A mulher de 30 anos não era nascida no 25 de Abril de 74; não ouviu radionovelas e não vibrou com o Festival da Canção. A mulher de 30 anos tropeçou em dois séculos e está aqui! Também opina, ainda não é anciã e agora é mãe

.posts recentes

. Bom dia

. Autoretrato #1

. Adeus fim de semana

. Adeus domingo #2

. Finalmente, toda uma cole...

.Instagram

Instagram

.mais sobre mim

.Pinterest

Visite o perfil de Ana no Pinterest.

.Posts mais comentados

21 comentários
16 comentários
14 comentários

.Setembro 2014

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
12
13
14
16
17
18
19
20
21
24
25
26
27
28
29
30

.tags

. todas as tags

.favorito

. O que é a amizade depois ...

. Nasceu o meu filho

. Da epifania televisiva de...

. Hoje constatei que é dia ...

. Leva-me pró contenente!!!

. Discurso directo I e II (...

. Os dias em que todos nós ...

. voltei, voltei...

. L`air du temps

.links

.subscrever feeds

.arquivos

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

.últ. comentários

Boa noite,Como a entendo.Uma coisa é fazer o "que ...
É tão giro encontrarmos desenhos antigos, retratam...
Compreendo perfeitamente! É tão difícil deixá-los ...
Sexta-feira, 29 de Fevereiro de 2008

Pois, a culpa é da natureza! É que não me lembraria de culpar mais ninguém...

O que é isto?!
   Mar volta a retirar areia da Praia de Alvor, pondo restaurantes em perigo
Alvor, concessionário ameaçado (Jornal de Notícias on line, 25/02/2008)
 
Uma tentativa de decalcar as estâncias turísticas aquíferas da República Dominicana para a costa portuguesa?!
 
Isto é somente uma construção sem sentido num local propenso a estes tipo de acontecimentos, feia como o raio. Em última instância, uma péssima propensão para o negócio de quem investe nestas condições e com estas condicionantes e uma má decisão da entidade reguladora que os deixou poisar ali.
 
 
E isto?!
 
Esposende, mas decerto não é caso único ( ondas.blogs.sapo.pt/arquivo/2005_01.html)
O cúmulo da insensatez e da ausência de política territorial e um falso compromisso. Obstipam o lençol freático (que neste país é noção desconhecida), impermeabilizam os solos, contribuem para a erosão dunar e depois vêm para a televisão queixar-se do “avanço do mar” e da “força da natureza”!!! Ó gente tosca!
 
E só mais este... para mim, paradigmático... Que significado tem esta aberração em plena Serra da Arrábida?!
 
Serra da Arrábida com uma cimenteira lá no meio ( etcetal.blogs.sapo.pt/5138.html)
Em Portugal sempre existiu um puro e completo desrespeito pelo património natural e pelo conceito de ordenamento territorial quase sempre seguido de perto, ou empurrado, por um pato bravismo do piorio ou uns lobbies daqueles bem fortes e que movimentam dinheiro e influências (daquelas mesmo boas e poderosas).
 
Antes de 1974 estas situações tinham implícita, lamentavelmente, a concordância do poder central e do local, este último estrangulado financeiramente por orçamentos ridículos, sem autonomia financeira ou administrativa para gerir e decidir sobre o seu território (se querem saber mais consultem a Constituição Portuguesa de 1933 da responsabilidade do Salazar). Assim, a inexistência de uma autoridade local autónoma, afirmativa e actuante, a que se acresceu a pressão das necessidades habitacionais, principalmente, nos centros urbanos e litorais do país, saturados com os contínuos fluxos do êxodo rural, foram factores concorrentes para o rápido esquartejar desses territórios, retalhando zonas agrícolas, ribeirinhas, baldios, matas e tudo o que mais houvesse disponível para construir, construir, construir. Construir de preferência em altura, comprometendo qualidade e salubridade, ordenamento e qualificação, mas, em contrapartida, especulando nos preços dos imóveis, num negócio lucrativo para poucos e que, por um lado, afastou demasiada gente do mercado habitacional legal hiper inflacionado e, por outro, fez florir o mercado habitacional paralelo, clandestino e ilegal (onde o negócio do aluguer de quartos, compartimentação de anexos e construção desorganizada e sem aprovação camarária imperava) em sítios rocambolescos sem rede de água, electricidade ou saneamento, ladeados, não por frondosos jardins, mas por poças infectas de dejectos, lixos e ademais. A pérola destes tempos foi a auto construção (conceito pomposo para descrever a construção da própria casa abarracada), única alternativa da grande maioria da população portuguesa, analfabeta e esquálida de fome que, entre morrer lentamente nos campos como acontecera às gerações passadas ou tentar a sorte nas indústrias, lá vinham para as cidades com os filhos atrás e mais a mulher procurar emprego precário, mal remunerado e morar, na melhor das hipóteses, numa cave infecta e, na pior, numa barraca ao pé da fábrica. Esse crescimento desordenado e movido pela riqueza rápida de uns poucos contribuiu, em muito, para os níveis de densidade de construção que hoje caracterizam as áreas metropolitanas.
 
