A mulher de 30 anos não era nascida no 25 de Abril de 74; não ouviu radionovelas e não vibrou com o Festival da Canção. A mulher de 30 anos tropeçou em dois séculos e está aqui! Também opina, ainda não é anciã e agora é mãe

.posts recentes

. O FIM

. Bom dia

. Autoretrato #1

. Adeus fim de semana

. Adeus domingo #2

.Instagram

Instagram

.mais sobre mim

.Pinterest

Visite o perfil de Ana no Pinterest.

.Posts mais comentados

21 comentários
16 comentários
14 comentários

.Fevereiro 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28

.tags

. todas as tags

.favorito

. O que é a amizade depois ...

. Nasceu o meu filho

. Da epifania televisiva de...

. Hoje constatei que é dia ...

. Leva-me pró contenente!!!

. Discurso directo I e II (...

. Os dias em que todos nós ...

. voltei, voltei...

. L`air du temps

.links

.subscrever feeds

.arquivos

. Fevereiro 2015

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

.últ. comentários

Boa noite,Como a entendo.Uma coisa é fazer o "que ...
É tão giro encontrarmos desenhos antigos, retratam...
Compreendo perfeitamente! É tão difícil deixá-los ...
Segunda-feira, 9 de Fevereiro de 2015

O FIM

O Fim deste blog, o fim de uma parte da minha vida, o fim de alguma coisa que um dia existiu e o fim de mim como fui até hoje.

 

Agora vou procurar cá dentro onde me perdi porque, entre esse lugar e o buraco negro do meu coração, está quem eu fui e quem eu quero ser. Como o miguel torga também eu penso que na harmonia entre o indíviduo e a sua natureza está o auto conhecimento que leva ao reconhecimento da felicidade. Essa capacidade de ser feliz não depende dos outros, não está neles, depende de nós.

 

 E nunca mais me vou esquecer do valor da amizade. Nestes últimos dias redescobri-o.

 

Livre não sou, que nem a própria vida
Mo consente.
Mas a minha aguerrida
Teimosia
É quebrar dia a dia
Um grilhão da corrente.

MT

 

 

 

 

publicado por amulherdetrintaanos às 11:34
link do post | comentar | favorito
|
Terça-feira, 23 de Setembro de 2014

Bom dia

Arabela abria a janela.

Carolina erguia a cortina.

E Maria olhava e sorria: "Bom dia!"

Arabela foi sempre a mais bela.

Carolina a mais sábia menina.

E Maria Apenas sorria: "Bom dia!"

Pensaremos em cada menina que vivia naquela janela; uma que se chamava Arabela, outra que se chamou Carolina.

Mas a nossa profunda saudade é Maria, Maria, Maria, que dizia com voz de amizade: "Bom dia!"

Cecília Meireles<http://www.ecolenet.nl/tellme/poesia/cecilia.htm>

As meninas in Ou isto ou aquilo, 1964
publicado por amulherdetrintaanos às 10:07
link do post | comentar | favorito
|
Segunda-feira, 22 de Setembro de 2014

Autoretrato #1

image003.jpg

 Apesar da minha propensão para a arte de desenhar ser aquilo que se vos afigura, nunca deixei de tentar.

Eu adoro lápis de cor.

Este ufano auto-retrato estava num fundo de gaveta, que é o seu local de eleição, e tem precisamente 6 anos. Data de 2008 portanto.

Já não tenho o casaco da Zara, nem a mala; por falar nisso, nem as camisolas e tampouco as calças. Também já não fumo e já não tenho um maço de cigarros na mão há alguns meses.

O cabelo está curto e mais claro. Estou mais gorda, mas continuo bastante esbelta. Adorava aqueles sapatos, resistentes até ao ano passado.

Vistas bem as coisas continuo a ter hobbies de hora do almoço muito pueris: ou desenho ou tiro fotografias ou faço recortes ou leio ou faço colagens à la scrapbook ou escrevo postais.

