista-tem-e-não-tenho-dinheiro-para-gastar-sem-razão-aparente-e-preciso-de-ajuda”.

E depois existem também... achámos nós, as trintonas desprendidas...

Aqui há notoriamente dois subgrupos: as super alegres, giras e frescas, fashion e socialmente muito, mas mesmo muito activas. Ou então, tão sérias quanto intelectualmente estimulantes, que são senhoras do seu nariz e criaram a sua própria onda fashion, muito politizadas e com ideologias muito firmadas. Para ambos os grupos um@ parceiro@ e uma relação não é algo a que se aspire, acontece naturalmente. O mundo é o seu limite, seja no hi5, seja numa conferência sobre markismo dialéctico, se a sua retina se expande perante alguém, fazem-se à vida. O seu lema é, mais ou menos, este “uma relação liberal é que é bué normal ”. Não falam à bébé com a sua cara metade e nunca lhes passaria pela cabeça perguntar quinhetas vezes ao desgraçado "Amas-me? Mas amas-me mesmo? Quanto? Quanto? Diz lá... Daqui à lua ou ao até ao infinito? À lua? Só?! Buahhhh... Não gostas de mim!!!". Não, desprendida que é desprendida não se apoquenta com isso. Pergunta logo e pronto.
Resultado: são as mais óbvias presas de uma assolapada paixão, mas conseguem permanecer muito equilibradas no meio dela. Resistem até à exaustão e odeiam os homens a que as românticas aspiram. Têm o muito demarcada a fronteira entre a sua relação e a existência de si próprias dentro e fora dela. Foram eleitas nesta subjectiva categoriazação como as mais saudáveis e porquê. porque não se anulam, diluindo-se.

Esta listagem é ficcionada e qualquer semelhança com a vossa realidade é pura coincidência. Por isso, e só por isso, não me venham depois chatear se se revirem nalguma categoria...

sinto-me: com sono
publicado por amulherdetrintaanos às 22:53
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|
Quinta-feira, 22 de Novembro de 2007

Inverno e alguidares

Ok. Chegou a chuva e o mau tempo. Que bom! O  frio, a chuva, as castanhas. Muito agradável, mas para ficar em casa a comer chocolate.

 

Era tudo muito bonito se os construtores civis não fossem aldrabões na sua maioria, salvo raras excepções que eu não conheço. Também não conheço ninguém que conheça, mas deve haver.

 

Prédios bons, esses que se fazem em Portugal. Bons materiais. Boas tintas. Bom cimento, boa areia que substitui o cimento. Bons isolamentos. Enfim, é só proporcionar qualidade de vida.

 

Agora acrescenta-se a isto um prédio com 15 anos. Pessoas novas e giras e sem dinheiro, como eu e minha metade. E pronto. Adquiro uma dívida ao banco, pois quando acabar de pagar os juros já serei velhinha e aí começarei a pagar a dívida da casa efectivamente. Mas adquiro.

 

Comprámos um último andar para não levar com infiltrações alheias (que espertos!). Num prédio sem elevador que as casa são mais baratas. Pinto a casa com  as minhas mãozinhas, ele também. Não faz mal que somos criativos. Ponho um chão novo no quarto e na sala pois era uma alcatifa rota, descolorada e com manchas muito suspeitas em sítios ainda mais estranhos e agora, 3 anos depois, CHOVE NO MEU QUARTO!!! NO RECESSO DE MEU QUARTO!!! Mesmo ao lado da minha parte da cama e estrategicamente em cima da minha mesa de cabeceira. o livro da Lídia Jorge e o da Françoise Choay, o novo, encomendado na Fnac, estão todos molhados carcomidos e no parapeito da janela da cozinha para apanharem ar e secarem naturalmente, como dizem que se deve fazer com o cabelo. Não usei secador.

 

Dizem que é uma telha partida. Mas o administrador do prédio é funcionário administrativo e eu não confio. Também dizem que é o isolamento que é velho, mas não sei. Vem um técnico especialista em telhados no sábado. Até lá tenho um alguidar... UM ALGUIDAR no sítio onde outrora jazia imperturbável a minha mesa de cabeceira.

 

Há lá coisa mais deprimente do que esfregar a mão num alguidar de manhã pensando que o despertador ainda está ali! É muito triste.

 

Calma. Inspiro levemente o ar e penso em coisas relaxantes (...) e vou enchendo primeiro a barriguinha toda, devagar, devagarinho e a subir o canal todo até aos pulmões. Depois expiro, ainda a pensar em coisas bonitas (...) primeiro pelos pulmões e até lá abaixo, devagarinho, até esvaziar completamente a barriguinha. Completo o exercício relaxante com uma mantra tradicional portuguesa "O que interessa é ter saúde", "o que interessa é ter saúde"; "o que interessa é ter saúde"; "o que interessa é ter saúde"; "o que interessa é ter saúde"...

