A mulher de 30 anos não era nascida no 25 de Abril de 74; não ouviu radionovelas e não vibrou com o Festival da Canção. A mulher de 30 anos tropeçou em dois séculos e está aqui! Também opina, ainda não é anciã e agora é mãe

.posts recentes

. Bom dia

. Autoretrato #1

. Adeus fim de semana

. Adeus domingo #2

. Finalmente, toda uma cole...

.Instagram

Instagram

.mais sobre mim

.Pinterest

Visite o perfil de Ana no Pinterest.

.Posts mais comentados

21 comentários
16 comentários
14 comentários

.Setembro 2014

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
12
13
14
16
17
18
19
20
21
24
25
26
27
28
29
30

.tags

. todas as tags

.favorito

. O que é a amizade depois ...

. Nasceu o meu filho

. Da epifania televisiva de...

. Hoje constatei que é dia ...

. Leva-me pró contenente!!!

. Discurso directo I e II (...

. Os dias em que todos nós ...

. voltei, voltei...

. L`air du temps

.links

.subscrever feeds

.arquivos

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

.últ. comentários

Boa noite,Como a entendo.Uma coisa é fazer o "que ...
É tão giro encontrarmos desenhos antigos, retratam...
Compreendo perfeitamente! É tão difícil deixá-los ...
Sexta-feira, 15 de Fevereiro de 2008

Coisas sem importância nenhuma

... mas que aprendidas mais cedo evitariam alguns dissabores desconcertantes.

*

Ainda sobre essa construção anglo saxónica de ontem que, qual halloween, invadiu o país aqui há uns anos com os profs de inglês todos mobilizados, ele era o ensaio da escrita inglesa e outros pretextos gramaticais. Chegava-se a Fevereiro e era fatal: bora lá desatar a escrever cartas em inglês para os nossos "valentines" (que se não tivéssemos não fazia mal, pois então, até se enviam cartões aos amigos...). Sob essa imagem da minha dinâmica professora de inglês do 6º ano em êxtase curricular fase à aproximação da data (e ao nosso olhar pueril de indignação, reflexo da ausência de sentido tuga para a coisa- que vergonha, quem, aos onze anos, vai escrever uma carta de amor para entregar a um colega?! Quem? Ou se fica com a reputação estragada ou se é gozada até ao 9º ano pela proeza! E, em associação livre, passei do santo valentino para os namoros e daí para o meu ajuntamento (não, ayuntamento que em espanhol é outra coisa) quase a comemorar aninhos de vivência/demência em comum...

*

E quem deixa a casa dos pais, não tem o livro de Pantagruel e se decide residir com outra pessoa virgem em “morar sozinho durante mais do que um mês” depara-se com coisas sem importância aparentemente nenhuma, mas que se vai a ver e até têm.

*

Após parcos anos a residir conjuntamente com o "meu rapaz" irei agora compartilhar pormenores dessa arte descobertos pela prática. Pormenores impensáveis para mim até surgirem, inesperados, perante o meu espanto e colocarem a nu, a minha/nossa fraca apetência para “fadas/duendes do lar”.

    -       Saber fazer arroz. Mas arroz a sério: nem papa de arroz, nem compacto de arroz. Quem mora sem a mãe e sabe fazer arroz é um potencial chef, não contrai escorbuto e não enjoa as massas e os cuscus.


    -       Encontrar um sentido para as grandes limpezas gerais à habitação que as mulheres da minha família anualmente executavam e eu nunca tinha percebido bem porquê. O propósito único e inigualável só pode ser retirar as microscópicas traças e aranhas fossilizadas que, envoltas em fino e delicado cotão translúcido, se acoplam aos cantos dos tectos vá-se lá saber como e porquê.


    -       Fazer uma descoberta deveras interessante: o peixe congelado não vem arranjadinho! E isto depois de investirmos em várias tipologias piscíscolas para armanezamento mensal. Não há coisa mais triste do que olhar para um pargo com guelras, escamas e coisas indecifráveis no interior da sua barriguinha e sermos incapazes de lá mexer. A sedução feminina, nestes casos, é uma mais valia. Basta usar um olhar semicerrado e perguntar com voz lânguida: “Fazes tu? Temos umas luvas de borracha na despensa...”

    -       Descobrir que há vizinhos e vizinhos e os nossos vizinhos não são os vizinhos dos nossos pais e nem, de longe, os simpáticos e familiares vizinhos dos nossos avós. Os nossos vizinhos são potenciais psicóticos que geralmente nos batem à porta, não para pedir salsa, mas para nos incomodarem com assuntos tão triviais como o aparecimento de duas baratas no patamar do seu piso. Com o argumento de que é espaço comum e está em causa “a saúde pública no prédio”, já vêm munidos de orçamentos de empresas de extermínio debaixo do braço e com os olhos brilhantes de dever cumprido a aguardar a nossa mobilização imediata perante uma causa tão nobre.


(há-de continuar que isto não pára aqui...)

publicado por amulherdetrintaanos às 13:16
link do post | comentar | favorito
|
1 comentário:
De framboesa a 20 de Fevereiro de 2008 às 11:26
Eu devia ter lido este post há 6 anos atrás(precisamente há 5 anos, 11 meses e três semanas atrás, qd acablu a lua de mel e tive q começar a viver de verdade...)
Especialmente a cena do peixe ...q é aquilo asqueroso q o bicho tem la dentro?!alguém me pode explicar?!!!!!!!
E qt á vizinhança...eh pah...novela mexicana para cima...se eu morasse numa ilha é q era...

Comentar post

.Pinterest

Visite o perfil de Ana no Pinterest.