Tão diferente que estou e, no entanto, tão igual.

publicado por amulherdetrintaanos às 11:24
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|
Segunda-feira, 15 de Setembro de 2014

Adeus fim de semana

image001.jpg

publicado por amulherdetrintaanos às 13:20
link do post | comentar | favorito
|

Adeus domingo #2

prazeiroso;(

 

Sem televisão.

 

Tentei escolher os melhores postais, de acordo com o perfil dos postcrossers que me calharam. Um foi para os estados Unidos, o outro para a China, lá mesmo no sul, para os lados de Hong-Kong.

 

Depois o Taichi Yamada continuou a assustar-me.

 

Boa segunda feira de doidice pedonal e/ou automobilística para vós que andais a distribuir crianças pelas portas das escolas ou estivestes encalhados no trânsito, mercê daqueles que andam a distribuir crianças pelas portas das escolas!

 

 

publicado por amulherdetrintaanos às 12:52
link do post | comentar | favorito
|
Quinta-feira, 11 de Setembro de 2014

Finalmente, toda uma colecção para mim

image001.jpg

image002.jpg

Esta sou eu.

 

Olá pessoas!

 

Nunca antes aconteceu.

tags:
publicado por amulherdetrintaanos às 12:28
link do post | comentar | favorito
|
Segunda-feira, 8 de Setembro de 2014

Segunda feira de choro

para mãe e sua filha.

 

Dois meses depois voltou ao infantário. Parecia convencida. Não estava.

 

Um nó na minha barriga vai subindo à garganta à medida que o choro aumenta e aos gritos de desespero se juntam as mãozinhas a agarrar-se, desesperadas, a mim que sou a mãe. A mim que a deixei lá. Que fiquei no corredor a escutar se melhorava. Não melhorou. Volto à sala, não volto à sala? Não voltei. Fui. A ouvir os gritos, agora entrecortados com soluços, "Mã-mã!". Ia estóica até à saída quando me diseram "Então mãe, não vá assim tão triste..." Desatei eu a chorar. Só me apetecia ir buscar a minha filha e ficar com ela, agarradinha, até ela querer. Também não fiz isso. Fui trabalhar.

 

 

*E para quem ache isto uma lamechice, que há-de haver concerteza, porque "eles depois calam-se" e "aquilo é tudo ronha" e pérolas que tal, não partilho desse cliché. Ela estava no seu direito de querer vir comigo e no direito de me querer com ela porque é um bebé numa sala nova, com novas educadoras e novos colegas. E só tem dois anos e também tem medo. E não sou nada adepta de negligenciar os sentimentos das crianças só porque são crianças. Até por essa condição importam muito mais. E sim ela chorou e eu chorei e a vida é assim, mas isso importa. Não é de desvalorizar. Vai passando, mas importa. E não faz mal se ela amanhã chorar novamente. Farei tudo à mesma: acoradremos a falar da escola, escolhemos a roupa para a escola, um boneco para levar para a escoal, iremos a cantar no carro e ela chorará de novo. Até deixar de o fazer. Até se habituar dir-lhe-ei sempre o mesmo: "Até logo, o papá vem buscar e depois vais ter coma mãe!" Até ela acreditar.

 

publicado por amulherdetrintaanos às 10:45
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
|
Quinta-feira, 4 de Setembro de 2014

Só há Portugal no litoral

A desertificação de um território não é consequência do seu abandono por parte dos seus habitantes. A causa está além, muito antes da tomada de decisão massiva de "dizer adeus às ovelhas, aos cães e às cabras velhas", em resumo, ao lugar onde se nasceu. E isto é verdade para todas as escalas: da desertificação migrante, conhecida como êxodo rural, à desertificação nacional, conhecida como emigração.

 

Se a humanização da paisagem é categoria geográfica para se pensar no ordenamento do território, o que dizer das políticas de desertificação da paisagem, responsáveis pela machadada final a qualquer equilíbrio entre centros e periferias no território português?

