A mulher de 30 anos não era nascida no 25 de Abril de 74; não ouviu radionovelas e não vibrou com o Festival da Canção. A mulher de 30 anos tropeçou em dois séculos e está aqui! Também opina, ainda não é anciã e agora é mãe

.posts recentes

. Bom dia

. Autoretrato #1

. Adeus fim de semana

. Adeus domingo #2

. Finalmente, toda uma cole...

.Instagram

Instagram

.mais sobre mim

.Pinterest

Visite o perfil de Ana no Pinterest.

.Posts mais comentados

21 comentários
16 comentários
14 comentários

.Setembro 2014

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
12
13
14
16
17
18
19
20
21
24
25
26
27
28
29
30

.tags

. todas as tags

.favorito

. O que é a amizade depois ...

. Nasceu o meu filho

. Da epifania televisiva de...

. Hoje constatei que é dia ...

. Leva-me pró contenente!!!

. Discurso directo I e II (...

. Os dias em que todos nós ...

. voltei, voltei...

. L`air du temps

.links

.subscrever feeds

.arquivos

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

.últ. comentários

Boa noite,Como a entendo.Uma coisa é fazer o "que ...
É tão giro encontrarmos desenhos antigos, retratam...
Compreendo perfeitamente! É tão difícil deixá-los ...
Quarta-feira, 16 de Janeiro de 2008

Para mim, ver de longe a cidade

... é olhar Lisboa.

*

Lisboa é a minha cidade portuguesa de entre todas as cidades. Eu gosto de Lisboa. Para além da estética, da arquitectura ou dos projectos urbanísticos mais antigos ou mais contemporâneos, Lisboa concentra e transmite-nos um imaginário urbano, uma ideia de cidade, do passado impresso no presente, de uma dinâmica que muda todos os dias, da concentração de gente em diferentes horários, da diversidade humana, das camadas de culturas e pessoas que se foram sobrepondo por entre os tempos. Uma necessidade de conhecer outras cidades porque elas já estão nela marcadas pelas pesssoas que a habitam e que vêm de todo o mundo. Lisboa é cosmopolita no sentido em que nos mostra a diferença e como ela é e pode ser intrinsecamente enriquecedora.

*

Gosto de Lisboa não por morar em Lisboa. Gosto de Lisboa porque me habituei a ver a cidade de fora dela. Sempre vi Lisboa do lado oposto do rio. As abóbadas da Sé, o Padrão dos Descobrimentos, as Amoreiras e a Baixa, a primeira Ponte, Alcântara e as docas, quando eram mesmo docas, os cacilheiros e o rio. Os milhões de luzes, projectados de noite, aquecem-nos os olhos, a nós que a olhamos de uma janela, separados por um rio e uma história.

retirado de www.scaperscity.com

 

Gosto de Lisboa porque nasci lá e conheço as ruas e já as li inúmeras vezes com os meus pés. E também porque há muito de reconfortante no facto de podermos voltar ao local onde nascemos sempre que nos apeteça.

*

Tinha-me esquecido de quão bonitos são os jardins e miradouros de Lisboa.

O meu preferido é, sem dúvida, o miradouro da Graça ou da Nossa Senhora do Monte, no lado oposto ao Castelo. Os miradouros são fascinantes porque nos permitem ser voyeuristas sem nos sentirmos culpados; observamos de longe e descobrimos pormenores. A vista da Graça sobre a sua cidade é avassaladora com as colinas a enquadrarem a ponte e o sol a morrer lá atrás.

foto de Dias dos Reis

Lisboa é uma cidade repleta de idiossincracias e contradições e, por isso, fascina-me. Dos bairros pombalinos aos bairros nascidos da racionalidade do urbanismo de meados do século passado; das avenidas novas às avenidas velhinhas como a da Liberdade, a cidade é coerente na sua diferença. Na dissemelhança entre os seus moradores.

Fascina-me em Lisboa a possibilidade de imaginá-la há cem anos atrás. Encontro-lhe os prédios e as ruas que o Eça descrevia; consigo seguir os passos do Saramago no "Ano da morte de Ricardo Reis". Consigo rever a ribeira das Naus com o seu Arsenal da Marinha e os apitos das fábricas e dos barcos. Consigo até imaginar o Largo do Carmo repleto de militares e populares e espantar-me com o seu reduzido tamanho, tão enganador nas fotografias da revolução.

Lisboa é a minha cidade. Para gostarmos de alguma coisa, temos de a conhecer e eu não conheço tão bem nenhuma outra cidade do mundo como conheço Lisboa.

Não a vejo como a "cidade branca", tal como o filme parecia argumentar. Vejo Lisboa com luz, uma luminosidade clara, não branca, mas amarela e que se vai esbatendo num espectro de cores semelhantes à medida que nela entramos.

retirado de www.trekearth.com

 

As cidades, no fundo, para além do espaço físico, construído ou não, dizem-nos alguma coisa, sobretudo, pelas memórias que delas guardamos. Metade da minha vida teve Lisboa como cenário e na outra parte ela esteve sempre presente.

 

Para manter e sublinhar a subjectividade deste texto, concluo afirmando que outra cidade fascinante é o Porto. E mais uma vez, a apreciação é particular: eu gosto do Porto precisamente porque o vejo muito diferente de Lisboa, a luz, a cor, as formas... Sentar-me na ribeira e olhar o Porto é uma memória visual que não esqueço e sempre que posso renovo.

 

 

 

 

sinto-me: embevecida e urbana
tags:
publicado por amulherdetrintaanos às 22:14
link do post | comentar | favorito
|
2 comentários:
De framboesa a 17 de Janeiro de 2008 às 08:58
Embora Lisboa não seja a minha cidade preferida (q é Londres) nem mesmo a minha cidade portuguesa predilecta...revi no teu post algumas das sensações q tenho qd dou um saltinho a lisboa(moro nos arredores)...Aprendi a gostar mais dela no tempo de namoro, ja q o m marido é lisboeta de gema...e trago esta cidade no meu coração...
obrigada por este momento visual e sensorial logo pela manhã enqt bebo o meu cafezito e penso q gostaria muito mais de o beber c vista para a cidade, do q para 4 paredes brancas, uma kjanela sempre fechada e o zumzum do escritorio...


Ahhhhhhhhhhhhh!vi q me tentas-te adicionar aos amigos...mas eu n tenho pagina no sapo, tenhop só no blogger...mas se quiseres mandar qq bitaite é só dares lá um saltinho
De amulherdetrintaanos a 17 de Janeiro de 2008 às 22:53
Pois, eu também gosto mesmo muito de Londres (isso é que é falar em cidade cosmopolita) e de Barcelona, também de Marrakesh, noutra perspectiva; mas realmente não as conheço tão bem como Lisboa. Dizem-me muito, mas noutro nível; fazem-me pensar em como gostaria de lá morar uns meses longos. Ainda bem que te animei a manhã e olha que belas manhãs, a beber cafezinho e a passear na blogosfera. Pois, a cena do adicionar, já percebi, mas tens aqui uma visitante assídua! Bjs

Comentar post

.Pinterest

Visite o perfil de Ana no Pinterest.