 

Vou ver se caiu mais água no alguidar.

sinto-me: a meter água
publicado por amulherdetrintaanos às 22:36
link do post | comentar | favorito
|
Domingo, 18 de Novembro de 2007

Tão "quico"

 

E vem cá daqui a pouco, cantar em Lisboa, só para mim.

 

 

publicado por amulherdetrintaanos às 23:36
link do post | comentar | favorito
|
Sábado, 17 de Novembro de 2007

Não sejamos preciosistas, pois é quase a mesma coisa

Pelo menos eu considero assim à falta de conseguir colar aqui um videozito dos Joy D.

 

Só falta o mocinho vocalista.

 

Assim também não estavam mal.

 

Vou tentar ir ao cinema da minha terra, sem ter de me deslocar à "grande cidade".

A ver se a Lusomundo me vai fazer ir a Lisboa agora ou se os cinemas deste lado do rio diversificaram a oferta.

 

Distribuidoras preconceituosas, devem ter uma ideia muito estranha das pessoas que moram frente, ou ao lado, a Lisboa, tipo, só gostam de filmes do hongkonguiano Chang ou do Segal... Pessoal mais estúpido....

 

 

publicado por amulherdetrintaanos às 19:13
link do post | comentar | favorito
|
Sexta-feira, 16 de Novembro de 2007

Já escrevia o Almada...

Esta epopeia do aeroporto, pontes e tgv fez-me lembrar uma prosa interessante e que versava assim...

 

Basta pum basta!

Uma geração, que consente deixar-se representar por um Dantas é uma geração que nunca o foi! É um coio d'indigentes, d'indignos e de cegos! É uma rêsma de charlatães e de vendidos, e só pode parir abaixo de zero!

Abaixo a geração!  (...)

 

E após uma catarse opinativa terminava assim:

 (...) Portugal que com todos estes senhores, conseguiu a classificação do paiz mais atrazado da Europa e de todo o mundo! O paiz mais selvagem de todas as Áfricas! O exílio dos degradados e dos indiferentes! A África reclusa dos europeus! o entulho das desvantagens e dos sobejos! Portugal inteiro ha-de abrir os olhos um dia - se é que a sua cegueira não é incurável e então gritará commigo, a meu lado, a necessidade que Portugal tem de ser qualquer coisa de asseiado!

José de Almada Negreiros, Manifesto Anti Dantas [1916]

publicado por amulherdetrintaanos às 19:47
link do post | comentar | favorito
|
Quinta-feira, 15 de Novembro de 2007

Espírito quarta feireiro

Será agora?

 

Ah? Será?

publicado por amulherdetrintaanos às 16:25
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|
Segunda-feira, 12 de Novembro de 2007

Pode acontecer a qualquer um...

 

BUG, filme. Grande sensação (para o bem e para o mal) na festivaleira Cannes o ano passado.

 

A mim também me passou. Não sei porque não vi este filme.

 

Tradução tristemente portuguesa: "Possuídos" (?!) que devia ser o estado em que se encontrava a alma tradutora que se lembrou de aplicar o redutor adjectivo.

 

 

 

William Friedkin deve ter conseguido com este a sua melhor realização.

 

O argumento é de um senhor(a?) que não ´tou assim de repente a ver quem é, mas deve ser muito interessante concerteza- Tracy Letts.

 

E a hiper interessante criatura que é a Ashley Jude tem uma interpretação de pasmar. Até me esqueci dela no meio daquele delírio todo. espectacular. Não esquecer também o independente Michael Shannon numa espiral de transfiguração psico-física a 1000 à hora.

 

Uma evolução de ambientes genial que vai do filme negro e intimista ao delírio absoluto a roçar o escatológico.

 

Um filme excelente, muito para além da questão que lhe parece estar implícita. Não importa nada se é realidade ou imaginação. Não está condicionado a nada. Não há compromissos conceptuais. Tem a leitura que se lhe quiser dar. Um filme sobre relações humanas (ou a falta delas). Tão somente. Mais nada. Espectacular.

 

 

 

publicado por amulherdetrintaanos às 22:16
link do post | comentar | favorito
|
Sexta-feira, 9 de Novembro de 2007

Leituras ou a falta delas

Ando preguiçosa. Ando mesmo muito preguiçosa. Para além dos livros ténico-científicos que me rodeiam o dia inteiro, não ando a ler nada.

 

Isto é preocupante. Tenho uma série de livros novos para ler e não lhes peguei.

 

Estranho.

 

Isto aconteceu depois de me oferecerem o Código DaVinci. Desmotivou-me, pronto. Tenho uma alergia a best sellers. Por isso também nunca peguei no Harry Potter.

 

Entretanto já me decidi. Agarrei na estante "O vento assobiando nas gruas" da Lídia Jorge.