 

Esta reportagem tem um título assertivo onde se esconde um travo apologético porque quase apocalítico. Ali estão, a cores, as fotografias do abandono, das terras fantasmas e dos baldios de amanhã. Numa altura de tanto desemprego, emigração e desinvestimento económico, aquilo que mais dói é o desinvestimento de visão política para um país que, sendo tão pequeno, nunca mereceu ou conseguiu ter um planeamento integrado, inter regional. De especulação imobiliária em especulação imobiliária, de obra pública em obra pública, de poupança em encerramento de obra pública, vamos é todos para o litoral, esse local onde se concentra hoje o desemprego, fugindo da solidão escura e fria dos campos e edifícios abandonados. Vamos todos ser pobres em construções sobrelotadas que, ao menos, temos calor humano. Ninguém quer ser eremita na própria terra onde nasceu.

publicado por amulherdetrintaanos às 15:54
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|
Quinta-feira, 28 de Agosto de 2014

A doutora chegou

image001.png

e vai tratar de ti,

se és um brinquedo então, sorri!

Tu esquece os medos,

Esta é a doutora brinquedos!

 

Sá-sá-sabe o que te faz bem.

A doutora vai tratar-te agora!

 

É-é-é aqui que deves vir

se precisas de uma reforma!

 

Isto não me sai da cabeça hoje. É pior que a canção do "menino era eu". Então a parte do "sá-sá-sá" aumenta-me as saudadinhas da minha pequena sereia cantora e tudo.

publicado por amulherdetrintaanos às 16:57
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|
Terça-feira, 26 de Agosto de 2014

Update atrasado sobre necrologias dedicadas a Robin Williams

Não era o meu actor de eleição e nem lá chegava perto. Parafraseando um professor de filosofia que tive no secundário, o Clube dos Poetas Mortos é um dos filmes mais sobrevalorizados da história hollywoodesca, sem mérito. Hoje em dia então considero o filme mesmo muito mau: para aprender não é necessário armar um circo como aquele em que o argumento se agarra e aquele dramatismo desmesurado do professor sofrido porque também ele foi um rebelde e há-de quebrar o sistema por dentro, sacrificando-se a um fim já conhecido desde o início, o desemprego, nada traz de novo. Os alunos não aprendem porque sem embelezamento dos conteúdos, a coisa é difícil e tudo o que é difícil, desmotiva. O filme é uma ode ao facilitismo, nada tem de poético porque é forçado, os dramas tratados estão banalizados e secundarizados pelo argumento básico e o contributo do actor principal vai na linha da carpideira. Já me esforcei, mas não me lembro mesmo de nenhum filme com o senhor que tenha gostado: N´O Rei Pescador estive lá perto, mas para mal do Jeff Bridges, foi mesmo a interpretação do Robin Williams quem estragou aquilo.

Posto isto, é sempre com tristeza que me deparo com a amplitude destruidora da doença mental. Não devia haver necessidade.
publicado por amulherdetrintaanos às 17:18
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
|

Nestas férias descobri o Postcrossing e desde que tive 15 pen-friends, no século passado, não aguardava pelo carteiro desta maneira

Uma ideia excelente! Para quem, como eu, tem um fascínio especial por escrever, por receber cartas, por partilhar coisas e descobrir outras tantas novas, este projecto, agora gigantesco, iniciado e gerido por um português, está desde 2005 a contribuir para a permanência do romantismo associado ao acto de enviar e receber, escrever e colocar no correio uma simples carta manuscrita! O mais engraçado é mesmo a surpresa de receber um postal de um canto do mundo desconhecido endereçado a nós! Quem estiver com curiosidade vá ao link e descubra. Em Portugal já existem mais de 5 mil postcrossers, mas nunca são demais, antes pelo contrário! Fica o link:

 

http://www.postcrossing.com/

 

 

publicado por amulherdetrintaanos às 16:05
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
|

E eis-me de volta, retemperada, pós férias!