Depois veio a revolução e nasceram as autarquias locais autónomas. Anos e anos para colmatar ausência de infra-estruturação e falta de alojamento. Valeu-lhes também a entrada na velhinha CEE e os quadros de apoios a que as 300 e poucas autarquias portuguesas se puderam candidatar. Depois o Estado, sob a égide europeia, decreta a obrigatoriedade dos Planos Director Municipais e elas cumpriram. Desatam as câmaras municipais a elaborar planos directores, definir áreas agrícolas, reservas ecológicas, perímetros de orlas costeiras, áreas com potencial turístico, zonas REN e RAN, reservas ecológicas e outras ademais. Era uma tentativa macro de ordenamento e qualificação do território, tendo em conta o longo prazo, a preservação dos recursos para as gerações vindouras e que foi realmente seguida por algumas. Contudo, no grosso de todo o território português continuam a emergir notícias de infracções ou atropelos aos planos. Existem hoje cerca de 300 mil construções ilegais e a Ria Formosa, só como exemplo, congrega uma percentagem considerável!
 
Este país, ainda hoje, continua a "usufruir"  da secundarização de factores que deveriam ser determinantes, como o controlo da humanização da paisagem e de intervenções “artificiais” em ambientes frágeis do ponto de vista ecológico e ambiental.
 
Voltando ao início. Qual é o espanto dos concessionários do Alvor se habilitarem a perder os seus estaminés de praia? Nenhum. Aquilo está ali quase a pedi-las. Sim, não é construção cimentada, mas para onde vão os esgotos? Quais as condições de salubridade daquilo? Porquê literalmente dentro da praia e à beira do mar? Pois, o mar avança pouco a pouco e é provável que engula aquilo algum dia (ou pensavam que ficariam ali de estaca e toros para todo o sempre?!)... Para quê, então, gastar rodos de dinheiro a atirar areia para as periclitantes fundações de madeira que aguentam aquilo, num contra-relógio contra o estado do tempo do mês de Fevereiro? Só se for para gastar dinheiro público.
 
E, às vezes, a culpa é da chuva! Então, se chove pouco lá se vai a nossa micro-agricultura arcaica; se chove muito, a falta de escoamento de água provoca cheias... Pois, é capaz. No meio de tanto betão ainda ninguém se lembrou de colocar um mega autoclismo nos centros urbanos "de risco" para, quando chover, as Juntas de Freguesia os puxarem e evitarem assim o que anos e anos de avanços na engenharia mundial ou avisos de especialistas mais esclarecidos nunca conseguiram: uma organização racional do espaço com respeito pelas evidências da natureza!
 
publicado por amulherdetrintaanos às 23:03
link do post | comentar | favorito
|
2 comentários:
De framboesa a 3 de Março de 2008 às 14:22
tens toda a razão no que dizes e muitos rebolares de olhos passaram pela minha cara qd vi essa reportagens...
E a coisa vai continuar e manter-se...ai vai,vai!...

xiiiiii... a natureza tem c cada uma né?raxparta mais á chuva..uma pessoa quer construir de modo a q se possam ter os pés debaixo de água e vem uns aguaceiros e levam tudo...completamente imprevisivel...


beijos á beira mar (n estou, mas pronto...)
De amulherdetrintaanos a 3 de Março de 2008 às 19:55
Pois, é que só mesmo para rir... Visitei o site culinário q postaste... vou dedicar-me à cozinha de guloseimas também e durante esta semana para celebrar o dia internacional da mulher de forma tradicional!!! Depois conto... Bjs

Comentar post

.Pinterest

Visite o perfil de Ana no Pinterest.