 

 

Isto de passar muito tempo sem ler por puro prazer faz-me ficar stressada.

Não é para perceber.

tags:
publicado por amulherdetrintaanos às 00:01
link do post | comentar | favorito
|
Terça-feira, 6 de Novembro de 2007

Psoríase e medicação

Eu não me esqueci de colocar a relação entre o que me foi prescrito pelo dermatologista e o preço de cada medicamento (sendo que a maioria não são comparticipados). Estou a procurar os meus recibos da farmácia. Até bloqueei. Mas fica para esta semana, sem falta.
sinto-me: ainda furiosa
tags:
publicado por amulherdetrintaanos às 00:41
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|

Ai o Norte é tão lindo!!!

Ah, pois é! Como dizem @s migrad@s da sua terra de origem, "ah, o Norte é tão lindo!!!". Pois é. Vai daí, fim de semana prolongado que já trabalhei o feriado anterior (o da implantação da Répública) e ruma para cima, pois eu moro mais em baixo, nos arredores de Lisboa.

 

E não sou migrante, nem os meus pais e nem os meus avós. Sou de cá, pronto. Nunca fui para a terra, já cá estava. Na escola eram os putos todos a ir "para a terra" e eu a perguntar em casa porque raio também não tinha direito a uma. Injustiças. Natal aqui, Páscoa aqui, férias grandes aqui. Nem avós deslocados, nem tios e nem sequer uns primitos.

 

Até que conheci meu esposo. E não é que toda a sua família tem terra: a mãe tem uma (longinho), o pai tem outra (Portugal insular... uma maravilha), a tia querida ainda tem outra "terra" e então... Bora lá que a "terra" que eu gosto mais é a da tia. E é longe, lá na serra!!! Frio!!! Castanhas a cair das árvores!!! Até uma arvorezinha de azevinho. Coisa mais linda! Nogueiras à berma da estrada, a gente vai a passar e tauu, foi ao lado. Nem se estaciona ali, só nós que somos "emprestados" da "terra". Acontece.

 

Então estava eu tão descansadinha da vida. Quatro dias a respirar ar puro. Comidinha boa, animais vivos e ao ar livre. Mel, castanhas e caipirinhas (a globalização chega a todo o lado e ainda bem). E pronto, domingo, "bota" mala no carro, traz azevinho, meia dúzia de castanhas, mais o franguito do campo congelado e umas cebolinhas tiradas da trança, beijinho, beijinho, até à próxima e vai de descer a terra a dizer adeus à super tia.

 

Desce, desce... apanha um IP e metemo-nos na Auto Estrada! Uma AE que liga o Porto a Lisboa, apanhadinha em Coimbra. Pensam aqui os tótós dos plebeus (eu e minha metade) que aquilo paga-se, mas chega-se a casa em hora e meia, duas horitas! O tanas!!! A Brisa que vá concessionar estradas para o Sahara!!! Isto é que é roubar o pessoal.

 

Passei duas horas na AE entre Santarém e Torres Novas!!!

A 5/10 à hora. Em Aveiras, toma lá mais uma hora! Chegas à portagem de Lisboa e "passa para cá 12 euros e uns cêntimos!". Mas o que é isto?! Andam as finanças atrás de mim, trabalhadora (muito) reciba verde, vai de pagar à segurança social (na esperança... vã... que a minha mãezinha se reforme ainda com alguma coisa e antes dos 80 anos- sim, da maneira que isto vai) e queres andar de carro e gozar da acessibilidade extrema com que tantos governos te presentearam, minha anónima plebeia? Então, volta a pegar no burro e na carroça que chegas mais depressa a Lisboa vinda de Coimbra!

 

Mas isto é o quê! Um presente para a Brisa! Então, o governo oferece-lhe uma Auto Estrada para esta mirabolante entidade disfrutar e chupar o tutano ao icauto automobilista e vai de iniciar obras de "santa Engrácia" que duram há mais de dois anos. Isso é o quê? Um contrato vitalício com empresas de construção civil, umas atrás de outras? Expliquei-me. É que eu não percebo como é que posso demorar quase cinco horas para chegar a Lisboa vinda de Coimbra, numa AE com troços só de uma faixa e onde a velocidade máxima em metade do trajecto é de 80km/h.

 

Vou reclamar e por escrito. Certinho.

 

E depois disto? Depois disto lá se foi o meu estado zen e todo o ar puro da serra. Pois, é que durante esta provação viária fumei muito tabaquinho. Pronto, estúpida. Lá me levaram a gastar um maço mais do que o previsto e a "dar" dinheiro às finanças. Isto, realmente está tudo feito para chular o "mexilhão".

sinto-me: Furiosa
publicado por amulherdetrintaanos às 00:08
link do post | comentar | favorito
|

.Pinterest

Visite o perfil de Ana no Pinterest.