image001.png

Para trás um sul de Espanha a rimar mesmo com verão: muito calor, pouca humidade, nenhuma pluviosidade, muita praia, muito castelo e fortaleza, muita luz solar, muitos gelados e muitas tapas! Málaga é uma cidade gigante, muito movimentada, próxima de praias espectaculares, com muitos museus (a comprovar que a quantidade pode ser inimiga da qualidade) e pertíssimo de locais muito bonitos que fazem o coração da Andaluzia pulsar para além das sevilhanas. Já volto, mais a sério!

tags:
publicado por amulherdetrintaanos às 15:56
link do post | comentar | favorito
|
Quarta-feira, 23 de Julho de 2014

Os livros na ilha

Ora para uma ilha, sem outro entretém, eu poderia levar os tais três livros. Ao invés de levar leituras em stand-by, seria uma boa oportunidade para reler, com muita calma, os livros lidos há muito tempo, mas que nunca me saíram da memória. Aqueles cuja história já está difusa, mas que permanecem lá, a ditar excertos e exemplos que se me afloram à cabeça em determinadas situações. Depois, como só podia levar três, aproveitava para saborear a poesia do O `Neill. Podia ser outro, mas o O´Neill ainda tem muito para me dar.

 

 

 

 

publicado por amulherdetrintaanos às 09:58
link do post | comentar | favorito
|
Segunda-feira, 21 de Julho de 2014

It´s the final countdown... almost there...

paisajes hermosos tajo de ronda por la mañana

 

 

tags:
publicado por amulherdetrintaanos às 10:17
link do post | comentar | favorito
|
Sábado, 19 de Julho de 2014

O meu gelado preferido para combater o calor

tem lugar cativo nesse top desde os meus 11 anos de idade e continua a existir na mesma gelataria onde, munida com uma nota de cinquenta escudos, à tarde, depois do lanche, chegando pela sombra de um verão com cheiro a mar e banhistas, me acercava da antiga bancada e dizia para o senhor, que já lá não está, da cabeça calva tapada com uma mão cheia de cabelos lambidos que vinha, em linha reta, qual franja enviuzada, do outro lado da sua cabeça:

 

-"Era um cone médio (hoje é de duas bolas que se pede) com sabor a pistáchio e a baunilha, se fáchavor!".

 

Tem preceito: tem de ser naquela gelataria e primeiro é o pistachio a oscular o cone e, no seu topo, qual amazona, a baunilha:)

 

 

publicado por amulherdetrintaanos às 17:23
link do post | comentar | favorito
|
Sexta-feira, 18 de Julho de 2014

Isto é uma vergonha. Isto é a milenar história da humanidade. Já chega, não?

Mãe chora em Gaza

A mãe de uma das quatro crianças palestinianas  mortas por um projétil israelita  na cidade de Gaza. Autoridades de saúde de Gaza dizem que mais de 220 ​​palestinos, a maioria deles civis, foram mortos em barragens aéreas e navais, no pior surto de violência entre israelitas e palestinianos em dois anos.

publicado por amulherdetrintaanos às 15:08
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|
Quinta-feira, 17 de Julho de 2014

Da endogamia das cidades

Ou de como pode ser verdade aquela máxima de que, no fundo, da nossa rede de relações sociais, pequena e local, podemos partir para estabelecermos contactos com quase metade do mundo, aproximando o mundo a partir de um ponto que somos nós pois há sempre um primo de um amigo que na parte mais remota da China encontra a tia avó de uma amiga do marido desse primo de um amigo que nos conhece...

 

Moro numa cidade com mais de 160 kil habitantes. Pronto. Comprei o carro num stand duma localidade, algo remota, da área desse concelho. A preencher os papeis burocráticos no stand diz-me o vendedor a olhar para o meu recibo de ordenado: "- Olhe, trabalha aqui?! Conhece o Ambrósio Augusto?". Respondo eu, "- Ó senhor, sei lá eu, aquilo é muito grande e não nos conhecemos a todos.". "-Ah, que pena, é um sujeito simpático, vendi-lhe ontem um carro. Aqui no recibo de ordenado dele, o Departamento é o mesmo que o seu, por isso pensei que se conhecessem.". "Ah, não devemos, o Departamento tem dezenas de funcionários e não estamos todos no mesmo local." E ele não desiste: "pronto, está bem, só que no local de trabalho diz o mesmo que no seu..."

 

Era mesmo o meu colega mais introspectivo. Aquele sobre quem ninguém sabe nada. O que não conta nada.

 

No outro dia de manhã, no corredor dos gabinetes, o que é que eu fiz?

 

"Oláaa, Ambrósio! Então compraste um carro novo porque te vais casar?"

 

 

tags:
publicado por amulherdetrintaanos às 14:44
link do post | comentar | favorito
|
Quarta-feira, 16 de Julho de 2014

Bruschetta também é jantar

 

Eu que não cozinho muito em casa, fazendo, entre outras actividades equivalentemente importantes, uma azáfama de coisas relacionadas com a higiéne íntima e pública de todo o agregado familiar (vulgo, tratar da roupa), vi-me ontem a braços com o chef (de cuisine) aqui de casa cansado de ponderar refeições. Vai daí, sem ter lanchado nada em condições assolou-me a ideia (e isto com as ideias culinárias de que sou acometida há um sério e directo estabelecimento relacional entre cérebro e estômago) de uma simples (tal a vontade de ser um masterchef) sandocha com tudo aquilo que eu, cheia de fome e inércia, conseguisse tragar.

 

Saíram duas bruchettas. Ambas almofadadas com azeite e alho moído ao minuto. Uma de queijo mozarella, tomates cherry, tomilho fresco e pimentas; outra de bacon e cogumelos (não frescos, enlatados), assadinhos na frigideira sem mais gordura nenhuma, com queijo parmesão por cima. Lá foram ao forno e estavam deliciosas. Pequena sereia nem quis provar, apenas disse olhando... "papa dos crescidos!". Também diz o mesmo quando comemos pizas, coisa que odeia. Jantou bife com esparguete, sopa de morango beterraba e muitaaaas uvas (sem graínha, vivam os senhores engenheiros genéticos agrónomos).

 

 

E para quem diz que bruchetta é só entrada, eu contraponho que, se a fatia de pão for grande, passa a prato principal.

 

tags:
publicado por amulherdetrintaanos às 14:12
link do post | comentar | favorito
|
Terça-feira, 15 de Julho de 2014

Calor e texturas

O sol dá a ambos o mote e o motivo.

tags:
publicado por amulherdetrintaanos às 14:56
link do post | comentar | favorito
|

Férias para uns... trabalhos a mais para outros

Ai o que adoro andar deslocalizada, com a casa atrás, vulgo carregadinha com agendas, pastas de projectos, correndo equipamentos culturais, órfãos de quem foi de férias.

 

A minha vingança?

 

Redecoração do estaminé. Muaahhh!!!

 

Com um relatório para acabar até 6ª feira achei que esta entrada, edifício de valor patrimonial, agora guardião de memórias e imaterialidades, merecia uma makeover supimpa. Só agora parei. Ai que coisa mais linda! Estou quase a ir ali à rua para chamar público só para que apreciem esta bela recepção!!!

 

Pois, isso levanta outra questão. O pessoal queixa-se muito de que é tudo caro, paga-se impostos e não há qualquer retorno, mas a verdade é que, falando de cultura, a coisa até não é tão negra assim (eu disse "tão" o que pressupõe que por vários motivos e desinteresses está só cinzenta). Aqui estou eu, sentadinha, à espera de receber de portas abertas (e nova decoração) uma data de visitantes que, gratuitamente, podem assistir a um filme, uma exposição e explorar uma mesa interactiva xpto do melhor que neste mundo dos museus internacionalmente se oferece e o que é que qacontece? Nada. Nothing. Nadinha.

 

Pois, não está a ocorrer uma partida de futebol cá dentro, não é? Só redecorei a entrada, não estou a oferecer caracóis... É a vida!

tags:
publicado por amulherdetrintaanos às 11:10
link do post | comentar | favorito
|

.Pinterest

Visite o perfil de Ana no Pinterest.